Faixa Preta: trajetória de Bernardo Faria no Jiu-Jitsu

O juiz-forano Bernardo Faria, de 26 anos, está conquistando cada vez mais status no mundo do Jiu-Jitsu. No dia 02 de junho, em Long Beach, na Califórnia, Estados Unidos, o lutador da equipe Alliance foi campeão mundial na categoria superpesado, e ficou com o bronze na categoria absoluto. Em 2010, o lutador também saiu como campeão, mas na categoria pesado.

Com muito destaque na arte marcial, Bernardo trilha um caminho de sucesso desde 2001, quando começou a ter o Jiu-Jitsu inserido em sua rotina. O atleta conversou com o Toque de Bola e contou um pouco da sua trajetória.

Quando tudo começou

Todo grande atleta tem uma história interessante do início da carreira. Com Bernardo, não foi diferente. Em 2001, quando ainda tinha 14 anos, Pedro Henrique, amigo do irmão de Bernardo, o levou para assistir a um treino que marcou o começo da carreira do juiz-forano.

“Comecei o Jiu-Jitsu em 2001, por influência de um amigo do meu irmão, que hoje é um dos meus melhores amigos e ate meu padrinho de crisma. Ele treinava, um dia me convidou, eu fui, e gostei muito”, lembra Bernardo.

Para Pedro Henrique, principal influência do campeão mundial, acompanhar o sucesso do amigo é algo indescritível. Pedro também lutava, mas não seguiu carreira. Porém, já se sente feliz apenas por fazer parte da história de Bernardo.

“Eu era amigo do Léo, irmão do Bernardo. Passei a frequentar a casa dele e assim nos conhecemos, em 2000. Disse a ele que lutava Jiu-Jitsu, mostrei algumas medalhas e ele se empolgou. Com isso, o convidei para treinar e ele não parou mais”, conta Pedro.

Pedro Henrique sempre acompanhava Bernardo nas competições e treinamentos. Hoje, o amigo se orgulha dos feitos de Bernardo e se considera o maior fã do lutador.

“Assim como ele, sou apaixonado pelo Jiu-Jitsu. Mas ele decidiu dar continuidade e viver disso, diferente de mim. Acho que hoje sou o maior fã dele e fico muito feliz por tudo que ele está conquistando. Às vezes passamos horas no telefone conversando sobre lutas, campeonatos, treinos, e muito mais. O fato de eu ter o ‘apresentado’ ao Jiu-Jitsu e ele ter se tornado um dos grandes nomes no esporte é motivo de orgulho pra mim. Bernardo é a maior prova de que devemos acreditar e lutar pelos nossos sonhos, que um dia eles se realizam”, comemorou Pedro Henrique.

Palavra do professor

Outra pessoa importante na trajetória de Bernardo Faria foi seu primeiro professor, na academia Olympia, Ricardo Marques, que fala com muito orgulho do atleta. Para Ricardo, o garoto de 2001 já aparentava ser um vencedor, por todo o empenho e responsabilidade nos treinos.

“Eu me sinto muito feliz em ver que o trabalho que a gente começou lá atrás, quando ele tinha 14 anos, está dando bons frutos. Ele já dava indícios que seria um lutador diferenciado, pois sempre foi um garoto muito determinado, muito focado, sempre soube o que ele queria buscar. Acreditou no sonho dele, fez a parte mais importante, que é o treinamento, com muita dedicação e disciplina, e hoje só está colhendo os frutos do que ele plantou. Ele ainda tem muito mais a conquistar no Jiu-Jitsu. O Bernardo começou na Academia Olympia, veio conosco para a Vida e Saúde, onde sou professor hoje. Assim que ele se formou, foi para São Paulo, lugar onde as oportunidades são maiores”, disse o treinador.

Mesmo após ter conquistas muito relevantes em sua carreira, Bernardo não esquece suas origens e faz questão de lembrar com muito carinho e admiração do professor que o ensinou os primeiros golpes dentro do mundo da luta.

“Eu treinava com o meu ex-professor que também é um dos meus melhores amigos hoje em dia, Ricardo Marques. Atualmente ele ensina na academia Vida e Saúde, com uma equipe muito grande, com muitos alunos e um nível fantástico. Assim que me formei na faculdade de Administração, em 2008, com o apoio do Ricardo, me mudei para São Paulo, para fazer parte da equipe Alliance, que é a atual melhor equipe de Jiu-Jitsu do mundo, onde me tornei aluno do Fabio Gurgel, que além de meu professor e amigo, é meu empresário”, destacou o campeão.

Sempre Jiu-Jitsu

Com o crescimento do UFC, maior evento de MMA do planeta, a maioria das pessoas acredita que o maior sonho de um lutador é estar filiado à marca do presidente Dana White. Mas, no caso de Bernardo, o amor e as conquistas obtidas no Jiu-Jitsu o fazem não querer migrar para o MMA.

“Já tive vontade de lutar no UFC, mas hoje em dia não tenho mais. Se eu fosse fazer MMA, seria muito pelo dinheiro, e não por amor e vontade própria. O Jiu-Jitsu vem crescendo muito no mundo inteiro, e graças a Deus estou ranqueado em segundo lugar no principal ranking mundial, sendo que em fevereiro estava na primeira posição. Seria muito arriscado deixar um esporte que eu batalhei tanto para chegar até aqui, para me mudar para outro esporte que no início eu seria mais um no meio de milhares. Mas o mais legal de tudo, é que o pessoal do UFC sempre nos procura para treinarmos a parte de chão deles, então talvez eu nunca vá lutar um UFC, mas serei técnico de muitos lutadores de lá. No ano passado, por exemplo, dei aulas para o americano Josh Koscheck, esse ano treinei com o Demian Maia. O Mauricio Shogun e o Fabricio Werdum estão sempre indo para São Paulo treinar em nossa equipe, então isso é bem legal”, relata o faixa preta.

Outra curiosidade de muitos amantes do mundo das lutas são os treinos dos brasileiros no exterior, na maioria das vezes nos Estados Unidos. Para Bernardo Faria, isso pode ser traduzido em duas palavras: respeito e valorização.

“Atualmente estou treinando em Nova York com o Marcelinho Garcia, que é uma das maiores lendas da historia do Jiu-Jitsu. O motivo é que o esporte em geral aqui no EUA é muito mais respeitado e valorizado, e, além disso, a maioria das importantes competições está sendo nos EUA, como, por exemplo, o panamericano e o Mundial. Ou seja, fica tudo mais fácil estar treinando aqui”, explica o lutador.

“Quero ser campeão”

Apesar das muitas conquistas, Bernardo quer mais. O sonho do lutador, que o motiva a treinar ainda mais, é se tornar um dos grandes nomes de um esporte muito praticado no país e que já deu muitas alegrias aos brasileiros.

“Minha ideia para os próximos anos é competir o máximo que eu puder, para fazer meu nome ficar cada vez mais reconhecido no Jiu-Jitsu, e fazer parte da história do esporte”, encerrou o campeão mundial.

Texto: Igor Rodrigues

Veja galeria de fotos do lutador:

Este post tem 6 comentários

  1. Carlos Augusto

    Parabéns por trazer um nome como esse para que todos possam valorizar o esporte de Juiz de Fora.
    Toque de Bola sempre representando, com muita qualidade. Matéria alinhada, com ritmo excelente.
    Parabéns ao Bernardo, pelo sucesso. Não o conhecia, mas agora já tenho orgulho de representar a cidade que nasci e infelizmente já não moro mais.

Deixe seu comentário