Tupynambás explica estreia sem público e diz que no Tu-Tu ideal seria meio a meio

Estádio Municipal Radialista Mário Helênio sem público momentos antes de Tupynambás x Boa

O Toque de Bola conversou com o presidente do Tupynambás, Cláudio Dias,  para entender os motivos de o Clube ter atuado sem venda de ingressos justamente no dia da estreia no Módulo 2 do Campeonato Mineiro, na tarde de quarta-feira, dia 27, contra o Boa Esporte, no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio.

Aproveitamos para saber sobre a carga de ingressos destinada ao Baeta no clássico (domingo, dia 1º, 11h, contra o Tupi, mandante da partida) e também se haverá venda de ingressos normalmente nos outros jogos com mando de campo do Leão do Poço Rico.

 Confira as respostas do dirigente.

1) Quais os motivos da decisão de não vender ingressos para a estreia?

 Cláudio Dias: “Quarta às 15:00, não conseguiremos atrair público, esse é o motivo. Fizemos um teste, disponibilizamos alguns convites, através do Instagram, sendo que 60% das pessoas que ganharam o ingresso não compareceram”.

2) Como serão vendidos os 400 ingressos que o clube tem direito para o Tu-Tu?

Cláudio Dias: “A venda dos ingressos será por conta do Tupi. Tentamos fazer um acordo, mas não evoluiu”  (nota da redação: na noite desta sexta, o Tupynambás divulgou que haverá venda de ingressos na manhã de sábado , na sede do clube, entre 9h e meio-dia). 

“Só para complementar, em relação ao jogo de domingo agora. Acho um erro de estratégia e financeiro, limitar a 400 ingressos a torcida do Tupynambás. Pensando na cidade, no futebol de Juiz de Fora, o ideal seria 50% para cada equipe”.

3) Acredita que faltou diálogo por parte do Tupi, o Tupynambás tentou que esta divisão fosse feita, meio a meio?

Cláudio Dias: “Houve, inicialmente, uma tentativa de diálogo, como não evoluiu, preferimos nos afastar”.

(nota da redação: o Toque de Bola consultou o Tupi sobre esta situação. A resposta alvinegra, via assessoria, foi: “Não tem muito o que falar, o clube cumpriu o que manda o regulamento, 10% para a equipe visitante”.)

4) E para o próximo jogo em casa, depois do Tu-Tu, quanto ao público (sexta-feira, dia 6, contra o Varginha)? 

 Cláudio Dias: “Provavelmente vamos disponibilizar uma pequena carga de ingressos”

5) Qual a avaliação da estreia pela diretoria (empate sem gols)?

“Ótima estreia frente a uma equipe que iniciou sua preparação bem antes que o Tupynambás. O Baeta, a meu ver, dominou o jogo, mas ficou faltando o gol. No final, a torcida era para não sermos punidos com um gol do Boa Esporte, e perder a partida. Velho ditado, quem não faz, leva.. Achei nossa equipe competitiva, buscando a vitória durante toda a partida”.

Já sobre a venda da sede, o dirigente informou: “A negociação de parte da sede ainda não está finalizada, alguns ajustes estão sendo feitos pela parte jurídica”.

Texto: Ivan Elias – Toque de Bola

Foto: Toque de Bola

Ivan Elias

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário