Sesi + PBF: tradições reunidas. O basquete local agradece!

Glauco de Freitas (Sesi), Sérgio (PBF), Tatiane Moreira (Sesi), Daniel Defilippo (PBF), Carlos Eduardo (Sesi) e Frederico Frizero (PBF)

  O Projeto Basquetebol do Futuro (PBF) está de casa nova, e a Escola de Esporte do Sesi ganhou um parceiro de peso.

  Aliando duas entidades referência e tradição em esporte na cidade, a parceria entre PBF e Sesi traz de volta ao Clube do Trabalhador José Weiss a turma da bola laranja. Com estrutura ideal e recursos humanos competentes, a tendência é gerar ainda mais desenvolvimento à modalidade em Juiz de Fora.

  Inicialmente, as aulas serão às quartas e sextas, das 15h às 18h e começaram no início de setembro. O projeto abriga meninos e meninas entre 10 e 16 anos e tem caráter filantrópico. Com a consolidação das atividades e maior abertura com o avanço da vacinação e o combate à covid-19, a expectativa é de que novos horários e turma sejam abertos.

Feliz coincidência

  A parceria se concretizou com a vontade do Sesi de retomar a modalidade, como explica o supervisor técnico, Carlos Eduardo Schmidt. “A ideia surgiu quando estávamos trabalhando a volta das modalidades de quadra. Queríamos retomar o basquete. Pensamos em pessoas que já tivessem experiência em trabalhar com o basquete na cidade. Coincidentemente, o PBF estava procurando uma casa. Então, juntou o útil ao agradável. Fechamos e, inicialmente, está dando muito certo.”

  Como conta o diretor do PBF, Sérgio “Marreco” Rodrigues, a parceria possibilita a continuidade no trabalho. “Ficamos um ano parados, e houve um contato do Sesi para uma possível parceria. Assim, ela veio para nos dar a possibilidade de continuarmos o trabalho. É uma entidade de nome, cujo espaço físico para basquete é excelente.”

Marreco orienta alunos do PBF no Sesi

Gratidão e recepção

 Marreco fez questão de agradecer à antiga casa do projeto. “Depois de muitos anos de Olímpico, com o qual temos uma grande identificação por termos nos instalado lá desde o início, estamos mudando. Temos um carinho muito grande, mas temos nossa autonomia. Agradecimentos eternos ao clube, mas como a situação lá está indefinida, não poderíamos aguardar para seguir com o PBF.”

  O diretor destaca também a boa recepção na nova morada. “Fomos muito bem recebidos lá. Essa dobradinha tem tudo para dar certo. É o pontapé inicial em uma nova era do PBF. Estamos todos muito motivados e percebemos isso no pessoal do Sesi também. Uma estrutura como a do Clube do Trabalhador e um projeto como o nosso juntos têm tudo para dar certo”, acredita Rodrigues.

De olho no futuro

  Para Schmidt, a qualidade de vida é o principal objetivo da parceria. “Representa para nós uma esperança bacana para continuidade do projeto do PBF. Oferecemos uma estrutura diferenciada em Juiz de Fora. Queremos dar oportunidade tanto para os industriários como para a comunidade de praticar esportes, melhorando sua qualidade de vida.”

Atividades começaram no início de setembro

  Mas, não custa nada sonhar com algo mais.  “Queremos colocar de 30 a 50 pessoas praticando a modalidade, através do PBF. E, um pouco mais além, crescer esse número com pessoas da comunidade e da indústria. Oferecendo esporte de qualidade, com profissionais capacitados. Por que não, mais à frente, pensar em equipes de competição? Ainda é cedo, pois a ideia agora é retomar e ofertar às pessoas práticas esportivas com segurança e qualificação”, explica Carlos Eduardo.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: divulgação/PBF/Sesi

Este post tem 2 comentários

  1. Ivan Elias

    Sucesso na iniciativa! São os votos do Toque de Bola

  2. Tatiane Moreira

    Parceria de sucesso! Obrigada ao Toque de Bola pela reportagem !!!

Deixe um comentário