Sonho e bolo com cafezinho…

Jogadores da Seleção vão se posicionar

  Caros e caras, quem me acompanha aqui, nos multimeios e multi redes do Toque sabe bem minha posição quanto à realização de competições durante a pandemia. Por isso, considero gigante qualquer atitude que a comissão técnica e os jogadores da Seleção Brasileira tomarão em relação à disputa ou não da Copa América. Para o bem ou para o mal.

  O sonho é que, em uma tomada de consciência que levasse em conta os mais de 470 mil mortos pela covid-19 no Brasil, Tite, sua turma e seus atletas se recusem a entrar colocar a Amarelinha em campo. Mesmo que esta seja só a justificativa pública – não sou ingênuo a ponto de achar que dos motivos envolvidos a sensibilidade não demonstrada até agora seja o principal para não jogarem a Copa América – seria um alento.

Não vai acontecer 

  Mas, duvido que isso aconteça e serei profundamente surpreendido se acontecer. Mais “simples e fácil” é um posicionamento nebuloso em “titês fluente” do treinador, e os jogadores, mesmo se posicionando contra, dizerem que vão jogar a Copa América sob protesto.

  Os motivos dados para entrarem em campo, mesmo em cima de uma pilha gigantesca de mortos, será um já muito distante – para os mais sensatos – “orgulho de vestir a camisa do Brasil” e “poder dar um pouco de alegria ao povo sofrido em meio à tanta tristeza”. 

Mesmo que aconteça 

Ciclo de Tite pode chegar ao fim

  Só por vã esperança, já imaginei o que poderia se passar se o posicionamento dos meus sonhos se concretizasse. Seria o fim do ciclo de Tite à frente da Seleção, um novo treinador – que sabemos ser Renato Gaúcho – seria nomeado e uma nova convocação seria feita. 

  Provavelmente, disputaríamos a Copa América com uma seleção paralela. Escacaríamos ao mundo o estado de exceção que todos nós vivemos no dia a dia e sofremos na pele. Talvez fosse melhor.

Faça bolo

  Em ambas as situações, jornalistas como eu e veículos como esse estaremos mais próximos de voltar a tempos sombrios, publicando, ao invés de notícias, receitas culinárias. Pensando bem, seria uma utilização melhor de espaço do que noticiar “gols, vitórias e conquistas” de uma seleção sob a égide do autoritarismo, celebrando sobre uma pilha de cadáveres.

Receita de bolo de fubá:

  • 1 ½ xícara (chá) de fubá mimoso
  • 1 xícara (chá) de farinha de trigo
  • 2 xícaras (chá) de açúcar
  • 4 ovos
  • 1 xícara (chá) de óleo
  • 1 xícara (chá) de leite
  • 1 colher (sopa) de fermento em pó
  • 1 colher (sopa) de sementes de erva-doce (opcional)
  • 1 pitada de sal
  • manteiga e farinha de trigo para untar e polvilhar

 Modo de preparo:

  1. Preaqueça o forno a 180 ºC (temperatura média). 
  2. Com um pedaço de papel toalha (ou pincel), unte com manteiga uma fôrma de bolo, com furo no meio, de 25 cm de diâmetro – tente fazer uma camada bem fina. Polvilhe com farinha e chacoalhe bem para espalhar. Bata sobre a pia para retirar o excesso. 
  3. Numa tigela separada, quebre um ovo de cada vez e transfira para o copo do liquidificador Junte o óleo, o açúcar e o leite. Bata até ficar liso, por cerca de 5 minutos. 
  4. Transfira a mistura para uma tigela grande. Junte o fubá e a farinha, passando pela peneira. Com um batedor de arame, mexa delicadamente até a massa ficar lisa. Por último misture o fermento, as sementes de erva-doce e o sal. 
  5. Despeje a massa do bolo na fôrma untada e nivele com uma espátula. Leve ao forno preaquecido e deixe assar por cerca de 30 minutos. Para saber se o bolo está assado: espete um palito na massa, se sair limpo é sinal que o bolo está pronto; caso contrário, deixe por mais alguns minutos até que asse completamente. 
  6. Retire do forno e deixe esfriar por 15 minutos antes de desenformar.

Sirva em temperatura ambiente. Combina muito com aquele cafezinho passado na hora.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Lucas Figueiredo/CBF; e panelinha.com.br

Wallace Mattos

Jornalista profissional, formado pela Faculdade de Comunicação Social (Facom) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), tem mais de 20 anos de carreira na qual já trabalhou em rádio, TV, jornal e mídias digitais. Além disso, tem experiência em gerenciamento esportivo, logística e administração de pequenos negócios. Entre as áreas de interesse e constante busca de aperfeiçoamento, destaca a busca pela discussão do papel da mídia no negócio do esporte e na construção de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento das dimensões participativa e profissional das modalidades. EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS: TUPI FOOTBALL CLUB, Juiz de Fora, Minas Gerais 2015: Consultor de comunicação/Chefe de delegação/Integrante do conselho consultivo. TRIBUNA DE MINAS, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brazil 2004 – 2015 Repórter sênior (2009-2015) – Repórter júnior (2004-2008). TV ALTEROSA, Juiz de Fora/Varginha, Minas Gerais/Minas Gerais 2003 Assistente de Marketing/Repórter esportivo. TV ALTO LITORAL, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro 2002 Estagiário/Repórter júnior. MOSTARDA PROPAGANDA, Juiz de Fora, Minas Gerais 2001 Estagiário/Redator. RÁDIO SOLAR, Juiz de Fora, Minas Gerais 2001 Estagiário.

Deixe seu comentário