Promotores e DPU pedem suspensão do futebol, mas FMF não acata!

Indefinição quanto à sequência do Campeonato Mineiro 2021. 
Entidades recomendaram a paralisação da bola em MG

  A sexta, dia 9, foi de reunião na Federação Mineira de Futebol (FMF) e indefinição quanto à sequência do Campeonato Mineiro 2021.  

  Isso porque, no fim da tarde de quinta, dia 8, o Ministério Público do Trabalho (MPT-MG), o Ministério Público Federal (MPF-MG) e o Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), além da Defensoria Pública da União (DPU) fizeram uma recomendação conjunta para suspender partidas de futebol no estado. Com isso, nenhum jogo poderia ser disputado em território mineiro por tempo indeterminado (veja nota na íntegra abaixo).

Prazo e sansões

  As entidades jurídicas deram prazo de 48 horas para o cumprimento da recomendação pela Federação Mineira de Futebol (FMF) e à Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES). Caso contrário, a atitude poderá “implicar na adoção de providências administrativas e judiciais contra os responsáveis que se mantiverem inertes em relação à situação.”

Jogos da nona rodada do Mineiro 2021

  Assim, o dia foi de reuniões na sede da Federação. A nona rodada do Campeonato Mineiro está prevista para ser disputada no domingo, 11, com jogos desde as 10h. Um deles é o clássico Cruzeiro x Atlético, marcado para as 16h, no Mineirão.

Sem paralisação 

   A FMF, através do presidente Adriano Aro, se manifestou em entrevista à Rádio Itatiaia. O entendimento é que, por conta da autorização do Comitê Estadual de Combate à Covid-19, o futebol está autorizado a seguir com as competições em Minas Gerais.  

  “Recebemos com surpresa o comunicado. A Federação sempre buscou o diálogo, e seguiu todas as recomendações. Antes de retomar, conversamos com os municípios e com o Comitê de Combate à Covid (do Estado). Recebemos o aval deste comitê, no qual o Ministério Público tem assento, e entendemos que tínhamos o aval do próprio MP. Nosso protocolo, feito com especialistas, e submetido às autoridades sanitárias, foi aprovado e elogiado”, ponderou Aro.

Acesso aos documentos

  Segundo o presidente da FMF, é necessário que a entidade tenha acesso às bases da recomendação das entidades jurídicas. Desta maneira, a Federação poderia tomar alguma providência ou dar resposta satisfatória.

Aro não ordenou nova paralisação do Mineiro

  “O número de infectados no futebol é baixo, como mostram números levantados em estudos no Mineiro 2020, Brasileiro 2020 e Mineiro 2021. Precisamos conhecer os documentos que embasam esse decisão de recomendar a paralisação. Ainda não conseguimos isso. Já pedimos. Assim que tivermos, poderemos responder à recomendação. Mas o momento é de prudência e cautela. Temos também que avaliar a questão logística e financeira dos clubes, que não aguentam mais outra paralisação. Embora reconheçamos que acima de tudo está a segurança e a saúde”, completou Aro.

  Como o prazo para alguma ação dado pelas entidades jurídicas se encerrando neste sábado, tudo indica que o cabo de guerra entre elas e a Federação pode se estender até horas antes de a bola rolar na nona rodada do Estadual.

Nota conjunta do MPT, MPF, MP-MG e DPU:

  Belo Horizonte – Os Ministérios Públicos do Trabalho (MPT/MG), Federal (MPF/MG) e do estado de Minas (MP/MG) e a Defensoria Pública da União (DPU) expediram, na tarde desta quinta-feira, 8, recomendação conjunta à Federação Mineira de Futebol (FMF) e à Secretaria de Saúde do Governo de Minas Gerais, para que sejam suspensas as partidas de qualquer campeonato de futebol, “seja nacional, regional, estadual ou local; feminino ou masculino; profissional ou das categorias de base e intermediárias”. 
  No documento, as instituições recomendam que os jogos de competições nacionais, regionais ou estaduais só devem ser retomados quando a situação epidemiológica permitir.
  A recomendação foi expedida em razão dos níveis alarmantes de disseminação da Covid-19 nas últimas semanas, que provocaram um aumento da média móvel de mortes diárias pela doença e levaram à decretação de medidas restritivas às atividades não essenciais em diversos estados brasileiros. 
  No documento os signatários citam dados divulgados pela imprensa registrando 320 casos de Covid-19 entre atletas e equipes técnicas durante a Série A do Campeonato Brasileiro de 2020, bem como sucessivos surtos nos clubes de futebol ao longo do campeonato que indicam “insuficiência dos protocolos e medidas adotas pela CBF e pelas  Federações para evitar o contágio dos profissionais envolvidos na competição.
  O descumprimento das medidas recomendadas poderá implicar na adoção de providências administrativas e judiciais contra os responsáveis que se mantiverem inertes em relação à situação apresentada na recomendação.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos com informações do Hoje em Dia e Rádio Itatiaia

Fotos: divulgação/FMF; e reprodução/YouTube FMF

Arte: Toque de Bola com informação da FMF

Deixe um comentário