JF Vôlei enfrenta Niterói de olho no #1

Foto: JF Vôlei/Divulgação

  O JF Vôlei entra em quadra neste sábado, 26, contra o Niterói Vôlei Clube (NVC), de olho em confirmar a primeira posição da fase de classificação da Superliga B.

  A partida será na casa do adversário, no Colégio Plínio Leite Niterói, às 19h. Em sétimo lugar na tabela, o jovem time do NVC tem um ponto, obtido na derrota por 3 sets a 2 para o Villa Nova e busca a primeira vitória na competição.

  O central Pilan e o levantador Gustavo avaliaram o trabalho até agora e a expectativa para esta rodada. E o Toque de Bola pesquisou a história e as motivações do Niterói além da Superliga.

  E uma curiosidade: independente do resultado, o JF Vôlei não conhece neste sábado o adversário na próxima fase. O motivo é que três partidas foram adiadas e só serão disputadas entre os dias 5 e 10 de março. Só depois disso todas as equipes terão sete jogos e a classificação não será mais alterada.

JF Vôlei: com moral, em bom momento e evoluindo

A vitória no jogo tenso e disputado contra o Anápolis Vôlei foi importante em diferentes setores para o JF Vôlei: para a classificação e para o emocional do time, como explicou o central Fernando Pilan.

  “Uma vitória extremamente importante para a nossa continuidade do campeonato, na nossa construção como time e para a fase classificatória. Dá bastante moral para o time. Vamos seguir aí firmes e fortes na última rodada do campeonato para classificar na melhor colocação possível”, afirmou.

  O JF Vôlei é a única equipe invicta na Superliga B. Para o levantador Gustavo, o grupo atravessa um momento favorável, está ciente e focado nos objetivos.

  Ao contrário do adversário, que teve jogo na quarta, dia 24, o JF Vôlei teve a semana de folga. Gustavo explicou que o tempo foi dedicado à preparação para a partida deste sábado.

  “Usando esta semana para poder evoluir, treinar bastante e melhorar. Também para recuperar os atletas que estão mais desgastados, porque a gente teve uma sequência muito pesada de jogo e de viagem”

  “O momento do time é muito bom, a equipe está numa evolução e crescimento constante dentro da competição. Estamos conseguindo apresentar um voleibol de alto nível. Para a gente garantir a primeira colocação na classificação e assim mandar todos os jogos em casa, a gente vai para vencer como sempre está fazendo”, afirmou.

  Para conhecer mais sobre a campanha e o trabalho do técnico Marcão, veja a entrevista dele ao Toque de Bola.

Niterói Vôlei Clube: irmãos lideram projeto

   Fundado em 2004, o Niterói Vôlei Club retomou o projeto em 2020 após sete anos parado. De acordo com o site O São Gonçalo, os responsáveis são os irmãos Sílvio Gomes e Walner Santos. Eles são, respectivamente, técnicos dos times feminino e masculino da Universidade Salgado de Oliveira (Universo), uma das parceiras do projeto ao lado do clube Canto do Rio.

  Em 2020, o NVC foi vice-campeão da Superliga C, o que garantiu o acesso à Superliga B. Para bancar a participação, conta com várias parcerias, a mais recente foi assinada neste mês, com a Secretaria de Esportes da Prefeitura de Niterói.

  Além disso, há uma vaquinha online aberta para a comunidade apoiar o projeto. No texto, há a explicação de que o time é composto por jovens abaixo de 23 anos, a maioria universitários.

  A meta para este ano é desenvolver um trabalho social junto às comunidades de Niterói. A longo prazo, o objetivo é estabelecer um modelo sustentável de negócio, revelar novos talentos da modalidade e participar de grandes campeonatos.

Possibilidades emboladas de classificação

  Neste sábado, 27, além do confronto entre Niterói Vôlei Clube e JF Vôlei, e serão disputados outros dois jogos, todos às 19h. O Anápolis Vôlei recebe o Brasília Vôlei e Unimed Aero enfrenta o SMEL Araucária/ASPMA/Berneck em Natal.

  Os resultados podem mudar a classificação: o Brasília precisa vencer e torcer por uma derrota do JF Vôlei por 3 sets a 0 ou 3 sets 1 para terminar em primeiro lugar. Se o JF Vôlei perder por 3 sets a 2, marca um ponto, ambos ficariam com 18 pontos e a decisão seria nos critérios de desempate.

  Se o Brasília perder sem levar o jogo para o tie-break, o Anápolis sobe para 15 pontos pode assumir o segundo lugar. E ainda pode ficar mais embolado, caso haja uma vitória do Araucária, porque ele também chegaria aos 15 pontos e seria necessário desempatar entre três times.

  O UnimedAero está com dois jogos a menos, se vencer ambos, soma mais seis pontos, chega a 13 e poderia terminar em terceiro lugar, caso Anápolis perca para o Brasília sem somar pontos.

Vôlei Futuro: o fiel da balança na tabela

  A primeira fase da Superliga B não termina neste sábado, como inicialmente previsto. O motivo é que o Vôlei Futuro registrou casos de covid-19 pela segunda vez na competição. Na primeira vez, quatro atletas foram diagnosticados e se recuperaram. O time colocaria a tabela em dia nesta semana.

  No entanto, no dia 18, oito jogadores e integrantes da comissão técnica foram diagnosticados. Todos foram colocados em quarentena. “Estamos com a maioria em recuperação e isolados. O bom é que os sintomas foram leves”, disse o presidente Luiz Henrique Rios ao Toque de Bola.

  Quando o time for liberado, terá uma maratona de jogos para cumprir. No dia 5 de março, recebe o Niterói na partida da sexta rodada. Em 8 de março, a equipe viaja para Goiânia onde enfrenta o Vila Nova, pela sétima rodada. E no dia 10 de março, será o confronto contra o UnimedAero em Natal que, curiosamente, é o jogo pendente da primeira rodada.

Regulamento da Superliga B

  Como nos dois últimos anos, os oito times se enfrentam em turno único na primeira fase, cuja classificação final define os cruzamentos nas fases seguintes. Nas quartas de final, o líder enfrenta o último colocado da fase inicial, o segundo pega o sétimo, o terceiro encara o sexto e o quarto joga contra o quinto.

  As quartas e as semifinais serão disputadas em um mata-mata em melhor de três partidas. Os melhores colocados têm o direito de sediar os dois últimos jogos do confronto.  Nas quartas de final, os dois piores classificados entre os quatro eliminados caem para a Superliga C em 2022.

  Os finalistas garantem o acesso à Superliga Masculina de Vôlei 2021/2022. Eles decidirão o título da Superliga B no dia 1º de abril, na casa da equipe de melhor campanha entre ambos.

 

Texto: Toque de Bola – Roberta Oliveira com informações de O São Gonçalo, perfis oficiais dos clubes, CBV

Fotos: JF Vôlei/Divulgação; Clara Maia/Niterói Vôlei Clube; Niterói Vôlei Clube/Facebook

Deixe um comentário