Athletic confia em bases sólidas para sonhar alto!

Athletic recebeu taça de vice-campeão do Módulo 2

  Organização, estrutura, experiência e profissionalização: estas foram as bases do trabalho que levou o Athletic à elite do Mineiro.
   O vice-campeonato do time de São João Del Rei no Módulo 2 garantiu a segunda participação na elite nos 111 anos de história – uma trajetória considerada um “case” de sucesso.

  “O Athletic chegou em pouco tempo. A gente previa lá em 2017 e em 2018 uma ascensão rápida. Para ser mais específico, em dois anos e cinco meses, uma cidade e um clube tão antigos conseguiram disputar a Primeira Divisão”, analisa o gerente de futebol do Athletic Club, Fábio Mineiro.

  Diante disso, 2021 começa com as melhores expectativas possíveis. Após a renovação do contrato do técnico Cícero Júnior o clube começou a montagem do time e a pré-temporada começou com exames médicos nesta segunda, dia 11, incluindo testes de covid-19 e outros laboratoriais, além de testes físicos.

Sonhar alto

  De acordo com Fábio, os metas que podem ser ampliadas. “Nosso primeiro objetivo é nos mantermos na Primeira Divisão. Mas a gente sempre sonhou alto. Por que não buscar uma Série D, uma Copa do Brasil?”

  Nessa entrevista ao Toque, o gerente de futebol avaliou os fatores que contribuíram para o acesso. Fala do ano tumultuado, embora vitorioso, de 2020 e as expectativas para a temporada que começa em fevereiro, com o Estadual.

Feliz Ano Novo

O técnico Cícero Júnior (esq) renovou contrato

  O Athletic Club volta a jogar pela elite do Campeonato Mineiro, após meia década, no dia 28 de fevereiro. A estreia será contra a Patrocinense fora de casa.

  Por isso, a montagem do time está a todo vapor.  “A gente está formalizando o elenco. Renovamos com 12 atletas que estavam no Módulo 2, contratamos 14 atletas. Conseguimos fechar com alguns nomes interessantes, mesmo sabendo que o nosso calendário é só no primeiro semestre”, ressalta Fábio.

  O time já confirmou dez renovações que se apresentam para este início do trabalho:

  • os zagueiros: Sidimar, Danilo Cardoso e Rayan Rodrigues;
  • os laterais: Nathan Mendes, Fernando Vínicius e Igor Nunes;
  • os atacantes: Igor Bádio, Ingro, Wiliian Mococa e Alason Carioca.
Sidimar, ex-Tupi, passa por exames

  Mineiro destacou que os resultados obtidos nos últimos anos não iludem os profissionais envolvidos no futebol do Esquadrão de Aço.

  “A gente espera fazer uma boa competição. Não deixar subir à cabeça esse acesso tão rápido. O futebol tem muitos altos e baixos. Se a gente não mantiver nossa humildade, os pés no chão e o profissionalismo, pode voltar para as divisões abaixo. Nosso intuito é fazer bonito e representar bem São João Del Rei e região”, garante Fábio.

As bases do acesso

  O gerente de futebol do Athletic, Fábio Mineiro, está no clube desde 2015. A primeira etapa da profissionalização começou com a volta das categorias de base em 2016.

  “Somos o atual campeão do interior sub-15. No ranking, somos o quarto, atrás de Atlético, Cruzeiro e América. Com pouco tempo, a base joga as primeiras divisões do Estado”, diz.

Dez jogadores permanecem para a temporada 2021

  A sequência natural foi a formação do time adulto – e os resultados apareceram. “O projeto com o profissional começou em 2018, quando subimos para o Módulo 2, onde nos mantivemos em 2019. Em 2020, a gente conseguiu êxito em subir”, relembra Fábio.

Experientes

  Mineiro também destacou que a experiência de todos os envolvidos no projeto foi fundamental. Desde ele, que passou por clubes nacionais e estrangeiros, passando pela comissão técnica e os até os jogadores.

  “A gente conseguiu trazer tudo isso, esse conhecimento, para a realidade de São João Del Rei e para o Athletic”, comenta.

  Na avaliação do gerente de futebol, outras características completam os fatores que fizeram a diferença: “A credibilidade que o clube tem na cidade, ser muito sério com as finanças e ter uma estrutura muito boa foram primordiais para o acesso”, resume.

Parada da pandemia

  Segundo Mineiro, o clube ficou parado cerca de cinco meses, teve perdas financeiras como todos os demais clubes, mas conseguiu se preparar para o Módulo 2 e carimbar a vaga na elite no empate sem gols fora de casa contra o Betim Futebol.

  “Conseguimos manter 90% do elenco que estava no primeiro semestre, conseguimos empréstimos de alguns jogadores. Até por ser um clube que é referência em pagar em dia e dar referência de trabalho muito boa. E tivemos o êxito de subir para a Primeira Divisão”, conclui.

Texto: Toque de Bola – Roberta Oliveira.

Fotos: reprodução/Instagram; reprodução/Facebook

Artes: Athletic Club

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário