PSG x Istanbul: jogo histórico na luta contra o racismo!

Jogadores se ajoelharam durante o hino da Champions

  Muito mais do que uma partida de futebol, o confronto finalizado nesta quarta, dia 9, entre francês Paris Saint Germain e o turco Istanbul Basaksehir pela última rodada da fase de grupos da Champions League, na capital francesa, vai ficar marcado pela luta contra o racismo.

  Pela primeira vez, após um episódio de injúria racial protagonizado por um dos integrantes da arbitragem, ambas as equipes abandonaram o campo na última terça, dia 8.

  Após uma tentativa frustrada de retomar o jogo minutos após o ocorrido, a UEFA remarcou a partida para o dia seguinte, substituindo o quarteto de arbitragem.

Complemento

  No complemento desta quinta, o jogo foi retomado aos 14 minutos do primeiro tempo, e o PSG venceu por 5 a 1, com três gols do brasileiro Neymar e dois do francês Mbappé. Topal descontou para o Istanbul.

  Mas o placar é o de menos diante da atitude histórica dos times que marca a luta contra o racismo no futebol no dias atuais.

Entenda o caso  

Quarto árbitro conversa com Neymar

  A paralisação do jogo se deu pouco depois dos 13 minutos de confronto. O lateral-direito brasileiro Rafael, do Istanbul, levou cartão amarelo, gerando reclamações do banco de reservas turco.

  Após isto, o quarto árbitro, o romeno Sebastian Coltescu, indicou o camaronês Pierre Webó, integrante da comissão técnica do Basaksehir, ao juiz Ovidiu Hategan, pedindo para expulsá-lo. Nesta indicação, Coltescu teria utilizado uma injúria racial para se referir a Webó, que fora expulso.

  Os ânimos então se exaltaram de vez, com o centroavante reserva do Istanbul, Demba Ba, questionando diversas vezes porque, ao se referir ao integrante da comissão de seu time, o quarto árbitro havia usado a palavra “negro”. 

Comum acordo 

  Depois de cerca de dez minutos de confusão, com iniciativa de Demba Ba e o apoio dos adversários Neymar e Mbappé, os dois times decidiram deixar o gramado. Ambas as equipes disseram que não continuariam a partida com Coltescu no quarteto de arbitragem.

  A UEFA chegou a remarcar o reinício do embate para cerca e meia hora após os dois times saírem de campo.

Times e árbitros deixaram o campo na terça

  O PSG até voltou a se colocar no túnel de acesso ao gramado do Parque dos Príncipes.

  Mas após conversas com representantes dos dois times, a UEFA decidiu remarcar o reinício do confronto para esta quarta.

Troca de arbitragem

  A entidade europeia abriu investigação, cujo resultado é aguardado pela Federação Romena para possíveis sansões a Coltescu.

  A UEFA também  trocou o quarteto de arbitragem original. Assumiu como árbitro o holandês Danny Makkelie, com seu compatriota Mario Diks como assistente número um.

  Marcin Boniek, da Polônia, foi o outro bandeira e o também polonês Bartosch Frankowsky o quarto árbitro. 

Simbólico 

  A volta de PSG e Istanbul ao Parque dos Príncipes nesta quarta foi cheia de simbolismos. Os jogadores dos dois times e a arbitragem fizeram o aquecimento com uma camisa branca que continha o símbolo de ambas as equipes e a frase “Não ao Racismo” estampada em inglês.

  Webó estava no gramado e seu cartão vermelho, avaliado como injusto pela UEFA, foi anulado.

Faixas antirracistas e em apoio aos jogadores

Não ao racismo

  Nas arquibancadas, Manifestações oficiais do PSG, com o símbolo do Istanbul ao lado, e a frase “Não ao Racismo” em inglês e francês colocadas em banners nas cadeiras próximas ao centro do gramado.

  Faixas das organizadas do time de Paris em apoio aos jogadores e a Webó, com dizeres em francês, também foram colocadas. 

  Ao entrarem em campo para a execução do tradicional hino da Champions League, os jogadores se intercalaram com os árbitros no grande círculo.

  Ajoelhados, alguns com os punhos cerrados levantados em símbolo consagrado pelo movimento Black Lives Matter, ouviram a canção demarcando seu protesto.

Goleada

  Quando a bola rolou, o PSG não teve dificuldades em golear os turcos. Aos 21 minutos, Neymar recebeu na entrada da área, deu uma caneta no marcador e acertou o ângulo contrário do gol do Istanbul. Aos 38, o brasileiro aproveitou passe de Mbappé em contra-ataque e tocou na saída do goleiro, embaixo de seu é esquerdo para ampliar. 

Jogadores aqueceram com “Não ao Racismo”

  Antes do intervalo, Mbappé, de pênalti, fez 3 a 0. Na volta, o ímpeto do PSG não diminuiu. Aos 5 minutos da segunda etapa, após tabela com Dí Maria, Neymar marcou seu terceiro, batendo colocado de fara da área.

  O Basaksehir descontou aos 11, quand Topal desviou chute e matou Navas.

  Mas o Paris ainda tinha mais um gol guardado em sua sacola de truques. Em contra-ataque, Neymar passou para Dí Maria que achou Mbappé livre no meio, e o francês só tocou para fechar o placar em 5 a 1 aos 17 minutos do segundo tempo. 

Conquistas

  Com o resultado, o PSG se classificou na primeira posição do Grupo H para as oitavas de final da Champions League 2020/2021. O Istanbul terminou a primeira fase em último na chave. 

UEFA está conduzindo uma investigação

  Mas os dois times conquistaram muito mais do que poderiam imaginar ao saírem de campo após o ocorrido. Mostraram um caminho para a evolução social através da enorme vitrine que é o futebol.

  Somente com empatia, atitude e união a sociedade pode combater o racismo até superá-lo. 

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos com informações das agências Reuters, EFE e do GE.globo

Fotos: Facebook PSG e Facebook Istanbul Basaksehir; reproduções Facebook Watch/Esporte Interativo; e reprodução Twitter UEFA

Deixe um comentário