Dupla da Bocha Casa d’Italia disputa Bolim de Ouro Brasil 2020

Francisco (esq) e Everaldo (dir) representam a Bocha Casa D’Itália no Bolim de Ouro.

  Everaldo Medeiros e Francisco Farinelli vão representar a equipe da Bocha Casa D’Italia Juiz de Fora no 7º Bolim de Ouro Brasil 2020. O evento, que está entre os maiores do país, será disputado entre 4 e 6 de dezembro, em São Paulo.

  Ao todo, 92 atletas estão inscritos para o torneio. Além dos representantes da Bocha Casa D’Itália, a Liga Mineira de Bocha também terá a presença de atletas do Christian Cipriani, Francis Cipriani, Cidmar Oliveira, Nilo Brighenti e Antônio Soares (Amaral), do América de São João del Rei. André Canêdo será o representante da equipe do Palmeiras de Belo Horizonte. Todos viajam para São Paulo no dia 3 de dezembro.

  Os vencedores se classificam para o evento mundial, que será disputado na Itália em data ainda a ser confirmada, por conta da segurança sanitária.

  A reportagem do Toque de Bola conversou com os juiz-foranos sobre a expectativa da participação e com o organizador, Fran César Banhos, sobre a segurança sanitária para a disputa.

Estreantes otimistas

Everaldo competiu em fevereiro, antes da suspensão das atividades por causa da pandemia.

  Em 2018, o atleta catarinense Valdecir Garcia, que representou a Casa D’Itália, conquistou o título da competição. Foi o primeiro título nacional para a bocha de Minas Gerais.

  Neste ano, os dois jogadores da equipe vão participar pela primeira vez no Bolim de Ouro. Na temporada, antes da pandemia, Everaldo Medeiros terminou em 40º lugar no GP Brasil Individual em fevereiro, em Garibaldi (RS). A suspensão das atividades esportivas impediu que a preparação fosse a ideal. “Fiz alguns treinos esporádicos. Acredito no meu potencial bochófilo, de anos de dedicação”, afirmou.

  Ele não disfarça a empolgação em estar no evento. “Vou participar junto com os melhores do Brasil. É com grande satisfação e alegria, pois faço o que gosto de coração. Além de rever a grande gama de amigos que fiz na Bocha”, resumiu.

Chico Farinelli vai estrear no Bolim de Ouro 2020.

  Chico Farinelli disputou importantes competições nacionais pelo Tupynambás, que defendeu até 2009. Para o Bolim de Ouro, foi se preparar em outra cidade e garante estar otimista.

  “[As expectativas] são boas devido ao nível da competição e dos atletas, não só da Casa D’Itália. É uma satisfação imensa. Além de treinador da equipe, também sou jogador e representar um clube de esporte é maravilhoso. [Estou] treinando em São João del Rei, nossas quadras em Juiz de Fora não estão prontas, pois dependemos de recursos”, explicou.

Tradição com segurança

  De acordo com o organizador, Fran César Banhos, o Bolim de Ouro Brasil 2020 surgiu em 2014. Surgiu a partir do tradicional Pallino D’Oro Internacional, disputado há 44 anos, em todo primeiro fim de semana de janeiro em Modena na Itália. “Para onde enviamos nosso Campeão para disputa desse grandioso evento, com as despesas todas pagas”, ressaltou.

  Fran César destacou que o Bolim de Ouro Brasil tem parceria com a Liga de Bocha Catarinense e, em breve, com a Liga Mineira de Bocha. A primeira fase da competição nacional terá sete clubes como sedes: Corinthians, Juventus, AABB, Meninos FC, Indiano, São José do Ipiranga e Mesc; todos na região metropolitana de São Paulo. A fase final será no Mesc.

  Na sexta-feira, 4 de dezembro, será promovido o Torneio Início Bolim de Ouro Brasil Psicodelic Bocce X-treme. Os jogos são disputados à noite, sem a luz normal e com iluminação por meio de 30 lâmpadas fluorescentes no ginásio e com marcações da quadra com fita refletida para luz negra. Os 12 primeiros colocados no ranking do Bolim de Ouro Brasil no ano de 2020 participam da competição.

  Como o Estado de São Paulo regrediu para a fase amarela do Plano de reabertura das atividades, há protocolos para a realização de eventos de esportes individuais.

  Todos os atletas foram informados de que haverá medição de temperatura ao entrar no clube. As máscaras de proteção devem ser usadas incondicionalmente e da forma correta dentro e fora das canchas. Inscritos que tentarem jogar sem máscara será eliminado da competição.

  Haverá higienização constante das mãos e das bochas com álcool em gel. Está proibido o consumo de bebidas alcóolicas, de alimentos e fumar nas canchas e arredores por atletas, também acarreta eliminação do evento, gestores e, caso haja, torcida. 

 A decisão de liberação de público caberá ao coordenador técnico de cada subsede, que terá que avaliar e adequar o espaço para o distanciamento social de 1,5 metro entre as pessoas. As sedes do torneio início e da final não irão receber torcedores, dentro do cumprimento dos protocolos.

Texto: Toque de Bola – Roberta Oliveira, com informações dos organizadores do Bolim de Ouro Brasil 2020

Fotos: Everaldo Medeiros/arquivo pessoal; Francisco Farinelli/arquivo pessoal; Bocha Casa D’Itália/Divulgação.

Arte: Toque de Bola

Deixe seu comentário