Dança das cadeiras: Dome por Ceni no Fla, Inter sem Coudet

Arte: Toque de Bola a partir de foto de Cléber Mendes – Meia Hora

  Após duas goleadas avassaladoras sofridas no Campeonato Brasileiro para São Paulo e Atlético-MG, Domènec Torrent não é mais técnico do Flamengo. No Rio Grande do Sul, Eduardo Coudet deixou o comando do Internacional e ir para a Europa comandar o Celta de Vigo, da Espanha.

  Até aqui, no Brasileirão, foram 14 trocas oficiais de técnicos envolvendo os clubes da Série A. Afinal, o que acontece no Brasil para tantas trocas de comando?

Dome por Ceni no Flamengo

  A decisão de demitir o então técnico do Flamengo, Domènec Torrent, foi tomada poucos menos de 24h após mais uma goleada sofrida no Brasileirão. Em Belo Horizonte, o Flamengo tinha a possibilidade de ser líder, mas foi massacrado.

  O ex-goleiro Rogério Ceni, do Fortaleza, foi anunciado como novo treinador do Fla na manhã desta terça-feira, dia 10.

  Dome chegou ao Flamengo no fim de julho como substituto de Jorge Jesus, que deixou o clube para assumir o Benfica. Desde então foram 26 jogos, com 15 vitórias, cinco empates e seis derrotas – aproveitamento de 63,8%, com 42 gols marcados e 36 sofridos.

  O Flamengo é terceiro colocado do Brasileirão, com 35 pontos, com a mesma pontuação do Atlético-MG e um a menos que o líder Internacional, que também vive momento turbulento nos bastidores.

Coudet no Inter

Coudet pode ir para a Espanha. Foto: Ricardo Duarte/Divulgação Inter

  A passagem de Eduardo Coudet pelo Inter chegou ao fim. O argentino, que vem fazendo sucesso no Brasil, recebeu uma proposta do Celta de Vigo, da Espanha, e já comunicou à diretoria que tem o desejo de deixar o cargo.

  De acordo com a imprensa gaúcha, o silêncio da diretoria colorada desde então também incomodou o treinador. Coudet entende que o Inter deveria manifestar publicamente que ainda conta com seu trabalho.

   No início da noite, em coletiva, o clube confirmou a saída de Coudet, mas não anunciou o nome do substituto.

    A rescisão contratual antes do fim de 2020 tem valor equivalente a quase R$ 10 milhões a ser pago. Se a ruptura ocorresse a partir de 2021, este valor despenca para três meses de salário. Enquanto isso, a diretoria colorada entende que fez até mais do que pôde para contratar peças para o treinador. As dificuldades financeiras agravadas pela pandemia frearam qualquer possibilidade de maior investimento

As mudanças

   O tempo médio de permanência de um técnico em um clube da elite no Brasil é de quase seis meses. A sequência de resultados negativos e as eliminações são os principais motivos que ajudam a explicar a dança das cadeiras no país.

Mudanças durante o Brasileirão

Athletico**: Dorival Junior por Eduardo Barros e Eduardo Barros por Paulo Autuori

Atlético – GO: Vagner Mancini por Marcelo Cabo

Bahia: Roger Machado por Mano Menezes

Botafogo**: Paulo Autuori por Bruno Lazaroni e Bruno Lazaroni por Ramon Díaz

Coritiba**: Eduardo Barroca por Jorginho e Jorginho por Rodrigo Santana

Corinthians: Tiago Nunes por Vagner Mancini

Flamengo: Domènec Torrent por Rogério Ceni

Goiás**: Ney Franco por Thiago Larghi e Thiago Larghi por Enderson Moreira

Internacional: Eduardo Coudet por Abel Braga

Red Bull Bragantino: Felipe Conceição por Mauricio Barbieri

Sport: Daniel Paulista por Jair Ventura

Vasco da Gama: Ramon Menezes por Ricardo Sá Pinto

Palmeiras: Vanderlei Luxemburgo por Abel Ferreira

** clubes que já trocaram de técnico mais de uma vez desde o início da Série A 2020

 

Texto: Toque de Bola – Pedro Sarmento, com informações das agências, edição e supervisão Ivan Elias

Artes: Toque de Bola

Deixe seu comentário