Raios X: Brasiliense, o caçula do grupo em busca de reconquistar a glória

Romarinho abriu o placar contra o Palmas.

  Em menos de uma semana, o Tupynambás terá mais um “jogo de 6 pontos” contra um adversário do Distrito Federal.

  Em terceiro lugar, o time de Juiz de Fora recebe o Brasiliense, o quarto colocado, com 8 pontos, nesta quarta, 14, às 20h30.

  Os dois times querendo embalar de vez na competição e se firmarem entre os quatro primeiros.

  Clique e conheça as trajetórias do Bahia de Feira, do Palmas, da Caldense, do Villa Nova e do Gama, adversários do Baeta na série D do Brasileiro. É a série dos raios X do Toque de Bola.

Clube com história pra contar

Na foto, o Brasiliense comemora o título do Candangão 2018

  De todos os times do grupo A6, o Brasiliense é o mais novo: completou 20 anos no dia 1º de agosto.  Foi fundado pelo ex-senador Luiz Estevão e atualmente é presidido pela filha dele, Luiza Estevão.

  Tem como mascote o Jacaré e traz no uniforme duas das cores da bandeira do Distrito Federal: amarelo e branco. Manda os jogos no Serejão, também conhecido como Boca do Jacaré, com capacidade para 27 mil pessoas em Taguatinga (DF). Atualmente é o 94º colocado no ranking da CBF, com 638 pontos.

  É nove vezes campeão do Candangão, o campeonato estadual, e ostenta seis conquistas em sequência, literalmente hexacampeão.  

  Neste ano, chegou à final e conseguiu acabar com a invencibilidade de 30 jogos do rival Gama ao vencer a primeira partida da decisão por 3 a 1. No entanto, perdeu por 2 x 0 o segundo jogo e a decisão, por 4 a 3 nos pênaltis.

Competições nacionais

Na foto, o Brasiliense quando disputou a Série B de 2011

  Em duas décadas de existência, já ganhou relevância ao fazer boas campanhas em grandes competições e contar com nomes conhecidos no cenário: os atacantes Fábio Júnior, Túlio Maravilha e Val Baiano e o meia Iranildo.

  Na Copa do Brasil de 2002, tornou-se o primeiro time do DF a chegar a uma final, eliminando Náutico, Fluminense, Atlético Mineiro no caminho. Com uma derrota por 2 a 1 e um empate por 1 a 1 viu o título ficar com o Corinthians.

  Em 2007, parou nas semifinais da Copa do Brasil ao perder para o Fluminense. Neste ano, na 14ª participação no torneio, foi eliminado na primeira fase ao empatar (1 a 1) com o Paysandu em casa. Os visitantes tinham a vantagem do empate.

  Ainda em 2002, levantou a primeira taça de um Campeonato Brasileiro, ao vencer a série C. Dois anos depois, em 2004, conquistou a série B.

  Em 2005 participou da série A e foi um dos clubes afetados no escândalo da “Máfia do Apito”. Inclusive foi um dos participantes do último jogo apitado pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho, no dia 10 de setembro, contra o Fluminense. O jogo acabou 3 x 0 para o tricolor carioca, em Volta Redonda. 

 Em 23 de setembro, Edílson e outros envolvidos foram denunciados por uma matéria da Revista Veja sobre manipulação de resultados no futebol brasileiro e sul-americano.  Eles foram presos no dia seguinte em uma operação da Polícia Federal. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva determinou a remarcação de 11 jogos. No dia 24 de outubro, Fluminense e Brasiliense se enfrentaram de novo e o placar ficou no 1 a 1. 

  O Brasiliense foi o último colocado do Brasileirão 2005, com os mesmos 41 pontos do Paysandu. No entanto, levou desvantagem nos critérios de desempate, porque terminou com uma campanha de dez vitórias, 11 empates e 21 derrotas, 47 gols marcados e 67 gols contra, aproveitamento de 32%. Foi rebaixado à série B e, até então, não conseguiu voltar à elite do futebol nacional.

Série D

  Em 2020, participa pela quarta vez da quarta divisão. A melhor campanha foi o quinto lugar em 2014.

  A quarta divisão começou antes para o Brasiliense, porque precisou disputar a fase preliminar enfrentando o Tocantinópolis-TO. Perdeu a partida de ida, fora de casa, por 1 x 0, mas se recuperou e conquistou a vaga ao golear por 4 x 0 no estádio Mané Garrincha.

Brasiliense empatou contra o Atlético-BA.

  Na competição, até agora, marcou 11 gols e sofreu cinco. Venceu em casa a Caldense na estreia por 3 x 1, perdeu o clássico contra o rival Gama por 2 x 1. Empatou em 1 x 1 contra o Bahia de Feira, em casa e contra o Atlético-BA, em Alagoinhas. Fez as pazes com a vitória ao golear os garotos do Palmas-TO por 5 x 0.

  A equipe tem nomes conhecidos: o goleiro Fernando Henrique, que jogou pelo Fluminense; o meia Marcos Aurélio, que já defendeu Corinthians, Santos Internacional e Coritiba e o atacante Zé Love, revelado pelo Palmeiras, que já esteve no Santos e passagens pelo futebol italiano.  

  E também já dispensou cinco atletas durante a competição. O mais conhecido deles era o veterano meia Douglas, que defendeu Corinthians e Grêmio e tinha marcado três gols nas duas primeiras rodadas. 

Regulamento da Série D em 2020

  Os 64 que disputam a competição foram divididos em 8 grupos. Todos se enfrentam dentro de cada chave em turno e returno até 28 de novembro.

  Os quatro primeiros avançam para a segunda fase, que será disputada em jogos de ida e volta, nos dias 6 e 13 de dezembro.

  Depois disso, serão as partidas de Oitavas de Final nos dias 20 e 27 de dezembro. As quartas de final serão nos dias 3 e 10 de janeiro. Estes jogos definem os semifinalistas que já estarão promovidos para a série C do Brasileiro em 2021.

  As semifinais estão marcadas para 17 e 24 de janeiro. E os finalistas da série D se enfrentam nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

Texto: Toque de Bola – Roberta Oliveira com informações do site e redes oficiais do clube, da Wikipedia e do ge.globo

Fotos Myke Sena/ Especial Metrópoles

Arte: Toque de Bola

Deixe um comentário