Em busca de resgate e com novo técnico: veja qual Ipatinga visita o Tupi

Ipatinga se reapresentou no início de setembro. Foto: Ipatinga FC

  Com bastidores agitados por conta da derrota na retomada do Campeonato Mineiro do Módulo II para o Democrata de Sete Lagoas em casa, o Ipatinga visita o Tupi neste sábado, 15h30, em Juiz de Fora.

  O então treinador, José Ângelo, foi demitido após o revés e André Lima, que era auxiliar, será o técnico interino. Ângelo deixou o Tigre com um aproveitamento de 44%, sendo uma vitória, um empate e uma derrota. Sob o comando de Gerson Evaristo, técnico que iniciou o campeonato, o time do Vale do Aço obteve 33% de aproveitamento.

O momento do Tigre

  Em entrevista ao Toque de Bola, o presidente do Ipatinga, Nicanor Pires, falou sobre a confiança no elenco e na comissão técnica no duelo diante do Galo Carijó, mas ressaltou a importância de mostrar um bom futebol em campo.

  “Temos confiança no grupo de atletas e em nossa comissão técnica. Consideramos que temos uma equipe em condições de ainda brigar por uma vaga, um time com jogadores rodados, que já disputaram competições mais pesadas e a mescla com jovens atletas que tem potencial para buscar algo grande na carreira. Mas sabemos também que no futebol você precisa ser o melhor durante os 90 minutos.  Não adianta termos uma equipe boa no papel e não conseguir transferir isso para o campo”, analisou Nicanor.

Em busca do acesso

José Ângelo foi demitido após a derrota para o Democrata SL. Foto: globoesporte.com

  Próximo ao Tupi na tabela, o Ipatinga ocupa a oitava posição com oito pontos. Ainda assim, segundo o mandatário máximo do Tigre, a equipe vai brigar até o fim pela chance de classificação para a próxima fase.

  “Nossa expectativa é buscar a classificação. Não estava em nossos planos a derrota em casa no retorno da competição, o que acabou nos afastando do G4. Sabemos também que uma vitória sábado nos coloca na briga novamente. Continuaremos com o foco na classificação enquanto tivermos possibilidades matemáticas”, comentou.

De volta a Juiz de Fora

Arte: Toque de Bola

  Presidente eleito em 2019 no Ipatinga, Nicanor Pires esteve no Tupi até a metade do Campeonato Mineiro do Módulo I como diretor de futebol. Naquela oportunidade, o Carijó acabou rebaixado ao Módulo II. Sobre a passagem no alvinegro, o dirigente abriu o jogo.

  “Juiz de Fora é uma cidade que ficou marcada em minha vida. Tenho ótimas recordações e desde que deixei o Tupi não tive a oportunidade de voltar. Será uma chance de rever alguns amigos que deixei aí, apesar do tempo ser curto. Tenho um carinho grande pelo Tupi também. Acho que, dentro as condições que me foram oferecidas, conseguimos realizar um bom trabalho. Vale ressaltar que tínhamos a menor folha da Série C de 2017 e estivemos perto de conquistar o acesso à Série B, se não fosse pela atuação lamentável da arbitragem na partida contra o Fortaleza, no Mário Helênio. Montamos um elenco com uma folha salarial em torno de R$ 50.000, enquanto nossos adversários tinham folha de 150 mil para cima. Já no estadual de 2018, trabalhamos novamente com a folha mais baixa da competição e conquistamos o título de Campeão Mineiro do Interior. A partir daí, o clube viveu uma crise financeira ainda pior e não conseguimos segurar as peças mais importantes para a sequência no campeonato Brasileiro.

Nicanor Pires foi diretor de futebol no Tupi. Foto: Toque de Bola

Não conseguimos repor a altura e passamos a conviver com salários atrasados, o que dificultou bastante a gestão e o sucesso do trabalho. No ano de 2019, apesar de o Tupi ainda ter o recurso da TV, não tive orçamento para montar uma boa equipe e precisamos recorrer a parceria para montar a equipe e acabei saindo no meio da competição. Infelizmente o torcedor não tem conhecimento de tudo que acontece dentro do clube”, revelou.

Dificuldades e soluções

  Após assumir a presidência do Ipatinga, Nicanor teve, segundo ele, pouco tempo de trabalho. Ainda assim, a pandemia do coronavírus fez com que o baque financeiro promovesse intercorrências na atuação da direção.

  “Como todos, fomos pegos de surpresa. Ninguém esperava viver uma pandemia. Perdemos receitas, patrocinadores e vivemos um momento delicado. Porém, soubemos tirar proveito do período ocioso e fomos em busca de fontes de receitas e conseguimos fazer parceria com investidores e estamos tornando o nosso Centro de Treinamento autossustentável. Tivemos um momento crítico na competição, financeiramente falando, mas com muito empenho conseguimos resolver durante a pandemia”, disse Pires.

Profissionalismo

  Questionado sobre a principal virtude administrativa da atual gestão, Nicanor foi direto.

Tchô é o capitão da equipe do Ipatinga. Foto: Ipatinga FC

“Profissionalismo! Todos sabem que o Ipatinga já esteve no topo e por alguns fatores hoje vive uma situação muito delicada. Assumi o clube com muitas dívidas, desconfiança e acho que o ponto principal a se destacar é que estamos trabalhando para resgatar a credibilidade, com muita dificuldade, mas ao mesmo tempo com transparência. Aos poucos o apoio tem retornado, a torcida e o empresariado local têm enxergado que a gestão atual do Ipatinga tem feito de tudo para poder reerguer a instituição”, finalizou.

Quem joga?

  Para a partida diante do Tupi em Juiz de Fora, o Ipatinga conta com um reforço que chegou durante o período de pandemia: Núbio Flávio. O atacante, ex-Tupi e Tupynambás, estava no ABC de Natal e rescindiu o contrato para se apresentar ao Ipatinga. Além dele, Tchô, que esteve com Nicanor no Tupi em 2018, é referência técnica dentro das quatro linhas.

  Com isso, André Lima deve mandar a campo a equipe com Paulo Vitor, Ezio, Talis, José Leandro e Luciano Pit; Marquinhos Acreano, Marquinhos, Lukinhas e Tchô; Paulo Rangel e Núbio Flávio.

  Confira toda a cobertura do Módulo II do Campeonato Mineiro no Toque de Bola.

Texto: Toque de Bola – Pedro Sarmento, supervisão Ivan Elias

Arte: Toque de Bola

Deixe seu comentário