Clube-empresa, tapetão e ambição. Em dia com o Bahia de Feira de Santana?

  A equipe do Bahia de Feira embarcou para Juiz de Fora na madrugada desta sexta-feira (18). A semana foi marcada por treinos e ajustes, pela rodada de exames médicos obrigatórios e pelo anúncio de mais um reforço: o atacante Tico, de 20 anos.

 Depois da eliminação no tribunal em 2019, a meta do clube é estar entre os quatro que serão promovidos à série C. É o discurso repetido não só pela equipe, mas que consta nas postagens nas redes sociais do Tremendão.

  O primeiro passo será dado no sábado, quando enfrenta o Tupynambás na estreia na série D 2020. A partida será as 16h no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, com cobertura nas redes sociais do Toque de Bola e a repercussão  aqui no Portal. Confira o protocolo para o jogo definido pelas autoridades.

Foco: Série C

Para a participação na série D em 2020, a assessoria informou que as expectativas são as “melhores e mais ambiciosas possíveis”. O principal objetivo é o acesso à Série C.

Será a terceira vez que o Bahia de Feira disputa a competição. A melhor campanha foi em 2011, onde terminou em 11º lugar.

Em 2019, o time não avançou para a segunda fase por causa de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que foi ratificada no pleno. 

A Procuradoria denunciou o clube por causa da escalação irregular do volante Edimar neste jogo. Ele ainda tinha uma partida de suspensão a cumprir, após ter sido expulso na segunda rodada da série D em 2018, quando defendia o Vitória da Conquista.

Por causa disso, o time perdeu 3 pontos da vitória contra o América-PE, na estreia em 2019 e foi eliminado da competição, ao terminar em 3º no grupo A6, atrás de América de Natal e América-PE e à frente do Serrano. No geral, foi o 41º no torneio. 

Treinos e reforços

De acordo com a assessoria, a equipe suspendeu as atividades em meados de março, por causa da pandemia. A retomada das atividades ocorreu em 25 de junho. Participou em agosto da retomada do Campeonato Baiano, onde terminou em sexto lugar.

Para a série D, a equipe treinou todos os dias em dois turnos. Os trabalhos físicos, técnicos e táticos foram comandados pelo preparador físico, Michel Pinheiro, e pelo treinador Quintino Barbosa, o Barbosinha.

Desde junho, além de Tico, chegaram os reforços: Jeovane Ceará e Angelo Souza para a lateral direita, os volantes Jaildo e Lucas Gomes, os atacantes Danillo Bala e Kel Baiano, os goleiros Marcão e Rodolfo dos Santos, além dos zagueiros Murilo Rusalen e Emílio.

Clube empresa e gramado diferente

Assim como o Tupynambás, o Bahia de Feira ficou anos com as atividades paradas. Elas foram retomadas em 2009, quando se tornou um clube empresa. É administrado pelo Grupo Nobre, presidido por Jodilton Souza. Desde então, o clube já conquistou a Copa Governador do Estado da Bahia (2013), o Campeonato Baiano (2011) e o vice-campeonato estadual (2019).

O time manda os jogos e treina no CT na Arena Cajueiro, inaugurada em 2018. É um dos estádios brasileiros com gramado sintético. Segundo a assessoria, a adaptação foi gradativamente graças à qualidade dos atletas contratados e da comissão técnica.

Texto – Toque de Bola – Roberta Oliveira, com informações da assessoria do Bahia de Feira

Fotos: Instagram Bahia de Feira 

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário