Paulistão de volta! Veja em que condições

João Dória anunciou o retorno do futebol em SP. Foto: NSC Total

  Após 128 dias de paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus, o Campeonato Paulista volta nesta quarta, dia 22, com o clássico entre Corinthians e Palmeiras.
  A confirmação do retorno foi feita pelo governador João Doria no dia 8 de julho após acordo com a Federação Paulista de Futebol (FPF).

  Na volta, os estádios estarão sem torcida e os clubes vão disputar as partidas em cidades que estão na fase amarela da flexibilização. A final está prevista para 8 de agosto, data que coincide com a de início do Campeonato Brasileiro.

O que falta?

  A autorização foi aprovada pelo Centro de Contingência para o Coronavírus, em conjunto com a FPF. O retorno será gradual e prevê uma série de medidas estabelecidas em protocolo sanitário. Sobre o retorno, o presidente da Federação, Reinaldo Bastos, falou em entrevista coletiva.

 “Em nenhum momento faltou atenção, faltou diálogo e faltou harmonia entre os clubes de São Paulo e as autoridades do estado e as autoridades municipais. O futebol de São Paulo vai continuar poupando vidas cumprindo rigorosamente os protocolos apresentados”, afirmou.

  O Campeonato Paulista foi paralisado na décima rodada, em 16 de março e ainda tem 24 jogos a serem disputados em seis datas: duas rodadas do fim da primeira fase, quartas de final, semifinal e dois jogos das finais.

Fernando Diniz utilizando EPI durante treino. Foto: ge.com

Protocolo

  O confinamento das 16 equipes participantes do torneio e a divisão dos estádios em “zonas” são os dois principais pontos do protocolo.

  Caso algum jogador, membro de comissão técnica ou funcionário teste positivo para Covid-19, as medidas incluem o isolamento imediato do indivíduo infectado, a análise prévia de quem teve contato com ele e exames em quem teve contato direto por mais de cinco minutos.

  Com relação a público nos estádios, o secretário executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo, disse que só será cogitado com a vinda da vacina. “Não há expectativa para público até o fim do Paulistão. A partir do momento que tivermos a vacina, tivermos a imunização das pessoas essa possibilidade pode ser analisada pelo Centro de Contingência”, garantiu.

E as datas?

  A coincidência de datas entre a final do Paulistão e o início do Brasileiro foi tema abordado por Reinaldo Bastos. Segundo ele, “isso será definido quando forem definidos os finalistas”.
   Além disso, o cartola afirmou que tem uma boa relação com Rogério Caboclo, presidente da CBF, e que “o melhor caminho” será encontrado.

Reinaldo Carneiro Bastos garantiu a saúde dos envolvidos nas partidas. Foto: Gazeta Esportiva

Divisão em zonas

  Os estádios envolvidos nos jogos do Paulistão serão divididos em três zonas: azul, vermelha e amarela.

  • A zona azul engloba todos os locais pelos quais passarão jogadores, comissões técnicas e árbitros: corredores, vestiários, áreas de acesso, túneis, bancos de reservas e o campo de jogo.
  • A zona vermelha é o restante do interior do estádio, que poderá ou não estar ocupado: arquibancadas, área de imprensa, cabines, salas administrativas e operacionais, entre outros espaços.
  • A zona amarela é fora do estádio, no entorno dele, incluindo tudo que estiver envolvido com a operação do jogo: pontos de acesso e credenciamento, estacionamentos, etc.

Número de pessoas

  As quase 200 pessoas envolvidas em cada parte da operação terão credenciais específicas para o acesso às respectivas zonas.

  • Zona azul: máximo de 101 pessoas, incluindo jogadores, comissões técnicas, árbitros, gandulas, maqueiros, delegados da FPF, médicos e outros envolvidos diretamente no jogo;
  • Zona vermelha: máximo de 65 pessoas, incluindo bombeiros, diretorias dos dois clubes, funcionários que participam da transmissão da TV, seguranças, equipes de apoio e limpeza, árbitros do VAR, entre outros;
  • Zona amarela: máximo de 27 pessoas, incluindo policiamento, seguranças, funcionários de manutenção, entre outros.
Confira a tabela da rodada de retorno do Paulistão. Foto: FPF

Limpeza

  Na zona azul, o clube mandante terá de providenciar limpeza completa da área 24 horas antes da partida. Vestiários serão desinfectados e isolados até a chegada das equipes, e todas as áreas que podem ser tocadas com as mãos (até mesmo as traves) também passarão por desinfecção.

Fases do jogo

  A operação será dividida em quatro fases. Antes do reinício do Paulistão, os clubes terão de apresentar uma lista com os nomes de todos os funcionários que podem participar dos jogos.
  Cartazes informativos e dispensadores de álcool em gel serão colocados em diversos pontos dos estádios. O uso de máscara é obrigatório em todas as zonas.

  • Dias que antecedem o jogo: quando serão conferidas as listas de funcionários enviadas pelos clubes, a revisão do estádio quanto aos cartazes informativos e medidas de higiene, além da limpeza e desinfecção das áreas envolvidas na partida;
  • Pré-jogo: nesta fase, três portões serão liberados, um só para as delegações, outro para os funcionários da transmissão e outras operações, e um terceiro para os demais profissionais. Todos devem entrar de máscaras e terão suas temperaturas medidas na entrada. Os roupeiros e responsáveis pela organização dos vestiários podem chegar três horas antes dos jogos;
  • O jogo: fase que começa na chegada das equipes e árbitros ao estádio. Haverá distanciamento nos bancos de reservas, e as bolas serão constantemente desinfectadas pelos gandulas. Os jogadores precisarão trocar todo o uniforme no intervalo. Apenas os jogadores em campo, técnicos e trio de arbitragem poderão estar sem máscaras;
  • Pós-jogo: as delegações deverão aguardar o protocolo de saída em ambiente ao ar livre. A equipe visitante deixará o estádio primeiro, seguida pela equipe mandante e pelo trio de arbitragem. Os clubes voltarão diretamente a seus locais de concentração.

Texto: Toque de Bola – Pedro Sarmento, supervisão Ivan Elias 
Foto de capa: Divulgação/Palmeiras

Deixe um comentário