Contratos suspensos e recuperação demorada: os efeitos da pandemia no Sport

  Como está a situação dos clubes esportivos e sociais de Juiz de Fora após quatro meses de paralisação das atividades por conta da pandemia do coronavírus?

Sport Club está com as atividades suspensas desde março

  Em contato com os presidentes das instituições, o Toque de Bola elaborou uma sequência de reportagens sobre o tema.   

   Dirigentes do SESI, Cascatinha Country Club (CCC), Sport Club Juiz de Fora, Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) e Clube Bom Pastor (CBP) tratam da interferência provocada pela pandemia nas agremiações.

   Como os clubes estão se adaptando e sobrevivendo sem poder sequer abrir as portas?

A história

  Na terceira reportagem da série no Toque de Bola, o clube da vez é o Sport Club Juiz de Fora. Fundado em 1916, a instituição surgiu a partir de outro clube de Juiz de Fora: a Sociedade Recreativa Comercial Clube. Em uma das assembleias do Comercial, foi criado o setor esportivo do clube, denominado Sociedade Esportiva do Comercial Clube.

  Necessitando de um local para a sede, os responsáveis pelo clube então procuraram o presidente da Câmara Municipal, Sr. José Procópio Teixeira, o qual era proprietário de um terreno próximo ao Largo do Riachuelo, para propor o aluguel do terreno. Com a sede alugada, foi convocada uma assembleia na qual ficou determinado que a Sociedade Esportiva do Comercial Clube passaria a se chamar Sport Club Juiz de Fora, uma sociedade independente do Comercial Clube, embora ainda dispondo da sede do Comercial.

“E se não terminar?”

  Em entrevista exclusiva ao Toque de Bola, o presidente do Sport, Jorge Ramos, falou sobre o cenário de crise socioeconômica causado pela pandemia.

Jorge Ramos falou com exclusividade ao Toque

  “O período da pandemia foi algo que veio e que nós jamais poderíamos imaginar que chegaria ao ponto que chegou. O Brasil não se preparou para nada disso, mas é preocupante todo esse cenário que não mostra uma mudança rápida, e sim um cenário mais duradouro. É um período muito difícil para os clubes. Estamos enquadrados na onda roxa dentro do programa Minas Consciente, ou seja, as atividades estão suspensas até o fim da pandemia. E se não terminar? Deixo essa pergunta no ar”, explicou Ramos.

  Ainda segundo o mandatário do Alviverde, a questão financeira tem sido fator de estudos por parte da diretoria.

  “A situação financeira não é boa. Mesmo aqueles clubes que têm um lastro financeiro estão com dificuldades, porque as despesas estão aí e esse lastro acaba. Agora vamos fazer um pedido de reconsideração junto à Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais S.A), porque com o clube fechado eu tenho um consumo de 21 kWh, mas a demanda contratada é de 150 kWh. São detalhes assim que vamos trabalhar para evitar gastos desnecessários no clube”, afirmou.

Retomada

  Questionado sobre a recuperação do clube, Ramos abriu o jogo e falou que a recuperação “não será de hoje para amanhã”.

  “Ainda temos sócios que estão comprometidos com o clube, mas temos uma inadimplência de aproximadamente 50%. Não temos uma reserva financeira que nos permita fazer qualquer tipo de concessão além das que já fizemos. Concedemos um desconto de 20% na mensalidade, contando que todos os sócios manteriam seus compromissos. Infelizmente isso não aconteceu”, esclareceu o presidente.

  Além disso, os departamentos ligados ao clube e que geram renda estão com as atividades suspensas.

  “Os departamentos como ginástica, natação, escolinhas de futebol e futsal e academia nós suspendemos a cobrança, o que é mais do que justo. No caso da mensalidade, é um dever. O sócio proprietário é dono de 1/500 avos da instituição, então nós pedimos que eles tenham esse entendimento.

“O momento é difícil para todos”

Os departamentos do clube estão inativos desde o início da pandemia

  Em tom de compreensão, Jorge reconheceu que a situação é de dificuldade para todos atualmente, inclusive para os sócios da instituição.

  “Nós sabemos da dificuldade de muitas pessoas. Temos consciência disso. Eu me coloco muito do outro lado do balcão, porque assim conseguimos administrar a dificuldade das pessoas. Alguns sócios que são adimplentes com o clube estão passando dificuldades. Temos muitas pessoas que são do comércio e está tudo fechado.

  Por fim, o mandatário lembrou a perda de Júlio Gasparette, então Secretário de Esporte e Lazer da Prefeitura de Juiz de Fora, e pregou esperança no trabalho.

  “Recuperar o tempo perdido é muito difícil. Um clube de 104 anos e que tem uma área de, praticamente, 30 mil metros quadrados construídos é muito difícil manter. Para piorar, tivemos a grande perda do Júlio, que era uma pessoa que lutava pelos clubes. Vamos tocando em frente, para ver até onde vamos aguentar”, finalizou.

Nota oficial do Sport Club Juiz de Fora

“Comunicado

O SPORT CLUB JUIZ DE FORA, alinhado às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde, das autoridades municipais competentes e em comprometimento com os nossos colaboradores e associados, informa que se encontra com suas atividades suspensas desde o dia 20 de março de 2020, com o objetivo de resguardar a saúde e a segurança de todos em um momento em que o país se une na prevenção do contágio e propagação do Coronavírus (COVID-19) no Brasil.

O maior patrimônio do SPORT CLUB JUIZ DE FORA são seus associados, colaboradores e toda a comunidade que frequenta o Clube. Estamos atentos, acompanhando em tempo real todo o panorama. Faça a sua parte, siga as recomendações do Ministério da Saúde (https://coronavirus.saude.gov.br), da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (https://www.saude.mg.gov.br), da Prefeitura Municipal de Juiz de Fora e auxilie na divulgação destas informações.

Aproveitamos a oportunidade para agradecer a todos os sócios que tem demonstrando a sua compreensão com a necessidade do Clube de manter todos os seus compromissos com os colaboradores, fornecedores, parceiros e, principalmente, as obrigações rotineiras para o funcionamento do nosso Clube, em dia.

Informamos, outrossim, que foi deliberada e aprovada a redução do valor da mensalidade do boleto para vencimento em 10/06/2020, para todas as categorias de sócios, no percentual de 20% (vinte por cento). Esclarecemos que esse desconto somente será válido para pagamento da mensalidade até o dia do seu vencimento, ou seja, até 10/06/2020. Após o vencimento, será cobrado o valor integral da taxa de manutenção, sem cobrança de multa e juros de mora.

Aproveitamos a oportunidade para informar que, diante de todo esse quadro, desde as mensalidades vencidas em 05/05/2020 e enquanto durarem as recomendações de isolamento social, não serão cobradas as taxas relativas aos departamentos.

Contamos com a mobilização de todos no enfrentamento desta pandemia e pedimos a gentileza de entrarem em contato, em caso de necessidade, através dos telefones (32) 3215-2263 e (32) 3215-4613, no horário compreendido entre 08:00h e 17:00h, de terça a sexta feira e na segunda-feira 08:00 às 14:00 horas.

​​Sendo o que se apresenta para o momento, receba nossos protestos de elevada estima e consideração.

Atenciosamente,

Jorge Gonçalves Ramos
Diretor Presidente do Sport Club Juiz de Fora”

Texto: Toque de Bola – Pedro Sarmento, com informações do site oficial do Sport Club Juiz de Fora

Supervisão: Ivan Elias
Fotos: Divulgação/Sport Club Juiz de Fora

Este post tem 2 comentários

  1. Paulo

    Sr.Roberto Nunes. O Sr. Jorge Ramos se referiu a perda de um ex-Presidente do Clube.
    Que sempre foi participativo. Se o senhor acha que “Aí tem” reserva-se a você. É melhor que sair falando oque quer. E por favor respeite a memória do Julio.
    Boa Noite.

  2. Roberto Nunes

    Ai EU PERGUNTO…PELA REPORTAGEM O SECRETARIO DE ESPORTES DA PJF,,,AJUDAVA O CLUBE GINANCEIRAMENTE,,,PELO MENOS FOI O QUE EU ENTENDI…AI EU PERGUNTO: COMO UM SECRETARIO DE ESPORTES DA PJF,,,PERMITE QUE UMA PRAÇA PÚBLICA DO CORAÇÃO DA CIDADE,,,PRÓXIMO A 3 CLUBES SPORT,OLIMPICO A.C.,TUPI…COM 2O.OOO mt quadrados COM 2 QUADRAS POLIESPORTIVAS,1 CAMPO DE FUTEBOL E UM LARQUE INFANTIL…” TODOS DESTRUÍDOS” SE TRANSFORME NUMA CRACOLÂNDIA…ALEGAM PREFEITO E CÂMARA MUNICIPAL E SECRETARIA DE ESPORTES…FALTA DE VERBA FINANCEIRA.ALGUMA COISA NÂO BATE…TEM TRETA FINANCEIRA AI….EU PAGO MEU IPTU ANUAL,,,PARA O SECRETARIO DOAR AOS CLUBES,,,AO INVÉS DE MANTER AS PRAÇAS ESPORTIVAS DA CIDADE…ME ENGANE QUE EU GOSTO.

Deixe um comentário