Símbolo de raça: o Gringo se despede!

  O futebol de Juiz de Fora e o Tupi perderam um de seus personagens de destaque, símbolo da raça carijó.

  O ex-zagueiro e treinador do Tupi, Ricardo Estrade, faleceu aos 71 anos, na madrugada do último domingo, dia 15. A causa da morte de Ricardo “Uruguaio”, ou simplesmente Gringo, como era conhecido no meio futebolístico da cidade, não foi informada. O clube decretou luto oficial.

Especial para o Toque

  Em 2016, dentro de uma série especial do Portal Toque de Bola sobre Tupi x Atlético, Estrade foi um dos personagens principais. O ex-zagueiro e treinador se divertia lembrando, como em entrevista exclusiva ao Portal Toque de Bola, que nunca havia perdido para o Alvinegro de Belo Horizonte em Juiz de Fora.

Jogador e treinador

  Pelo Tupi, Ricardo Estrade Delgado atuou em 1984 e 1985, como registra o historiador carijó e professor de educação física, Léo Lima. No período, esteve em 71 jogos e marcou 2 gols.

  “Ele cunhou uma frase muito interessante logo em sua chegada ao clube. Sobre seu estilo de jogo, disse: ‘há partidas em que é preciso impor respeito. Eu não passo por cima de ninguém, mas ninguém passa por cima de mim.’ Diz muito sobre como era como jogador e treinador”, destaca Lima (veja abaixo imagem exclusiva do acervo do Memorial Carijó eternizando as palavras do então zagueiro).

Carreira

  Além de atuar pelo Tupi após passagens por Liverpool-URU, San Telmo-ARG, Salus-URU, Fénix-ARG, Deportivo Anzuátegui-VEN e Pedroleros de Anzuátegui-VEN, Ricardo virou treinador. E o mais curioso: ainda em atividade. “Ele foi campeão mineiro do interior em 1985, como jogador e técnico ao mesmo tempo. Nos quatro jogos finais do campeonato, foi o treinador da equipe, substituindo o técnico Luis Alberto”, relembra Lima.

  Além do comando em 1985, Ricardo Estrade foi técnico do Carijó em mais três oportunidades. Ele também comandou o Tupi em 1990, 1993 e 1996, fechando um total de 26 partida à frente do Carijó.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotomontagens: acervo Memorial Carijó Joacyr Soares de Lima

  

Deixe seu comentário