“Queremos a elite em 2020!”

Pouso Alegre foi campeão invicto da Terceirinha

  Recuperação. Essa é a palavra que move o Pouso Alegre Futebol Clube desde 2017.

  Após um longo tempo longe do futebol profissional, o clube do Sul de Minas voltou forte ao cenário estadual e conquistou o título da Segunda Divisão de forma invicta em 2019. 
  A ascensão chamou atenção e o Toque de Bola traz o presidente do clube, Paulo da Pinta, que falou com exclusividade com nossa equipe e contou tudo sobre o crescimento de um dos adversários do Tupi no Módulo II de 2020.

Quitando as dívidas

Paulo da Pinta assumiu o clube em 2017

  O trabalho teve início em 2017, quando Paulo foi eleito presidente do clube após um grande imbróglio judicial. “É um clube que ficou afastado por muitos anos do futebol profissional, principalmente pela antiga diretoria, que não tinha interesse do retorno do clube. Com isso, nós os questionamos e tivemos até que travar um embate judicial, no qual o juiz verificou que não haviam realizado as eleições nas últimas décadas e fez uma interdição no clube. Depois disso foi nomeada uma comissão provisória e deu-se o prazo de 90 dias para se realizar uma eleição, na qual eu fui eleito”, conta Paulo.

   Com uma dívida grande para um clube pequeno, os anos de 2017 e 2018 foram de recuperação dentro de fora de campo no Pouso Alegre. “Após a eleição, nós começamos a verificar a situação do clube no início de 2017, quando constatamos que o clube tinha uma dívida de quase R$ 2 milhões, sendo quase R$ 1 milhão em IPTU do antigo terreno do estádio, R$ 500 mil de um processo de usucapião de um morador que vivia na área do estádio há 50 anos e um pagamento de uma dívida de débitos previdenciários e não previdenciários que já estavam em execução fiscal. Pagando todas as despesas com CBF, FMF e as acima citadas, chegava a R$ 2 milhões.”

Antigo Estádio da Lema, permutado com a Prefeitura

Fim das dívidas, retorno ao campo

  A quitação completa do débito só foi possível com auxílio do poder público municipal e desapropriação do antigo Estádio da Lema. “Hoje, o Pouso Alegre, graças a uma permuta que foi realizada com a prefeitura no seu antigo estádio, onde cedemos boa parte do terreno para a ampliação do atendimento à saúde (construção de uma UPA, aumento do atendimento no hospital, etc). Tudo isso possibilitou o retorno do Pouso Alegre ao futebol profissional, pagando todas as dívidas e zerando todas as demandas judiciais.”

  Dentro das quatro linhas, após um ano de aprendizados, a equipe voltou mais forte para ser campeã. “No ano passado (2018) nós disputamos a Segunda Divisão, mas como foi muito em cima das decisões judiciais e pagamento de dívidas nós não tivemos muito tempo. Além de faltar um pouco de experiência e conhecimento do torneio. Fizemos um bom campeonato, mas não conseguimos o acesso. Já em 2019, tivemos mais tempo para planejamento e conseguimos montar uma equipe competitiva, forte e, graças a Deus, conseguimos, além do acesso, o título da competição.”

Atualmente, o Pouso Alegre manda seus jogos no Manduzão

Força da arquibancada

  Mesmo na Segunda Divisão, o Pouso Alegre só ficou atrás de Cruzeiro e Atlético em termos de torcedores no estádio, e Paulo fez questão de agradecer. “A grande força do Pouso Alegre é o nosso torcedor, que na final colocou 10 mil pessoas no estádio. Nossa média foi de quase 5 mil por jogo. Isso nos torna a terceira equipe do futebol mineiro em média de público”, comemorou.

  O título invicto foi motivo de muita comemoração por parte de jogadores de diretoria, mas por pouco tempo. “Este ano nós ganhamos o título de forma invicta e comemoramos muito no dia que conquistamos o acesso e também a taça de campeão. Mas já começamos a trabalhar no dia seguinte para a montagem da equipe para o Módulo II, que é muito mais competitivo e muito mais difícil. Nós sabemos que muitas das equipes que disputam o Módulo II já estiveram na elite do  Estadual e têm grandes torcidas, assim como a nossa. Precisamos qualificar nosso time. Já conseguimos manter uma base do elenco do ano passado, renovando contrato com 11 atletas e vamos ao mercado para reforçar a equipe e buscar uma vaga na elite no ano que vem”, disse Paulo.

Torcedor lotou as arquibancadas na decisão

Planejamento e sequência

  Dentro de campo, a filosofia é manter uma base do elenco campeão da Segunda Divisão e brigar pelo acesso em 2020. “Estamos construindo nosso Centro de Treinamento também. Provavelmente estará pronto no início do ano de 2020, e já será utilizado pela equipe profissional no Módulo II. São três campos oficiais. Além disso, estamos fazendo algumas pequenas alterações no nosso estádio, que foi construído em 1996 e estava abandonado até então. Para o ano que vem, temos a promessa do nosso prefeito de aumentar a área coberta, recolocar iluminação, roubada alguns anos atrás, e também pintura da arquibancada”, prevê Paulo.

Novo CT do Pouso Alegre deve ficar pronto em 2020

  Próximo ao período eleitoral, o atual presidente espera poder ser reeleito e continuar o trabalho por mais um mandato. “Em dezembro teremos eleições no clube, e meu mandato está vencendo. Tenho direito a uma reeleição ainda. Vou aguardar os sócios elegerem um conselho e esse conselho elege o novo presidente. Esperamos poder contribuir por mais três anos nessa nova etapa do clube”, deseja.

Leia também:

Coimbra: saiba quem é o adversário-novidade do Baeta em 2020

O quebra-cabeças do elenco do Baeta

Conheça a trajetória do Betim, adversário do Carijó em 2020

Texto: Toque de Bola – Pedro Sarmento
Fotos: Facebook FMF; Agência 4Oito; Assessoria da Prefeitura Municipal de Pouso Alegre; Portal Minas Gerais; e Divulgação/Pouso Alegre FC

Deixe seu comentário