Ninho do Jacaré! O começo de Wesley Moraes em JF

Wesley fez seu primeiro treino com a Seleção no dia 12

  Juiz-forano, cria de time amador da cidade e que deu seus primeiros passos como atleta federado por um dos clube locais, o centroavante Wesley Moraes, de 22 anos, atualmente no Aston Villa, da Inglaterra, realizou o sonho da maioria dos garotos do País: foi convocado para a Seleção Brasileira.

  Depois do corte por lesão do atacante David Neres, do Ajax da Holanda, Wesley, ou simplesmente Jacaré – como é conhecido em Juiz de Fora -, foi chamado pelo técnico Tite no último fim de semana. Apresentou-se na segunda, dia 11, na terça, dia 12, fez seu primeiro treino com os companheiros de Amarelinha, e tem seu primeiro compromisso com o Brasil nesta sexta, dia 15, às 14h, contra a Argentina, em amistoso que será disputado em Riade, na Arábia Saudita. A sequência que encerra os compromissos da Seleção em 2019 e que contará com o juiz-forano tem um novo teste, contra a Coréia do Sul, no dia 19 de novembro, às 10h30, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Uberabinha comorou a convocação

Primeiro treinador

  O início do hoje jogador da Seleção em Juiz de Fora foi comum a quase todos os garotos, como conta seu primeiro técnico no futebol de campo, Sérgio “Dudu” Eduardo, responsável pela CAEM do Cerâmica e treinador do Uberabinha. “O Wesley chegou pra mim, de 13 pra 14 anos, vindo do futsal. Ele jogava no Botafoguinho, em Santa Luzia. Mudou-se para o Monte Castelo e começou a frequentar o Uberabinha. Ele já era muito forte fisicamente. Bem alto também”, relembra.

  Segundo Dudu, o tempo nas quadras desenvolveu características em Wesley além da força física. “Tinha uma presença de área muito grande. Uma técnica apurada também. Como ele trouxe uma habilidade muito boa, adquirida no futsal, ele fazia uma composição eficiente tanto jogando dentro da área como saindo para jogar como meia. Atuava com facilidade como homem de ligação, vindo de trás e não só centralizado como vem jogando atualmente. Sempre foi muito determinado e matador. Resolve em pouco espaço. Precisa de muito pouco para conseguir dominar e bater”, destaca.

Por que Jacaré?

  Garotos reunidos no contexto descontraído do mundo das categorias de base na bola acabaram por gerar o apelido que ficou para o atual camisa 9 do Aston Villa. Wesley adotou o Moraes nas passagens pelo Itabuna-BA, Trencin (Eslováquia) e Brugge (Bélgica), mas sempre será Jacaré para os juiz-foranos.

Jacaré sempre se destacou pelo porte físico

  “O apelido surgiu por ele ser muito parecido com o dançarino famoso, do grupo É o Tchan, o Jacaré. Muito grande, e dançava também. Por isso, acabou pegando”, conta Dudu sobre o atacante que atualmente tem 1,92cm e 93kg segundo as estatísticas do Aston Villa. 

Dificuldades e transição

  Sérgio se lembra não só de Wesley dentro de campo, mas dos percalços pessoais do  início de carreira. “Fora de campo, tinha dificuldades na questão financeira, por sua situação familiar (Wesley perdeu o pai aos 9 anos). Então, sempre ajudamos, dando uma chuteira, dando um apoio. Foi pai com 15 anos. Muito precoce. Mas sempre foi um garoto muito determinado e bom”, conta.

  Do Uberabinha, Wesley segui para o Sport. “Em 2010, ele disputou a Copa Prefeitura Bahamas de Futebol Amador pelo Uberabinha. Fez 3 gols na competição. Em 2011, desde o início daquele ano, despertou o interesse do Sport, que o levou para jogar o Mineiro sub-15. Então, ele jogava o campeonato da Liga de Futebol de Juiz de Fora e a Bahamas – da qual fomos campeões – para nós, e o Estadual para o Sport”, explica Dudu.

 Presidente do Uberabinha à época, Amarilio Arrila se lembra bem da fase de transição. “Em 2011, somente Sport disputava o Mineiro de base, e me procuraram para ceder três jogadores. Um deles era o Wesley, que já demonstrava um padrão muito acima da média. Cedemos sem contrapartida nenhuma, somente comentei com o pessoal do Sport: nós vemos um grande potencial neste garoto. Ele disputou para o Sport, o Mineiro de 2011. Em 2012, entramos no Mineiro e ele jogou pelo Uberabinha. Em 2013, ele retornou para o Sport”, conta o dirigente.

Wesley em ação com a camisa do Sport

No Sport

  Da época que Wesley era a estrela das categorias de base do clube, Júlio Gasparette, que já foi presidente e dirigente do clube, se lembra que o garoto tinha potencial. “Quem vai ser craque um dia, já nasce craque. Era diferente dos seus colegas desde novo. Por isso está chegando onde ele está. Parabéns para ele, que nos deixa orgulhoso”, comemora.

  Hoje Secretário de Esporte de Juiz de Fora, Gasparette considera uma alegria para a cidade ida do jogador local para a Seleção. “É especial para Juiz de Fora ver manchete mundial de um garoto que trabalhamos nas categorias de base do Sport. A convocação do Wesley deixa alegres vários jogadores que atualmente estão envolvidos nas finais da Copa Prefeitura Bahamas, por exemplo. Garotos que jogaram com ele no clube. Ele passa a fazer parte do ranking dos maiores atletas da cidade, e tive a honra de ser o presidente à época que ele estava iniciando sua trajetória.”

Dudu e seus dois pupilos da Seleção

Seleção era possível?

  Se desde novo Wesley demonstrava potencial, até onde poderia chegar sempre foi um incógnita, mesmo para quem o acompanhou de perto. “Sabia que ele tinha potencial para chegar em algum lugar. Mas chegar à Seleção como Danilo ou ele, é difícil de prever. Mas sempre teve um talento, um dom. Via potencial, mas não diria lá atrás, sendo sincero, que ele estaria convocado. Chegou à convocação pelo potencial. Jogar na Europa já é difícil, imagina da Seleção Brasileira”, explica Dudu.

  O treinador local, que nesta convocação de Tite tem duas de suas crias no elenco, é só alegria. “Fico feliz de ter participado da formação de dois atletas importantes da atual Seleção Brasileira. É o reconhecimento do meu trabalho. Ter dois jogadores que trabalharam contigo, jogaram e atualmente representam o Brasil não tem preço. Se um já é difícil, imagina dois. Isso me deixa muito alegre e com esperança de tudo que eu fiz  não foi em vão”, celebra o treinador que também orientou o lateral-direito Danilo. 

  Clique nos links abaixo e veja reportagens feitas pelo Toque de Bola, no início da carreira de Wesley em JF

  Sport goleia… (2013)

   Jacaré brilha… (2013)

  

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Facebook Aston Villa FC; Facebook Wesley Moraes; Toque de Bola; e Lucas Figueiredo/CBF

 

Deixe um comentário