Sem dívida, Baeta terá mais dinheiro da TV

Times se reuniram em Belo Horizonte na terça

  Com a definição do período e fórmula de disputa do Campeonato Mineiro 2020 na última terça, dia 29, em reunião na sede Federação Mineira de Futebol (FMF), aceleram-se as negociações com patrocinadores para a composição de um orçamento mais robusto para o Tupynambás se colocar como candidato real na briga pela classificação à segunda fase do Estadual entre os semifinalistas.

  Por enquanto, segundo a diretoria, nenhum acerto foi firmado, mas as conversas caminham bem, devendo haver novidades nos próximos dias. O que já se sabe é que o clube, que já anunciou contratação e renovações, terá mais dinheiro da cota de televisão para contar em seu orçamento. Isso abre a possibilidade de torná-lo maior do que o de 2019, mesmo apenas com a manutenção dos valores levantados com patrocinadores.

Cláudio disse que cota foi menor por dívidas em 2019

Dívida e versões

  Em 2019, como explica o vice-presidente e atual homem forte do futebol do Baeta, Cláudio Dias, o repasse do montante da TV ao qual faz jus o Baeta teve descontos inesperados. “Pelo que foi informado, a verba de televisão deve ficar no mesmo desse ano. Recebemos cerca de R$ 612 mil porque o Alberto (Simão, ex-gerente de futebol do Tupynambás entre 2016 e 2019) deixou uma dívida lá na Federação, de cerca de R$ 235 mil. Este ano não tem isso, mas se tiver alguma correção é de inflação”, explica.

  De acordo com Simão, a composição dos descontos não foi totalmente por conta de dívidas com a FMF. “Existia uma dívida sim, mas que girava em torno dos R$ 100 mil. Algo normal, que na administração dos clubes, você já faz contando com a próxima cota. Outras despesas foram correntes deste ano, como inscrição de atletas, anuidade do clube e, por exemplo, pagar antecipadamente os jogos contra o Boa Espote e o Tupi”, detalha o ex-gerente, que preferiu não polemizar. “Desejo sorte ao Baeta e aos seus dirigentes”, finaliza.

  A reportagem do Toque de Bola tentou contato e enviou, através de e-mail, questionamentos sobre os descontos da cota de TV e a dívida do Baeta para a FMF. Até o momento da publicação desta matéria, a assessoria de imprensa da entidade não havia retornado ou respondido às perguntas formuladas.

Alberto Simão na apresentação do elenco em 2019

Ruim e bom

  Diante da definição do modelo de disputa do Mineiro 2020, o Tupynambás acabou satisfeito, apesar de preferir outro formato. “Preferia que a forma de disputa fosse em dois turnos, cada um com semifinais e finais, e a possibilidade de uma final extra. Acredito que ficaria mais atrativo para a torcida assim. Mas, optaram por uma nova proposta que, em relação à atual, achei interessante”, diz Dias.

  De acordo com Cláudio, de o Troféu Inconfidência, criado para a próxima temporada, valer vaga em torneio nacional deve agitar os confrontos. “Esse ano, o Tupynambás (8º) pegou o Atlético (1º), e a chance de avançar era mínima. Até pelo investimento maior do clube da capital. Isso seria necessário para disputar a Copa do Brasil. Nesse novo formato, os times de quinto a oitavo brigam em mais condição de igualdade por uma vaga na disputa nacional. Ficou mais interessante que a atual”, explica o dirigente.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Divulgação/FMF; Facebook/Tupinambás FC; e 

Deixe seu comentário