Mandato prorrogado, mas quem vai à FMF?

Myrian teve seu mandato prorrogado pela Justiça

  A Justiça determinou que a atual presidente do Tupi, Myrian Fortuna, cujo mandato terminaria no dia 30 de novembro, permaneça à frente do clube por tempo indeterminado, na quarta, dia 30. Mas isso não parece ter agilizado o processo de escolha de quem irá representar o clube no conselho técnico do Campeonato Mineiro do Módulo 2.

  Ciente da reunião desde o dia 15 de outubro, o Tupi vive dias tumultuados nos bastidores por conta da eleição realizada no dia 5 de outubro e que está suspensa também por decisão judicial. Informações de bastidores dão conta de que um nome já estava definido. Mas a decisão judicial desta semana, que não permite – sob pena de multa diária de R$ 200 – à atual mandatária tomar qualquer ato que concorra para a condução da transição de poder no clube, impediu que esta pessoa fosse nomeada para estar na Federação Mineira de Futebol no próximo dia 5, terça-feira, às 14h, representando o Carijó.

Engatilhadas

Cloves quer a impugnação da chapa JR 2020

  Enquanto o Tupi não sabe nem quem será o representante no arbitral, outras equipes da Segundona do Mineiro já estão acertando com treinadores e montando seus elencos. Cloves Santos, cabeça da chapa SOS Tupi – cujo processo na Justiça suspendeu do resultado de vitória da concorrente JR 2020 e pleiteia sua impugnação -, acredita que as indefinições eleitorais podem atrapalhar a formação do time para tentar o acesso. Mas confia em poder formar uma equipe competitiva.

  “Causa um desconforto enorme, embora achemos que não haverá grandes modificações no arbitral. O que atrapalha é o que já tínhamos apalavrado com treinador e jogadores. Tínhamos isso organizado. Vai haver um atraso. Mas já demonstramos que conseguimos trabalhar bem nesses momentos e formar um time competitivo”, confia.

Juninho comemorou vitória na eleição

  O representante da JR 2020, José Luiz Mauler Júnior, o Juninho, cuja vitória na eleição está suspensa, afirma que seu grupo já tem quase tudo pronto para a formação da equipe que disputará o Módulo 2 do Campeonato Mineiro no ano que vem. “O clube será representado no arbitral, e em nada compromete a formação da equipe que já está sendo montada. A comissão técnica será fechada na segunda feira (dia 4) e alguns atletas já estão acertados”, garante o postulante a mandatário do Carijó e atual presidente do Conselho Deliberativo do Tupi.

Repercussão

  Sobre a decisão judicial da juiza da 2ª vara Cível de Juiz de Fora, Ivanete Jota de Almeida, mantendo a atual presidente no cargo até o julgamento do mérito da ação de impugnação movida pela SOS Tupi ou um acordo ser celebrado, Juninho considerou ter sido tomada a atitude correta. “O processo de transição não se iniciou, mas não atrapalha nada, uma vez que, como presidente do Conselho, tenho conhecimento da real situação do clube. A decisão foi muito bem vista por todos, pois não haveria sentido em deixar o clube nas mãos de quem não tem nenhum conhecimento. A atual presidente foi muito bem nomeada pela juíza”, considera o dirigente.

Decisão judicial da última quarta, dia 30 (clique para ampliar)

  No prazo de 15 dias dado pela Justiça, a SOS Tupi pretende se manifestar, já que entende que a extensão do mandato de Myrian Fortuna não é benéfica para o Carijó. “Entendemos que essa questão provisória não atende os interesses do clube. É a continuidade daquilo que não está sendo bem gerido, até porque vem de três descensos. O ideal seria que ela aceitasse a impugnação da outra chapa por vícios demonstrados nos autos. Mas como ainda não foi deferido isso, vamos lutar para que seja, tenhamos acesso e possamos gerir o clube”, deseja Cloves.

Sem assessoria

  Além de manter a atual presidente do clube à frente do clube até o julgamento do mérito da ação movida pela SOS Tupi, manter a suspensão do resultado da eleição e  estabelecer multa diária caso algum ato seja tomado no sentido de dar posse à chapa JR 2020, a juíza Ivanete Almeida também determinou prazo de 15 dias para a manifestação das partes. Oficialmente, a atual diretoria não se manifestará sobre o teor da decisão, que passa por análise do departamento jurídico. A expectativa é de que, quando tiver uma posição oficial, esta seja divulgada na redes sociais do Tupi.

  Desde essa quinta, dia 31, o Carijó está sem assessoria de imprensa. Os profissionais que cuidavam da relação do Alvinegro de Santa Terezinha com os veículos de comunicação, Fernanda Evarista, Dalvam Luiz e Arthur Abrahão, emitiram comunicado dizendo não responderem mais pelo setor.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Junior Ayupe/Tupi FC; e Toque de Bola  

 

 

Deixe seu comentário