Brasileiro de dadinho em JF!

  Tradicional cidade do cenário do futebol de mesa do país, Juiz de Fora vai sediar o Campeonato Brasileiro de Futebol de Mesa da modalidade dadinho neste fim de semana.

Favorito, Colla tem o filho Heitor como seu amuleto

  Com recorde de inscrições, a competição ocorre no Cascatinha Country Club, no sábado, 19, e domingo, 20 de outubro, e envolverá cerca de 150 atletas. A edição de 2019 é a 12ª do torneio, que é organizado pela Confederação Brasileira de Futebol de Mesa (CBFM), em parceira com a Federação Mineira de Futebol de Mesa. Sobre o torneio, Renato Souza, um dos organizadores do evento, falou com exclusividade ao Toque de Bola.

  “A expectativa é a melhor possível. Estamos sediando o maior evento já realizado na modalidade, com uma excelente infraestrutura cedida pelo Cascatinha Country Club. Da parte da organização está tudo muito bem ajustado. A CBFM tem uma equipe de eventos muito capacitada e nós estamos fazendo tudo para realizar um grande campeonato em Juiz de Fora. É uma honra sediar o maior evento, até então, da modalidade. Todos as atenções estão voltadas para Juiz de Fora nesse fim de semana”, analisou.

Os favoritos

  Mais uma vez, os atletas que representam os clubes do Rio de Janeiro chegam como favoritos à conquista da competição. Com uma infraestrutura diferenciada, o estado tem grandes chances de ter o campeão de 2019. Com chance de roubaram a cena, dois atletas que representam equipes mineiras também foram lembrados por Renato.

  “Quando se fala de favoritismo, o Rio de Janeiro domina a modalidade. Teremos, nessa edição, cerca de 70% de jogadores da cidade do Rio do Janeiro. Os grandes clubes cariocas têm uma infraestrutura muito bem montada e, logicamente, eles conseguem se aperfeiçoar cada vez mais. Provavelmente, o grande campeão sairá de um grande do Rio: Fluminense, Flamengo, Vasco ou Botafogo. Em Minas, nós temos um bicampeão nacional da modalidade individual, que é o Alex Lage. Em 2009 ele levou o troféu representando o Tijuca Tênis Clube e, em 2013, foi campeão pelo Tupi, que, até hoje, é o único título da cidade. Temos também, em Barbacena, o Paulinho Afonso, que é um fantástico jogador. Como destaque, temos um juiz-forano muito bom jogador que é o Luiz Henrique Colla, que defende o Flamengo, um dos favoritos ao título”, disse Souza.

  Citado por Renato, Luiz Henrique Colla conversou com o Toque de Bola. O juiz-forano foi vice-campeão nacional em Brasília 2017 e falou da ansiedade de poder jogar em casa na edição de 2019.

Luiz Henrique Colla (esq.) e Renato Souza (dir.)

  “Eu tenho consciência de que posso ser campeão esse ano, mas estou com os pés no chão. Tem muita gente boa que virá a Juiz de Fora para brigar por esse título. É a maior competição já realizada na modalidade desde 2007, com mais de 150 atletas. Jogar na minha cidade é especial e a intenção é fazer a melhor competição possível”, disse o atleta do Flamengo.

De peso

  No total, serão 33 clubes na disputa do troféu. Entre os destaques, clubes grandes do país, como Flamengo, Fluminense, Botafogo, Vasco e Corinthians. Além de “camisas pesadas”, o campeonato conta com equipes experientes na modalidade, como o Tupi, que joga em casa. Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Distrito Federal terão representantes nesta edição do Brasileiro.

  O sistema de disputa é simples. A primeira etapa é uma fase de grupos, na qual os classificados avançam para o mata-mata. Ao longo da sequência das partidas, conforme seus resultados, os competidores são distribuídos em diferentes séries, como, por exemplo, séries A, B, C e D. Os oito melhores de cada divisão serão premiados com troféus.

Texto: Toque de Bola
Foto: Confederação Brasileira de Futebol de Mesa/Divulgação

 

 

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário