Baeta quer mudança!

Em 2019, Baeta jogou as quartas contra o Atlético em BH

  No que depender do Tupynambás, o Campeonato Mineiro terá uma fórmula de disputa diferente na temporada 2020 em relação a este ano. A equipe juiz-forana espera somar forças com os co-irmãos do interior no conselho técnico do Módulo 1 do Estadual, na terça, dia 29, às 14h e modificar o modelo atual.

  A reunião dos 12 clubes que disputam a elite do futebol de Minas Gerais na sede da Federação Mineira de Futebol (FMF), em Belo Horizonte, vai bater o martelo quanto à fórmula de disputa do Mineiro. Mas as discussões já começaram.

  Um encontro prévio com os clubes e a direção técnica da entidade foi realizado no último dia 22, no Mineirão. “Foram apresentados alguns modelos de disputa. Para o Tupynambás, o mais interessante seria um que se assemelha ao Carioca, com a formação de dois grupos. Acreditamos que se torna mais atraente a competição para levar mais gente ao estádio”, explica o vice-presidente do Baeta, Cláudio Dias.

Dias defende mudança de fórmula no Mineiro 2020

Disputa de propostas 

  Se oficialmente as discussões já começaram, nos bastidores elas fervem com uma disputa clara entre interior e capital, com a TV Globo, detentora dos direitos de transmissão do Mineiro, tendo papel importante. Com 16 datas liberadas pela CBF, os estaduais em 2020 perderam dois dias em relação à temporada atual. Assim, Cruzeiro, Atlético e América querem que a competição diminua uma fase, voltando ao modelo de classificação apenas dos quatro primeiros para as semifinais.

  Já os clubes do interior, capitaneados pelo Villa Nova, de Nova Lima, buscam alterar a fórmula de disputa do Estadual para torná-lo mais rentável e atrativo ao público local, levando mais pessoas ao estádio. A proposta seria dividir os 12 times do torneio em chaves de seis equipes, que jogariam no primeiro turno dentro das próprias chaves e, no segundo, enfrentariam a chave oposta.

  Ainda não está definido na proposta se haveria apenas final ou também semifinais dos turnos. Os campeões de cada turno fariam a decisão do Mineiro. Uma espécie de meio-termo entre os clubes da capital e interior seria a manutenção da fórmula atual, com oito times avançando às quartas de final, podendo esta fase ser disputada em jogos de ida e volta – até 2019 esta etapa foi jogada em partida única, na casa da equipe de melhor campanha.

Intenção é ter mais renda com público nos estádios

Votos

  Tudo será decidido no voto dos clubes, cujo peso corresponde à ordem inversa de sua colocação no Mineiro 2019. Assim, os times da capital têm, somados, 33 votos. Já os do interior somam 45, e poderiam facilmente aprovar sua fórmula caso chegassem a um consenso. Mas as conversas de bastidor e propostas interessantes como empréstimo de atletas por Cruzeiro, Atlético e América nem sempre permitem essa união. 

  No meio das discussões o canal detentor dos direitos de transmissão também tenta defender seus próprios interesses. Investindo mais de R$ 35 milhões pelo contrato que tem vigência até 2021, a TV Globo é parte importante do processo de definição da fórmula, tendo os times da capital, que recebem a maior parte do bolo das cotas de televisão, geralmente alinhados a seus interesses.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Facebook Tupynambás FC

Deixe seu comentário