Ibitipoca Offroad 2019

O mais charmoso do Brasil. Edição Histórica!

Sucesso da largada à chegada!


09 ago 2019

Competidores passaram pela capela Senhor dos Passos

  Foram muitas as manifestações de satisfação dos competidores da Edição Histórica de 30 Anos do Ibitipoca Off Road. Desde as primeiras aceleradas nas trilhas entre Juiz de Fora e Lima Duarte, no sábado, dia 3, os participantes vibraram.

  Expressões de contentamento como o “Uh!” do tetracampeão da categoria Master, Jomar Grecco, ou o “Maravilhoso!” de Edson Stenico, da Dupla Graduados, após encararem os degraus de pedra próximos à capela do Senhor dos Passos, na comunidade de Quintilianos, provaram a qualidade da prova.

Demais

  No topo do trecho, o multicampeão Sandro Hoffmann, competindo na Sênior, definiu as primeiras horas de trilha. “Só teve estradinha no comecinho, depois o pau quebrou, arrancando o couro. Tá de parabéns, cara, 30 anos mesmo. Valeu os 30. Bem comemorados!”

Participantes ao final do primeiro dia no Alphaville Chalés

  Ao final do primeiro dia, Grecco elogiou o percurso e queria mais. “Foi bem bacana. O roteiro bem elaborado, as trilhas bem técnicas. A média, achei um pouquinho baixa, podia ter apetado mais. Mas faz parte, porque a organização preza pela segurança, nós que andamos na frente vamos mais com a faca nos dentes. Foi bem bacana, sem erros de planilha. Show de bola, a prova foi um espetáculo”, considerou.

Nos carros também

  Não só nas motos, as trilhas da Edição Histórica agradaram, como destacou ao fim do primeiro dia o navegador Matheus Mazzei, que terminaria campeão, ao lado de Pedro Agrelle na categoria Master do 4×4

Carros tiveram prova marcante

  “Como sempre, Ibitipoca está um provão. Uma das melhores do Brasil. Muito pegada, muito rápida, difícil e muito técnica. Você pode andar dez anos que vai acha-la muito técnica”, explicou Mazzei.

Na volta

  No segundo dia, a expectativa pelo pódio garantia a ansiedade, como disse, pouco antes de largar, o piloto Silvério Silva, da categoria Brasil. “O primeiro dia foi show. A expectativa é tentar ficar entre os cinco”, desejava.

Tempo para descanso no neutro do Mogol

  Nas trilhas, gente experiente como Hoffmann vibrava com seu “Uhuuull!”. Já no neutro do Mogol, a turma da Over 55 tinha uma pequena pausa. E quem viria a ser campeão, Cassius Nunes, e o futuro vice, Evair Cardoso, prosearam sobre o IOR 30 Anos.

  “Tá top. Segundo dia, e ainda bem que o clima está favorecendo. Não está sol, deu um chuvisquinho. Mas não chegou nem a molhar a terra”, disse Evair. “Espetacular. Claro que deixa um gostinho de quero mais. Ano que vem tem mais, tem o 31”, cravou Nunes.

Chegada

No fim, o orgulho de ter completado o IOR 30 Anos

  Após cruzar a linha de chegada na Suprema, mesmo fora da briga pelo título, Jomar comemorou e já previu presença nas próximas edições. “Ibitipoca é uma prova que marca, e essa Edição Histórica vai ficar na memória. A chuva no finalzinho apimentou. Vai fazer um diferencial. Tive alguns imprevistos, infelizmente essa não vai ser minha. Mas vamos para as próximas, 31, 31, 33 e quantas tiverem vamos estar aí”, pretende.

Texto: Misto Quente Comunicação

Fotos: Misto Quente Comunicalção; Divulgação Novo Rally e Ângelo Savastano/Divulgação IOR


Voltar

Todos os direitos reservados.