‘Missão impossível’?

  A derrota para o Novorizontino por 2 a 0, em casa, no último sábado, dia 18, foi a gota d’água. O técnico Beto Sousa foi demitido pela diretoria do Tupi depois de dois meses e meio no cargo, sem conquistar nenhuma vitória. Após a demissão, o Carijó anunciou, nesta segunda, dia 20, através de suas redes sociais, o retorno de Ademir Fonseca, velho conhecido do torcedor.

Ademir Fonseca é o novo treinador do Tupi

  Em breve pronunciamento, o novo treinador classificou a missão no Tupi como “praticamente impossível”. Mas, Ademir também disse acreditar na salvação do Galo na Série D. “Acredito que com a colaboração de todos, com a união de grupo, nós podemos buscar uma classificação, que é praticamente impossível. Vamos lutar muito, trabalhar esses dois dias, conversar bastante e tentar extrair o melhor dos atletas para que eles possam desenvolver o melhor futebol. Já já estaremos juntos” , disse Fonseca que será apresentado oficialmente pelo clube na manhã da próxima quarta, dia 22.

De volta

  Para aquela que será sua terceira passagem no Tupi, Ademir Fonseca traz boas lembranças. Em 2010, última vez que esteve em Santa Terezinha, o treinador classificou o Tupi para a segunda fase da Série D. Na oportunidade, o Galo caiu diante do Uberaba no primeiro mata-mata, após avançar em um grupo que contava também com Madureira-RJ, CENE-MS e Botafogo-SP.

Beto foi demitido do comando técnico do Carijó

  Mas, Fonseca não comandou o time nas partidas eliminatórias, deixando o Alvinegro para se transferir para o Vila Nova-GO. Léo Condé ficou o cargo então. Após a saída do Tupi em 2010, Ademir acumulou também passagens de destaque por Fortaleza, Goiás, Oeste, CRB e Uberlândia. No alviverde, o treinador viveu momentos de tensão nesta temporada. Um infarto acometeu o comandante logo após uma vitória sobre o Serranense por 3 a 0, no dia 17 de março. Recuperado, ele conduziu a equipe ao Módulo 1 do Campeonato Mineiro de 2020.

Nenhuma vitória

Classificação do Grupo A14 da Série D

  Antes de enfrentar o Itaboraí no último dia 11, pela segunda rodada da Série D, o técnico Beto Sousa já balançava no papel de comandante do Tupi. Segundo apuração do Toque, a diretoria já havia decidido pela demissão do treinador caso o Tupi perdesse aquela partida. O empate por 0 a 0, com uma atuação que desagradou muito o torcedor, deu sobrevida a Beto no cargo.

  Após uma semana de trabalho, a derrota para o Novorizontino por 2 a 0, no Estádio Mário Helênio, tornou insustentável a permanência de Beto no comando. Ele foi demitido no domingo, dia 19, após 80 dias à frente do Tupi. No total, foram seis jogos, com um empate e cinco derrotas, além de três gols marcados e 13 sofridos.

Balanço

  Na análise de um passado recente, chama atenção a quantidade de treinadores que estiveram à frente do Tupi. Desde o início de 2018, sete técnicos dirigiram o alvinegro em 47 jogos. Com uma média de troca no comando a cada oito jogos, o retrospecto é de 11 vitórias, 9 empates e 27 derrotas nesse período. Em 2019, são 15 jogos, com 5 empates,  10 derrotas e nenhuma vitória.

Texto: Toque de Bola

Fotos: Toque de Bola; Rodrigo Villalba/Memory Press; Confederação Brasileira de Futebol

Arte de capa: Toque de Bola

Deixe seu comentário