Depois de duas quedas, Tupi joga o futuro do futebol via Série D

  Após duas quedas consecutivas, na Série C do Campeonato Brasileiro em 2018 e no Campeonato Mineiro de 2019, o Tupi estreia na Série D neste domingo, dia 5, às 16h, contra o Hercílio Luz, em Tubarão (SC).

Ademilson está de volta ao Galo Carijó

  Com um elenco reformulado antes e durante o Estadual, após a troca de comando técnico e administrativo, o Carijó divulgou a relação de atletas que estarão em campo defendendo o alvinegro no torneio nacional.

  Entre idas, vindas e retornos, o clube conta com 11 novos nomes em relação ao plantel do fim do Mineiro, enquanto 21 jogadores permaneceram.

  Entre as chegadas, o destaque é o retorno do atacante Ademilson e do volante Marcel, bastante conhecidos do torcedor alvinegro, que defenderam o rival Tupynambás no primeiro semestre. Já entre os que permaneceram, a torcida comemorou o “fico” do goleiro Ricardo Vilar, que, mesmo com os descensos, foi destaque do Tupi nas últimas campanhas.

Vale o calendário

Jogos da Chave do Tupi (Grupo A14) na Série D. Itaboraí x Novorizontino já foi antecipado para 15h. Clique na arte para ampliar a imagem

  Em função da queda do clube no Campeonato Estadual, o Tupi só terá certeza de calendário “cheio”  em 2020 caso conquiste o acesso à Série C da próxima temporada com uma boa campanha via disputa da Série D. Caso não termine entre os quatro primeiros colocados e não obtenha essa vaga, a única competição oficial do Carijó na próxima temporada será o Módulo 2 do Campeonato Mineiro.

  Essa possibilidade tem tirado o sono do torcedor alvinegro, preocupado com os destinos do futebol do clube depois de duas desastrosas temporadas.

 

 

 

Regulamento

  Veja o texto da CBF mo trecho que detalha a fórmula de disputa da competição:

Já está por dentro dos jogos do Tupi na Série D? Clique na arte para ampliar a imagem

Art. 9º – O Campeonato será disputado em 6 (seis) fases: na Primeira Fase os 68 (sessenta e
oito) clubes formarão 17 (dezessete) grupos de 4 (quatro) clubes cada, de onde se
classificarão 32 (trinta e dois) clubes para a fase seguinte: os primeiros colocados de cada
grupo (total de 17 (dezessete)) mais os 15 (quinze) melhores segundos colocados; daí em
diante os clubes se enfrentarão no sistema eliminatório (“mata-mata”) até ser conhecido o
campeão, observada a seguinte sequência de fases:
1) Primeira Fase: 68 (sessenta e oito) clubes, distribuídos em 17 (dezessete)
grupos de 4 (quatro) clubes cada;
2) Segunda Fase: 32 (trinta e dois) clubes, distribuídos em 16 (dezesseis) grupos
de 2 (dois) clubes cada;
3) Terceira Fase (oitavas-de-final): 16 (dezesseis) clubes, distribuídos em 8 (oito)
grupos de 2 (dois) clubes cada;
4) Quarta Fase (quartas-de-final): 8 (oito) clubes, distribuídos em 4 (quatro) grupos
de 2 (dois) clubes cada;
5) Quinta Fase (Semifinal): 4 (quatro) clubes, distribuídos em 2 (dois) grupos de 2
(dois) clubes cada;
6) Sexta Fase (Final): 2 (dois) clubes em 1 (um) grupo.

Caiu… duas vezes!

  As nuvens negras pairam sobre Santa Terezinha desde o fim de 2018. Após o título do Campeonato Mineiro do Interior naquela temporada, o clube foi, surpreendentemente, rebaixado na Série C. A péssima campanha no torneio nacional culminou com o nono lugar no grupo B, com seis vitórias, dois empates e dez derrotas.

Beto Sousa assumiu o comando do Tupi no final do Mineiro

  Na tentativa de reerguer o clube em 2019, a diretoria promoveu uma reformulação baseada em parcerias. Então diretor de futebol, Nicanor Pires montou o elenco com base em jogadores do grupo paulista Taveira Sports Group, que agencia atletas, e do escritório do ex-jogador André Luiz, com sede em Belo Horizonte. Sem sucesso dentro de campo, a cúpula Carijó promoveu novas alterações com o Mineiro ainda em andamento.

  Dessa vez, além do elenco, a gestão do futebol foi completamente modificada. Além de Nicanor, outros 11 funcionários foram demitidos, entre atletas e comissão técnica. André Luiz assumiu como consultor de futebol e trouxe Beto Sousa para ser o novo comandante da equipe, além de diversos atletas.

O que passou, passou

  Goleiro do Tupi desde 2017, Ricardo Vilar acompanhou a trajetória de altos e baixos de perto. Com um “quase acesso”, título do interior e dois rebaixamentos, o atleta acredita na recuperação e confia no trabalho do grupo para fazer uma boa Série D.

  “Cheguei a um quase acesso em 2017, mesmo jogando pouco naquela oportunidade, tive um título do interior e depois os dois rebaixamentos. Tenho certeza que está sendo feito um planejamento para a Série D, colocando jogadores experientes, com lastro de jogo, identificação com a torcida e conhecimento do campeonato. A tendência é que se nós colocarmos em prática aquilo que vem sendo pedido, nós voltemos a ser competitivos, o que não aconteceu, ao meu ver, no Campeonato Mineiro”, disse Vilar.

Marcel também está de volta ao Tupi para a disputa da Série D

  Também muito identificado com a torcida Carijó, Marcel, campeão da Série D com o Galo em 2011, conversou com o Toque de Bola. Sobre a crise financeira e administrativa do clube que culminou no rebaixamento, o volante disse que o grupo deve “esquecer o que passou e focar dentro do campo”.

  “Temos que esquecer tudo o que passou. É difícil, porque o rebaixamento marca a vida de um jogador, mas acho que temos que esquecer. Os jogadores que permaneceram após o descenso podem conseguir um acesso e colocar o Tupi na Série C. Vamos pensar pra frente e fazer o melhor pra conquistar esse acesso”.

“Sangue pela camisa”

  De volta ao clube após três anos, Ademilson é a novidade mais recente do Tupi para a Série D. O atacante de 44 anos foi anunciado na quinta-feira, dia 2, e já treinou com o grupo na manhã de sexta. Ele ainda não teve a documentação regularizada e portanto não faz o jogo de estreia do Carijó na Série D. Em entrevista coletiva, Adê disse não guardar mágoa e espera um grande campeonato por parte do Tupi.

  “Tudo tranquilo. Nunca tive mágoa do Tupi, o que ficou no passado é passado e agora é bola pra frente. Espero que seja excelente para nós, que possamos estrear lá com o pé direito e aqui fazer o dever de casa e conseguir mais um acesso”, disse o atacante.

Ademilson, ao lado do quase recuperado Daniel Morais; ambos desfalcam o Tupi contra o Hercílio Luz

  Questionado sobre o perfil de contratação recente do clube, que priorizou a manutenção e chegada de atletas identificados com o Tupi, Ademilson disse que vê como positiva essa medida.

  “É muito importante. São jogadores que têm identificação com a torcida, como é o caso do Marcel e o meu, até porque já me considero um juiz-forano. Com certeza nós vamos dar sangue pela camisa e é por isso que considero essas presenças tão importantes”, completou. 

Provável escalação

  Para a estreia, o Tupi tem vários desfalques. Além de Ademilson, ainda não regularizado, o volante Baiano está fora do jogo após ser expulso no jogo da Copa do Brasil diante do Santa Cruz-RN. Matheus Mega, Pablo, Cleiton, Gabriel Tchó Tchó e Washington estarão com a equipe sub-20 em Pouso Alegre para o Campeonato Mineiro da categoria e também desfalcam o Carijó.

  No departamento médico, o atacante Daniel Morais e o zagueiro Arthur Sanches estão em fase final de recuperação. Além deles, segundo o clube, o lateral direito Afonso está “com algumas particularidades e aproveitou para tratar uma lesão crônica, ainda sem previsão de retorno”. Afonso ficou fora de quase toda a campanha do Campeonato Mineiro e da Série C em 2018 por conta de uma fascite plantar no pé esquerdo. O Tupi não confirmou se a lesão é a mesma da temporada passada.

  Sendo assim, a provável escalação do Tupi do técnico Beto Sousa tem Ricardo Vilar, Thiago Ryan, Adalberto, Guilherme Canela, Lucas Sampaio; Max Carrasco, Marcel, Hugo Rodrigues; Gabriel Costa, Juninho (ou Wellington Sabão) e Felipe Fidêncio.

A lista

O Toque de Bola apresenta o elenco Carijó ao torcedor e mostra quem chega e quem permaneceu do grupo que terminou o Campeonato Mineiro. 

Quem fica?

Comissão: André Luiz (consultor), Beto Sousa (técnico), Tarso Guarino (auxiliar), Jonas Neves (preparador físico), Celso Boró (roupeiro), Leonardo Fortuna (médico), Hélio Fadel (médico), Thales Groppo (médico), Juan Mendes (fisioterapeuta), Adeil Souza (massagista), Júnior Ayupe (analista de desempenho);

Goleiros: Ricardo Vilar, Paulo Vitor;

Zagueiros: Arthur Sanches, Guilherme Canela, Thiago Duchatsch, Matheus Mega;

Laterais: Afonso, Lucas Sampaio, Pablo, Cleiton;

Volantes: Baiano, Gabriel Tchó Tchó, Pedrinho, Luiz Fernando;

Meio-campistas: Hugo Rodrigues, Leandro Brasília, Max Carrasco;

Atacantes: Gabriel Costa, Washington, Daniel Morais, Marcus Vinícius;

Elenco se reuniu antes do último treino que precede a estreia na Série D

Quem chega?

Comissão: Negrette Silva (preparador de goleiros) e Luiz Augusto (fisiologista);

Goleiros: Bruno Hargreaves, Davyd Sena;

Zagueiros: Adalberto, Lucas Tavares;

Laterais: Thiago Ryan, Marco Tulio;

Volantes: João Vitor;

Meio-campistas: Marcel;

Atacantes: Wellington Sabão, Juninho, Felipe Fidêncio, Ademilson.

Texto: Toque de Bola

Fotos: Toque de Bola

Artes: Toque de Bola, com informações do site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)

Deixe seu comentário