Dupla do Panathlon Club JF recebe homenagem em SP pelo trabalho no xadrez escolar

Professores de xadrez escolar juiz-forano recebem homenagem

  Juiz de Fora sediará, em abril, o Festival Nacional da Juventude, correspondente ao Campeonato Brasileiro de Xadrez das categorias sub-16 e sub-18. Entre os dias 18 e 21 do próximo mês, os destaques da modalidade no país estarão na cidade, mas já tem gente envolvida com peças e tabuleiros na Princesa de Minas recebendo distinções.

  Nesta quinta, dia 28, três professores locais que militam na modalidade estarão na Câmara Municipal de São Paulo para receber uma homenagem por contribuírem para o desenvolvimento dos chamados esportes da mente.

  Leandro Conti, Carlos Heli Lousada Brandão e Simone Lima serão os juiz-foranos agraciados por indicação da Confederação Brasileira de Xadrez Escolar (CBXE) e do Centro Brasileiro de Esportes da Mente (Cebem). Leandro e Heli são associados do Panathlon Club Juiz de Fora.

Serviços prestados

Leandro e a filha enxadrista, Isabella

  Leandro é diretor do Sistema X de Xadrez Escolar, foi diretor geral do Campeonato Mundial de Xadrez Escolar, sediado em Juiz de Fora em 2014. É autor de quatro livros didáticos sobre o esporte e foi convocado três vezes como técnico da Seleção Brasileira de Xadrez nos Jogos Escolares Sul-Americanos.

  O treinador tem como sua principal aluna a filha, Isabella Conti, de 16 anos, campeã mineira e brasileira sub-16 e terceira colocada no Sul-Americano com o Brasil, tendo vencido sua divisão.

  Carlos Heli Brandão é professor de xadrez há sete anos, também atua como diretor do Sistema X e é profissional de educação física.

  Simone Lima é professora do município de Juiz de Fora, coordenadora do projeto Xadrez sem Grades na Escola Municipal Gabriel Gonçalves.

 Incentivo e transformação

 “É uma honra receber esta homenagem que abrange todo o país. Os esportes da mente vêm ganhando espaço, principalmente nas escolas, como ferramenta para desenvolvimento cognitivo das crianças. As iniciativas do Cebem e da CBXE relativas ao estímulo dessas modalidades nas escolas são inovadoras e cada vez mais intensas. A distinção é combustível para nos dedicarmos cada vez mais aos projetos ligados ao xadrez escolar”, resume Conti.

Carlos Heli (à esquerda) com Cláudio Esteves, em reunião do Panathlon Club Juiz de Fora

  “Ser homenageado por qualquer coisa que você faz já é muito legal. Quando isso é feito por uma paixão, pelo esporte que você é apaixonado, joga e vive, é uma emoção maior ainda. Indescritível. Poder passar para crianças o que o meu pai me passou quando eu era pequeno, fazendo me apaixonar por esse jogo que é mais que um jogo, vê-las melhor e evoluir, não tem preço. A transformação deles através do xadrez é fantástica”, considera Carlos Heli.

Trabalho de base

   O futuro promissor e o presente de ações em Juiz de Fora no esporte estimulam: “A cidade já se destaca no xadrez há alguns anos, vamos evoluir e trazer outras modalidades para as escolas. Além das tradicionais escolas particulares da região, a Secretaria de Educação desenvolve um projeto contínuo de formação de professores de xadrez em parceria com a Arcelor Mital e com o Sistema X. Na rede municipal, já atendemos mais de 600 alunos, com o xadrez nas escolas de tempo integral”, explica Leandro.

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Toque de Bola e Panathlon Club Juiz de Fora

 

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário