Bastidores! Saída de Felipe Surian pega todos de surpresa no Tupynambás

Após manter em segredo sua saída, Surian foi confrontado

  Pode-se dizer que a saída do técnico Felipe Surian do Tupynambás para o Joinville pegou todos no clube juiz-forano de surpresa, no contrapé. Isso porque, antes do final da derrota por 2 a 0 para o América, no sábado, dia 9, em Belo Horizonte, ninguém além do auxiliar Osmar Coelho – que seguiu como treinador para Santa Catarina – sabia da negociação, muito menos do acerto com os catarinenses.

  Fontes ligadas à direção do Baeta afirmam que logo após a apito final do jogo contra o Coelho os dirigentes souberam, através da imprensa, do acerto de Surian com o Joinville e sua consequente saída do Tupynambás. Ainda segundo pessoas próximas à diretoria, ao final da partida, Surian foi confrontado com as informações e não teve como negar a transferência.

Clima tenso

  Informações de bastidores também dão conta de que o clima ficou tenso no vestiário do Tupynambás após o vazamento da saída de Surian. Dirigentes do Baeta cobraram de maneira ríspida o treinador, que também reagiu. Somente após bate-boca Felipe chamou jogadores – alguns até mesmo já haviam deixado o Independência – e o restante da comissão técnica para anunciar sua saída.

  Segundo as fontes ouvidas pelo Portal Toque de Bola, o clima no vestiário era de mal-estar, tensão e incredulidade no momento da despedida de Surian. De acordo com pessoas ligadas ao clube, o sentimento no Baeta é de que a direção foi traída pelo treinador, embora os diretores reconheçam que essa não é uma situação inédita no futebol brasileiro. Entre os dirigentes, segundo fontes, a sensação é de que, caso Felipe tivesse conversado abertamente sobre a proposta, tudo poderia ser conduzido de maneira mais tranquila, inclusive a contratação de seu sucessor.

Elenco ficou supreso, e Caldiron (em pe, na extrema direita) é alternativa

Tempo curto

  Em meio ao turbilhão de emoções, a diretoria trabalha com três nomes para substituir Surian no restante do Campeonato Mineiro. O clube tem mais dois jogos na fase de classificação: dia 17 de março, contra a Caldense, em Poços de Caldas; e dia 20 de março, contra o Atlético, em Juiz de Fora. Se avançar entre os oito melhores times do Estadual – atualmente é o quinto -, o Baeta joga as quartas de final em jogo único e só terá mais outras duas partidas se chegar à semifinal, fazendo jus a mais duas se avançar à finalíssima da competição. Após o torneio, o Tupynambás não tem mais calendário em 2019.

  Por conta do pouco tempo de contrato e a dificuldade caso um treinador completamente alheio à situação do time juiz-forano assuma, todos os três nomes já conhecem o elenco, segundo as fontes consultadas. Mas, o principal problema é que os profissionais estão empregados. A solução ventilada é conseguir um treinador por empréstimo. Um outra possível saída, com chances remotas, seria alçar o preparador físico Luiz Carlos Caldiron ao cargo de treinador.  

Texto: Toque de Bola – Wallace Mattos

Fotos: Facebook Tupynambás FC e Patrocínio Photo Studio/Tupynambás FC

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário