Ailton: “Nunca fiquei sem vencer por tanto tempo. Esse jogo vai dizer tudo”

 

Léo Felipe foi uma das novidades no time titular contra o Villa Nova

 Será que neste sábado o Tupi “estreia” para valer no Campeonato Mineiro? O Carijó encara a Caldense, pela quinta rodada, neste sábado, às 16h30, no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, em Juiz de Fora. Após empatar em 1 a 1 com o Villa Nova, também em casa, o alvinegro juiz-forano, na penúltima colocação, precisa muito vencer a Veterana na partida que é tratada como decisão pelo técnico Ailton Ferraz. 

Ainda é tempo!

“Ainda está nas nossas mãos”. Foi assim que o comandante do alvinegro classificou a situação do clube dentro da competição. “Esse jogo (contra a Caldense) vai dizer tudo, realmente onde vamos chegar. Já passei dificuldade maior do que essa, e sempre conseguimos sair. O que tiver que ser feito para não deixar o Tupi passar essa situação tão ruim, vamos fazer”, finalizou. O Carijó ocupa a 11ª colocação na tabela, com dois pontos conquistados e -6 gols de saldo.

“Nunca passei por uma situação dessas, de ficar sem vencer por tanto tempo. Mas estou confiante de que vamos acertar. A hora tem que ser sábado, dessa bola entrar constante. Para sairmos dessa dificuldade. Ainda está nas nossas mãos. Na primeira vez, não conhecia ninguém. Deste grupo, conheço bastante dos atletas que têm aqui. O importante é tirar o peso deles, para irmos para essa decisão no sábado. Esse jogo (contra a Caldense) vai dizer tudo, realmente onde vamos chegar. Já passei dificuldade maior do que essa, e sempre conseguimos sair. O que tiver que ser feito para não deixar o Tupi passar essa situação tão ruim, vamos fazer”

Sem gás?

 

Classificação do Mineiro 2019

O Carijó vem sofrendo com o preparo físico dos atletas. Nas últimas três partidas, vários jogadores desabaram em campo, principalmente durante o segundo tempo. O tema é motivo de preocupação do técnico Aílton Ferraz e foi pauta na entrevista coletiva da última quarta, 30, após o empate, por 1 a 1, diante do Villa Nova, em Juiz de Fora.

  “A parte física, na pré-temporada, foi muito boa. A gente vai conversar, já começamos isso. Temos que ver, no individual, porque não conseguem. O Saulo estava arrebentando, criei toda situação para tentar ganhar o jogo em cima dele. Aí me veio a notícia de que ele estava cansado. Fiquei com o Nélio, que era um risco; o Gabriel com uma lesão; e preso para poder fazer uma substituição mais ousada. Mas temos que avaliar bem isso porque não pode, tão jovens, não conseguirem terminar um jogo inteiro”, disse Aílton.

  Troca

A pré-temporada citada pelo treinador foi desenvolvida pelo preparador físico Tiago Melsert, que já não ocupa mais o cargo no clube. Tiago recebeu uma proposta do Corinthians para integrar a comissão técnica da equipe sub-15 e indicou Rodrigo Dias, que trabalhou na base do Botafogo até 2013 e estava há quatro anos no Tigres do Brasil.

Questionado sobre o possível motivo de tamanho desgaste, Aílton disse que acredita ser algo particular de cada atleta, e que a busca pelo equilíbrio é fundamental para que o Tupi evolua. “O Nardine acaba inteiro; o Thiago que estava sem jogar acabou inteiro; o Léo (Felipe, titular da lateral-direita pela primeira vez) terminou. Acho que isso é muito de cada atleta. O Saulo mostrou isso, o Gabriel. Ambos têm dificuldade de terminar o jogo. Mas são atletas que se cuidam bastante, não estamos preocupados com o extracampo. Nossa preocupação é eles estarem inteiros, porque assim nos ajudarão a sair dessa situação por fazerem a diferença quando estão bem”.

  Novidades

 

Campeonato Mineiro 2019: jogos da quinta rodada

O atacante Romarinho foi anunciado na última terça e já iniciou os trabalhos de condicionamento físico junto ao preparador Rodrigo Dias. Empolgado com o retorno, o atleta disse estar preparado para ajudar quando for preciso. O nome do atleta foi publicado na tarde desta sexta-feira no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF.

  O volante Pedro Vitor, por outro lado, foi inscrito pelo clube e está à disposição de Aílton para a partida diante da Caldense. Pedro tem 20 anos e passou pela base de São Paulo, Palmeiras e Goiás. O atleta chegou ao Tupi durante a Série C do ano passado, mas passou o segundo semestre apenas treinando com o elenco.

Provável formação do Tupi: Vilar; Léo Felipe, Thiago, Aislan e Emerson; Nardini e Baiano; Saulo, Nélio e Gabriel; Chub (Marcus Vinícius).

Veja outras declarações do treinador do Tupi numa entrevista coletiva em que ele admitiu o mau momento da equipe, com dois empates e duas derrotas no Estadual, e ainda sem ter enfrentando os dois adversários de maior investimento, Cruzeiro e Atlético.

Cartas “presas”

“Tive que guardar o Marcus até saber que estava todo mundo bem para terminar. O Nélio não jogava há dois meses. Conseguiu ir até o final, por ser experiente e pegar mais os atalhos do campo. Mas, sem dúvida as contusões prejudicaram bastante. Ficamos apenas com uma opção para tentar ganhar o jogo. Mas não vamos colocar a culpa só nisso. A verdade é que nosso momento é muito difícil. E temos que tentar dar a volta por cima. O trabalho cabe a mim”

Momento de união

“Você fica pensando: como é que essa bola não entrou? Quando o momento não está bom, a bola fica difícil até para entrar. Mas se a gente continuar trabalhando certo, se ajudando, o momento é de se dedicar, ver onde está errando, ver o vídeo, estudar o adversário. O momento é de união. Juntos somos melhores. Para, no sábado, vencermos. Se conseguirmos isso, damos um bom salto. Mas do jeito que estamos indo, nos arrastando, fica mais complicado de sair dessa situação depois”

  “Vi bem a Caldense”

“Todo time que vier jogar aqui, vai se fechar, sair no contra-ataque e tentar levar um ponto. Cabe a nós conseguirmos a vitória. Isso nos fará subir bastante. Já vi bem a Caldense. Vamos levar isso para dentro do campo, para tentar neutralizar os pontos fortes e explorar as deficiências. Vamos avaliar, ver vídeo e trazer isso para dentro do campo. E a bola entrar facilita bastante. Mas para ela entrar a gente tem que estar muito bem”

  Jogos consecutivos

“Nem respiramos direito. Mas em um momento como esse, isso é bom. Ter um jogo atrás do outro. Nos dá chance de recuperar rapidamente”

  Experientes contra a pressão

“Estou tentando tirar essa pressão dos atletas. Por eles serem muito jovens. A entrada do Brasília ia dar uma sustentação bem bacana, pena que ele sentiu. É um cara experiente, o Nélio também. Nisso a gente ia trazer mais a responsabilidade para os mais rodados, Infelizmente, com o Brasília não podermos contar. A sorte está remando contra. Infelizmente tem hora que é assim. O Brasília sentiu a mesma lesão. Esse era o grande medo nosso. Mas, por precisarmos dele, foi um risco em conjunto”.

“Falei para eles que quem não quiser ter pressão, que fique em casa. Vamos ter que passar por cima disso. Tenho dado toda moral para eles fazerem o que sabem. Disse que se permaneceram no grupo, são importantes para ele e sabem jogar. Mas é um trabalho árduo. É ser humano. Você não pode entrar dentro dele. Tento entrar na mente. É complicado, mas nós vamos conseguir. Não vou desanimar, o grupo não vai desanimar. O Tupi é muito grande para ficarmos nesse sofrimento já no começo do campeonato”

Saudades de Hugo

“O único meia que contávamos era o Hugo. Se ele estivesse conosco, o time seria outro. Tive que adaptar dois volantes para jogar no 4-3-3. Tentamos, a coisa foi se arrastando. E nesse jogo tivemos um meia. O cara que empurra a bola, mas ainda é aquilo, está meio fora de forma. Tivemos que arriscar, ele aceitou o risco. Foi bem, lutou correu bem. Com a sequência, o Nélio vai ajudar bastante”            

 

Texto: Toque de Bola

Foto: Tupi 

 

Deixe seu comentário