Finalíssima! Tupynambás e Guarani decidem o Módulo 2 do Mineiro

 

Redes sociais do Toque de Bola informam andamento da finalíssima do Módulo 2 do Campeonato Mineiro 2018

Depois de conquistar o acesso à elite do futebol mineiro, o Tupynambás quer fechar a disputa do Módulo II do Campeonato Mineiro com o título. Para isso, como perdeu a primeira partida por 1 a 0 para o Guarani, no dia 28 de abril, em Juiz de Fora, o Leão do Poço Rico precisa vencer o mesmo adversário por dois gols de diferença no jogo de volta da decisão, neste sábado, dia 5, no Farião, em Divinópolis, às 15h.

  Se precisa balançar as redes do adversário, nada melhor do que contar com o artilheiro interminável Ademilson que, aos 43 anos, ainda tem fome de gol e traça a estratégia para conquistar o título do Módulo II. “Temos totais condições de ir para lá e reverter a situação. Claro que não podemos sair de qualquer jeito, porque o time deles tem qualidade. Mas se conseguirmos marcar no primeiro tempo, já retiramos a vantagem deles”, projeta o camisa 9 do Baeta.

Inspiração no acesso

  Para Ademilson, o Baeta tem que tomar como exemplo o confronto do acesso. Depois de empatar em 0 a 0 com o América de Teófilo Otoni em Juiz de Fora, o Tupynambás foi para o segundo jogo – que definiria quem iria subir para o Módulo I e um dos finalistas da Segundona Mineira – com a desvantagem de não poder empatar.

  Mesmo levando o 1 a 1 no segundo tempo, o time juiz-forano foi buscar o gol na vitória, com Ademilson, nos minutos finais.  “Vamos com a mesma dedicação, focados, como fizemos com o América-TO para podermos trazer esse caneco para Juiz de Fora”, garante o centroavante.

Mudança no Leão

Filipinho é dúvida

  Para o jogo decisivo de sábado, o técnico do Tupynambás, Guiba, não sabe se irá poder contar com o meia titular Felipinho, sentindo uma pancada na coxa direita. Wilson é o favorito para assumir a vaga no meio de campo.

  Satisfeito com a performance do Guarani no primeiro jogo, o comandante do Bugre de Divinópolis, Gian Rodrigues, deve mandar a campo o mesmo time do primeiro embate da decisão do Módulo II.

Arbitragem na mira

Arquibancada do Estádio Mário Helênio no primeiro encontro entre Baeta e Guarani

  Na quarta, dia 2, a diretoria do Tupynambás emitiu nota oficial questionando a arbitragem da primeira partida da decisão, em Juiz de Fora. Segundo as questões levantadas no documento, o árbitro Flávio Henrique Coutinho Teixeira, deixou de assinalar um pênalti para o Baeta, e a penalidade máxima que definiu o resultado de 1 a 0 para o Guarani não existiu.

  O diretor executivo do clube juiz-forano Alberto Simão esteve na sede da Federação Mineira de Futebol (FMF) para mostrar os lances ao presidente da comissão de arbitragem da entidade, Giuliano Bozzano. Apesar da irritação do Baeta, o documento termina com a afirmação de que o clube confia na arbitragem mineira e se coloca à disposição para contribuir com a diminuição dos erros.  

GUARANI-MG x TUPYNAMBÁS

Farião – 15h

Árbitro: Wanderson Alves de Souza, auxiliado por Ricardo Junio de Souza e Pablo Amieda Costa.

Quarto árbitro: Gabriel Murta Barbosa Maciel.Quinto árbitro: Fernanda Nandrea Gomes Antunes.  Árbitro assistente adicional 1: Emerson de Almeida Ferreira. Árbitro assistente adicional 2: Antônio Márcio Teixeira da Silva. Instrutor: Giulliano Bozzano

Guarani: Leandro Henrique, Ricardo Luz, Eduardo Mancha, Wagner e Thiago Balaio; Kauê, Alemão e Leomir; Paulo Morais, Thiers e Pedrinho. Técnico:         

Tupynambás: Glayson, Catatau, Adriano, Vinícius e Lucas Hipólito; Gustavo, Brayan e Wilson (Filipinho); Yan, Richard e Ademilson. Técnico: Guiba 

 

Texto: Toque de Bola

Fotos: Toque de Bola e Léo Comello para o Toque de Bola

Artes: Toque de Bola

Deixe seu comentário