Reservas perdem e Aílton desabafa: “Dói ver o cara com a camisa do Tupi vibrando com gol do adversário”

 O Tupi foi derrotado por 3 a 2 para o Bragantino neste sábado, 09, e mesmo atuando com um time quase totalmente formado por reservas, o torcedor Carijó ficou na bronca. Na volta do intervalo, comandante alvinegro chegou a conversar com alguns torcedores que estavam próximos do banco de reservas da equipe, pedindo para que eles apoiassem, ao invés de torcer contra.

“Não podemos generalizar. Sabemos que a maioria torce a favor. Mas o que dói é ver o cara com a camisa do Tupi gritando ‘olé’, vibrando com o gol dos caras. Acho isso uma falta de respeito com a entidade, com os atletas e com os torcedores. O verdadeiro torcedor vai até o final. Se aí não der certo, pode cobrar. A cobrança tem que existir. O teor da conversa foi: ‘Foca que já estamos classificados. Ninguém está entregando nada. Estamos batalhando e infelizmente não está acontecendo. Você só fala coisas negativas’. Foi um papo bom, o restante entendeu. Jamais vou agredir um torcedor. Mas a pior agressão que existe para um ser humano é uma fala mal colocada, o que sai da sua boca. Saíram muitas coisas hoje que feriram a gente, principalmente eu, fiquei muito ferido com isso. Algumas palavras duras, de que aceitou dinheiro, ‘time de mercenário’. E não existiu isso. Meu grupo nunca vai aceitar dinheiro de espécie alguma. Agora o foco maior nosso é na maioria, que estão felizes e sabem da campanha. Não vou criticá-los por causa de uma minoria” afirmou Aílton Ferraz.

Classificação final do grupo B

Para a última rodada da primeira fase da série C o Tupi entrou em campo já classificado às quartas de final, enquanto os rivais de Bragança precisavam vencer e contar com um tropeço do Macaé para se livrar do rebaixamento. E foi o que aconteceu. O time bateu o Tupi e o Macaé empatou por 0 a 0 com a Tombense. Com esse resultado o time de Bragança deixou a degola, pulou para a oitava posição com 21 pontos e permanece na série C. Já o Tupi se manteve na segunda colocação do grupo B com 28 pontos. Na próxima fase o clube enfrenta o Fortaleza, e por ter terminado em segundo, tem a vantagem de decidir a partida de volta em casa.

 Os outros confrontos do mata-mata serão Sampaio Corrêa x Volta Redonda, São Bento x Confiança e CSA x Tombense.

 Foram rebaixados Moto Club, ASA, Macaé e Mogi Mirim.

 

Classificação final do grupo A

Neste jogo, o Carijó preferiu poupar o time para não perder jogadores por suspensão pelo terceiro cartão. Com isso Aílton escalou um time com nove mudanças, deixando apenas o zagueiro Fernando e o meia Andrey – que são considerados titulares – na formação inicial. Sem contar que os volantes Marcel e Leandro Brasília estavam suspensos para esta partida.

O jogo

Não deu nem tempo de entrar no jogo e logo aos 2 minutos o Tupi abriu o placar. Após jogada de Johnatan, o centroavante Rafael Teixeira bateu rasteiro no canto, fazendo 1 a 0 para os donos da casa.

O jogo começou a todo vapor e o Bragantino em desvantagem, partiu pra cima do Carijó, e logo aos 15′, conseguiu o empate com Matheus Peixoto, 1 a 1.

Com a igualdade no marcador, a partida ficou parelha, os dois times tentavam criar, porém, sem chances claras de gol. Aos 33′, o zagueiro Gilberto do Bragantino, subiu mais alto que a zaga do Tupi e virou o jogo, 2 a 1 para o Bragantino.

As duas equipes continuaram com o ritmo até o final do primeiro tempo. Após o apito do árbitro, o Tupi foi para o vestiário com sob vaias da torcida, que não gostou da atuação do time.

Segunda etapa

O técnico Ailton promoveu uma substituição logo na volta do intervalo, com o centroavante Ítalo no lugar do lateral Afonso. Com isso, Jonathan que estava atuando no meio campo, voltou para o lado direito da defesa, que é sua posição de origem. Perdendo o jogo o Carijó tentou avançar com dois atacantes espetados, mas continuava pecando nos passes no campo de ataque.

Os donos da casa tinham dificuldade em trabalhar a bola, enquanto o Bragantino utilizava a velocidade para contragolpear. Aos 23′ em mais uma jogada de bola parada, o Massa Bruta chegou ao terceiro gol com Guilherme. Após boa cobrança de escanteio, o zagueiro ganha da defesa e marca o terceiro, 3 a 1 para os visitantes.

A partir daí o jogo ficou morno, o time do interior paulista fazendo cera para gastar o tempo e manter a vantagem. O Tupi aumentou a pressão com a entrada de Romarinho na vaga de Juninho. E aos 41′ o filho do craque fez o segundo do Galo Carijó e diminuiu.

Já no fim do jogo o árbitro concedeu cinco minutos de acréscimos. A equipe da casa até tentou empatar, mas o resultado adverso permaneceu até o fim. O Bragantino venceu por 3 a 2 e se livrou do rebaixamento.

 

Confira outros trechos da entrevista do técnico Carijó.

Atuação dos reservas

“Infelizmente não conseguimos a vitória, sempre vamos trabalhar para isso, independente de titular ou reserva. Nunca falei que tenho titular, falei que tenho um grupo e tem aqueles que jogam. Mas eles estão de parabéns, porque sem ritmo de jogo conseguir ir até o final, com chances de pressão para tentar empatar. Vou focar mais nisso e não em coisas ruins. Volto a repetir: tínhamos um carimbo de que ia descer, e classificamos faltando duas rodadas. Sabemos que não ganhamos nada. O que vai brindar tudo isso, para gente poder gritar ‘valeu a pena’ vai ser subir”.

 

“Ficam a pegada e a entrega” diz Aílton

“É tirar lição desse jogo. Sabia que tínhamos que correr riscos. Eu não poderia colocar meus atletas com dois cartões amarelos, era um risco. Acho que a estratégia foi correta, confio nos meus atletas, no meu grupo. Não deu para conseguir a vitória, mas ficam a pegada e a entrega que colocaram no jogo. Fiquei muito feliz. Demos ritmo ao grupo”.

 

O resultado influencia na confiança?

“Jogamos com uma equipe considerada reserva, mas falei que o grupo é esse. Todos que estão no grupo jogaram. Se olhar no olho de cada um, vai ver a confiança de cada um. Não vai ser uma derrota quando já está classificado que vai atrapalhar o trabalho, que até agora está sendo muito bem feito. A estratégia criada foi certa, eu não poderia correr riscos de perder meus atletas com ritmo de jogo, que já estão mais rodados, experientes, para um jogo tão importante. Não foi um bom jogo, mas deram a resposta que eu queria, de entrega”.

 

FICHA TÉCNICA

Tupi 2 x 3 Bragantino

Tupi: Villar, Afonso (Ítalo), Fernando, Hélder e Juninho (Romarinho), Kalu, Bonilha e Jonathan, Andrey, Rafael Teixeira (Patrick) e Faísca. Técnico: Aílton Ferraz

Bragantino: Renan Rocha, Kellynton, Gilberto, Guilherme e Fabiano, Adenilson, Édson Sitta, Adriano (Roberto Pitio) e Rafael Chorão (Anderson Ligeiro), Marino e Matheus Peixoto (Juliano). Técnico: Marcelo Veiga

Gols: Rafael Teixeira (2’ 1º T), Romarinho (41’ 2º T) Tupi; Matheus Peixoto (15’ 1º T), Gilberto (33’ 1º T), Guilherme (23’ 2º T) São Bento.

Cartões amarelos: Hélder (Tupi); Matheus Peixoto, Kellynton (Bragantino)

Cartões vermelhos: Nenhum

18ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série C 2017

Local: Estádio Mario Helênio (Juiz de Fora)

Data: 09/09/2017

Horário: 17h

Público: 907 pagantes e 1.171 presentes. Renda R$17.940,00

Arbitragem: Nielson Nogueira Dias (PE), auxiliado por Ricardo Bezerra Chianca (PE), e Fabrício Leite Sales (PE).

Texto: Patrick Alves, estagiário do Toque de Bola, com edição e supervisão Ivan Elias, Toque de Bola

Fotos: Tupi

 

Deixe seu comentário