Desta vez decidindo fora, Fortaleza quer superar “fantasma” das quartas de final diante do Tupi

   A numerosa torcida do Fortaleza espera que o time não repita, diante do  Tupi, as campanhas dos anos anteriores. O clube caiu nas quartas de final em quatro das últimas cinco edições da Série C.

   A primeira decepção foi em 2012, quando foi superado pelo Oeste. A segunda ocorreu em 2014, diante do Macaé. Em 2015, o algoz foi o Brasil de Pelotas e em 2016 o carrasco foi o Juventude-RS.

Treinador do Fortaleza, Antônio Carlos Zago conquistou o acesso com o Juventude em 2016

  Coincidentemente, o treinador do Juventude no ano passado era o próprio Antônio Carlos Zago, que hoje comanda o Fortaleza. O técnico pode dar a receita para que o time supere esse “fantasma” das quartas de final e consiga o acesso tão sonhando pelos adeptos do Tricolor de Aço. A diferença é que o Leão vai decidir a vaga na série B 2018 atuando fora de casa.

  Com o encerramento da primeira fase da série C, os confrontos de quartas de final foram definidos e o Fortaleza enfrentará o Tupi. Por ter terminado em segundo no grupo B, o Carijó tem a vantagem de fazer o segundo jogo em Juiz de Fora. A primeira partida será neste sábado, dia 16, às 16h, no Estádio Castelão, que foi um dos palcos da Copa do Mundo de 2014, e deve receber um grande público para o duelo decisivo – o estádio tem capacidade para receber quase 64 mil torcedores.

   As campanhas são parecidas, e as duas equipes chegam ao mata-mata com bastante confiança para buscar o acesso. O Leão terminou em terceiro lugar na chave A, com 27 pontos somados. Em 18 jogos venceu sete, empatou seis e perdeu cinco vezes na competição.

  Apesar de ter conquistado a vaga, o Fortaleza passou por momentos de irregularidade. O time teve uma sequência de cinco jogos sem vencer (entre a 13ª e a 17ª rodada) e viu seu lugar no G4 ameaçado. Por esse motivo, a diretoria do clube cearense resolveu agir e trocar o treinador da equipe, mesmo faltando três rodadas para o fim da primeira fase. Paulo Bonamigo foi demitido e foi contratado Antônio Carlos Zago, ex-técnico do Internacional.

   Mesmo perdendo para o Confiança-SE fora de casa na penúltima rodada, a equipe se recuperou e garantiu a vaga com uma vitória por 1 a 0 sobre o Moto Club no último jogo, na noite de sábado, dia 9, com um gol de Ronny.

   Nessa partida, Zago escalou: Marcelo Boeck, Felipe, Edimar (Rodrigo Mancha), Ligger e Bruno Melo, Anderson Uchôa, Pablo e Leandro Lima, Everton (Ronny), Hiago e Lúcio Flávio (Paulo Sérgio).

Histórico na Série C

Torcida do Fortaleza costuma preparar grandes espetáculos no mata-mata

O Fortaleza disputa regularmente a Série C do Brasileirão desde 2010. Em sete edições, o Leão foi eliminado na primeira fase em três oportunidades: 2010, 2011 e 2013. Já em 2012, 2014, 2015 e 2016 a equipe tropeçou no mata-mata das quartas de final e não conseguiu o tão sonhado acesso.

    2012: Oeste

   Na primeira partida diante do Oeste, em Itapólis, o Leão empatou por 1 a 1. No segundo jogo, atuando no estádio Presidente Vargas com apoio de mais de 20 mil torcedores, o Fortaleza esbarrou no nervosismo e foi derrotado por 3 a 1. Nos três gols do time do interior de São Paulo houve falhas de marcação. No primeiro tento, o zagueiro Ciro Sena se atrapalhou e Jheimy aproveitou para deixar o Oeste em vantagem. Ainda na primeira etapa, Waldison empatou para os mandantes – ali parecia que a classificação estaria encaminhada. Porém na etapa complementar o Oeste se fechou e explorou os contra-ataques. Aos 25, os visitantes aproveitaram os espaços cedidos e Jheimy marcou novamente, virando a partida. Já nos acréscimos, aos 49, Serginho aplicou o golpe fatal: 3 a 1 para o Oeste. Ao fim da confronto, alguns torcedores mais exaltados com a derrota arrancaram cadeiras das arquibancadas e jogaram dentro do campo.

   2014: Macaé

  Em 2014, após empatar em 0 a 0 com o Macaé, o Fortaleza precisava novamente de uma simples vitória para subir, mas isso não aconteceu. Com o apoio de mais de 63 mil pessoas, o Leão empatou em 1 a 1 no Castelão e acabou sendo eliminado pelo gol marcado fora de casa pelos visitantes. O Macaé saiu  na frente aos 45 minutos do primeiro tempo, gol marcado por Juba, que aproveitou uma falha impressionante do goleiro Ricardo. No intervalo, os jogadores do Fortaleza foram para o vestiário sob vaias. No segundo tempo, o Leão pressionou e obrigou o goleiro Milton Raphael a fazer defesas incríveis. Aos 37, Waldison marcou e colocou fogo na partida, já que o Fortaleza precisava marcar mais um gol. O goleiro Milton Raphael, que pertencia ao Botafogo e estava emprestado ao Macaé, foi o grande destaque da classificação do time do interior do Rio de Janeiro.

  2015: Brasil de Pelotas 

   Na primeira partida, em Pelotas, o Fortaleza pressionou o Brasil de Pelotas, mas não aproveitou as chances de gol e foi derrotado por 1 a 0. No jogo de volta, novamente com mais de 63 mil presentes, o Leão  parou mias uma vez em uma boa atuação de um goleiro. Desta vez, o experiente goleiro Eduardo Martini foi o grande nome do jogo, garantindo o resultado de 0 a 0. Após o termino da partida, cadeiras do estádio Castelão foram arrancadas e arremessadas dentro de campo por torcedores, revoltados com mais uma eliminação.

  2016: Juventude

   Na primeira partida, em, Caxias do Sul, Fortaleza e Juventude protagonizaram um jogo de poucas oportunidades, que terminou empatado em 0 a 0. No Castelão, com mais de 60 mil torcedores,  a primeira parte terminou empatada sem gols. Na volta do intervalo, o Juventude abriu o placar com Hugo de cabeça. O Fortaleza pressionou e alcançou o empate em seguida com Pio. Mas o resultado não foi suficiente para o Leão, já que o time Jaconeiro anotou um gol fora de casa.

 Histórico recente

  Já faz mais de dez  anos que o Fortaleza disputou a Série A pela última vez. Foi em 2006, quando terminou na 18ª colocação.

  Jogou a Série B de 2007 a 2009. Em 2007, ficou muito perto do acesso, terminando em quinto. Em 2008, quase foi rebaixado, ficando em 16°, a uma posição da queda. Já em 2009, foi 18° lugar e caiu.

 Desde então joga a Série C e vem lutando pelo acesso. Foi quinto colocado quatro vezes (2012, 2014, 2015 e 2016), a uma posição do acesso.

 Em 2010, acabou eliminado na primeira fase do torneio, para Paysandu e Águia de Marabá-PA. Para este perdeu a vaga no saldo de gols, por dois. Em 2011 caiu na primeira fase e quase foi rebaixado, salvo por ter marcado quatro gols a mais que o Campinense-PB, que caiu.

  Em 2012, foi primeiro de sua chave e disputou o acesso contra o Oeste nas quartas de final. Após empate em Itápolis, perdeu por 3 x 1 em casa e foi eliminado. Em 2013, ficou com a quinta colocação de seu grupo na primeira fase, a um ponto de Sampaio Corrêa-MA e Treze-PB.

  Em 2014, voltou a liderar a primeira fase, com larga vantagem sobre os outros clubes. Todavia, nas quartas de fina, após dois empates, perdeu acesso para o Macaé-RJ, que fez gol fora de casa. 

   Nos dois anos seguintes, 2015 e 2016, o mesmo roteiro: decidindo em casa, com o apoio da torcida, mas sem motivos para festejar.

    Imprensa respeita Carijó

     Pela pressão de alcançar o acesso e retornar à Série B (fato que não ocorre desde 2009), os jornais locais estão tratando o confronto diante do Tupi com muito respeito.

   Jornal O Povo

   Na segunda-feira, 11, o Jornal O Povo destaca que o Leão terá de fazer uma grande vantagem contra o Tupi no Castelão. No texto, o jornalista André Almeida fala sobre a campanha irregular do Fortaleza e lembra que pela primeira vez o Leão decidirá o acesso jogando fora de casa. Na publicação, são comparadas as campanhas das duas equipes e há destaque para o desempenho do Carijó em casa, tendo seis vitórias em nove partidas. No final, o autor da publicação faz uma previsão: “A tendência é de um Tupi fechado no primeiro jogo, que vai procurar jogar nos erros do Fortaleza. O Tricolor vai precisar ter paciência e tranquilidade para vencer no Castelão, que certamente estará lotado”.

   Blog Futebol do Povo, do jornalista Fernando Graziane

   Fernando Graziane é um jornalista conhecido e especializado em futebol cearense. Em sua coluna virtual, Fernando fez uma análise detalhada sobre o Tupi. Entre os tópicos citados por ele, estão: o objetivo inicialmente do Tupi em brigar para não cair, o padrão tático que Aílton Ferraz implantou, as variações de esquema tático durante a competição e o pouco apoio da torcida de Juiz de Fora, demonstrado pelos números inexpressivos de renda e público ao longo da temporada. 

  Primeira vez 

   Coincidentemente essa será a primeira vez que Tupi e Fortaleza irão se enfrentar. Um confronto inédito definirá quem avançará a Série B. 

 

Texto com pesquisa do Toque de  Bola

Informações do site da CBF, das agências e dos sites oficiais dos clubes

Fotos: Julio Cesar / O POVO, JL Rosa / Diário do Nordeste e Deborah Cinthia/ Carlos Yuri

Edição:  Toque de  Bola

Deixe seu comentário