Querido pelo torcedor carijó, Rodrigo vive a semana do reencontro: “Com certeza será emocionante”

    A identificação com o torcedor do  Tupi é forte. Na tarde de sábado, dia 3, porém, o goleiro Rodrigo Viana vai ter que tentar fazer o papel de vilão. O camisa 1, que admite a ligação com o Carijó, veste a camisa do São Bento, de Sorocaba, equipe que enfrentou dificuldades para se manter na primeira divisão no Campeonato Paulista, mas abriu a Série C do Campeonato Brasileiro com duas vitórias, um empate e consequentemente a liderança da Chave B.

   Tupi x São Bento está marcado para 16h, no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, com cobertura nas redes sociais do Toque de Bola.

 “Com certeza será emocionante”, afirma, em entrevista exclusiva ao  Toque de Bola, o guardião da meta alvinegra em 2011, 2012 e 2014. Campeão brasileiro da  Série  D em 2011, no “mundão do Arruda”, e destaque também em Campeonatos Mineiros pelo Carijó, ele já está na sua  segunda temporada consecutiva pelo clube doe interior de  São Paulo, depois de defender, a convite do também ex-carijó treinador Leo Condé, a Caldense, vice-campeã mineira de 2015, e o Sampaio Corrêa, na Série B do mesmo ano. Antes de sua primeira vez em Santa Terezinha, defendeu Botafogo (base) e Bonsucesso (RJ).

Rodrigo criou forte identificação com a torcida quando defendeu o Tupi

Confira a entrevista exclusiva do goleiro Rodrigo ao Toque de  Bola

1) Como está o ambiente no elenco do São Bento?  Depois de quase cair no Paulista, o time hoje lidera a Série C:

Muito bom. Primeiro que são duas equipes completamente diferentes, de 30 atletas no Paulista ficaram uns nove, se não me engano. O time da Série C é um time mais barato, porém deu liga muito mais rápido que do Paulista. Foi um time montado em cima da competição, mas com muito trabalho e dedicação de todos, jogadores, comissão e diretoria, vem dando certo.

2)  Você é um dos ídolos recentes do Tupi. Como você espera esse reencontro em Juiz de Fora?

Vai ser a primeira vez que irei jogar contra o Tupi em Juiz de Fora. Com certeza será emocionante encontrar amigos e torcedores que me apoiaram tanto quando eu vesti essa camisa.

3) Os jogadores esperavam esse início de competição  do São Bento? Duas vitórias e um empate?

É um início realmente muito bom.  Não tínhamos muito parâmetro de como a equipe iria se portar até o primeiro jogo. Só fizemos um jogo-treino antes da Série C. Está sendo muito bom ver a equipe evoluindo a cada jogo.

 4) Todos os gols marcados pelo São Bento surgiram de bolas alçadas na área.  Você sendo goleiro deve observar muito isso. O forte do time é o jogo aéreo?

  O forte do time é a entrega de todos. Curiosamente as jogadas terminadas em gol foram as bolas aéreas, muito bem treinadas, mas o time tem outras variações bem interessantes para chegar ao gol.

5) Marcelo Cordeiro hoje é a principal referência do elenco? O time evoluiu com o retorno dele?

Marcelo Cordeiro é um jogador muito identificado com o clube, capitão da equipe há quase três anos, entre idas e vindas, e tem mostrado sua grande qualidade nos jogos, o que tem nos ajudado bastante.

6) Depois que você saiu do Tupi, no final de 2014, houve alguma sondagem para voltar? Pensa em retornar?

Tenho grandes amigos no clube com os quais mantenho contato, e que me fazem sondagens informais, por saberem que gosto muito do clube. Torço muito para que o Tupi cresça a cada dia mais, mas não é um pensamento no momento.  Quem sabe mais para frente? Estou muito bem adaptado a Sorocaba e ao São Bento no momento.

 

Texto: Toque de Bola

Foto: Arquivo/Divulgação

Deixe seu comentário