Que bonito é! Unidos, torcedores de Tupi e América levam paz e alegria ao Mário Helênio

Aquiles, Ney, João e Ronaldo. Torcedores americanos elogiaram a recepção, o respeito entre as torcidas e o estádio de Juiz de Fora

Quando o assunto é futebol regional, o clima de tensão e grande rivalidade às vezes prevalece. Em alguns casos essa tensão passa das quatro linhas e atinge a arquibancada, gerando conflito e confusão entre as torcidas envolvidas. As determinações de torcida única, já em vigor em São Paulo, em disputa judicial no Rio e debatida em outros centros, são a maior demonstração disso.

No entanto, quem chegou ao Estádio Municipal Radialista Mário Helênio um pouco mais cedo para conferir Tupi x América de Belo Horizonte, pela décima rodada do Campeonato Mineiro, encontrou um cenário “tranquilo e favorável”, absolutamente fora de  qualquer possibilidade de atrito extra-campo.

Um encontro marcado com antecedência entre torcidas organizadas de Tupi, Tribo Carijó, e América, Seita Verde, foi o ponto de  partida para uma tarde bastante agradável, em clima de paz absoluta, muito bate-papo e respeito mútuo.

Amizade de 11 anos

    A confraternização entre as duas torcidas antes do jogo foi marcada para perto do portão da entrada principal do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, em Juiz de Fora. “Já somos amigos há 11 anos”, conta Ruan Roque, integrante da Tribo Carijó. “Sempre que tem jogo as duas torcidas fazem um esquenta ou um churrasco ou uma festinha, e depois curtimos o jogo”.

O que seria somente entre as organizadas expandiu-se para todos que quisessem participar do encontro. Muitos ainda assistiram a partida juntos. Ex- jogadores do Tupi também participaram, como Júlio Maravilha, Manoelzinho e Evaldo.

Um ambiente amistoso e de descontração pôde ser observado na confraternização das torcidas. Essa atitude se refletiu dentro do estádio. Torcedores carijós assistindo ao jogo com os do Coelho e agitando juntos suas bandeiras. “Quem dera se toda torcida tivesse esse respeito e entendessem que não é só o futebol. Estamos aqui querendo sair com a vitória, mas com muito respeito pelo time do Tupi e pela torcida. Gostamos demais da galera. Sempre fomos recebidos com muito respeito também por eles,” comentou o torcedor americano Airton.

 Júlio Maravilha quer a Série B

Rosangela, Júlio Maravilha, Márcia, Adriano, Evaldo e Manoelzinho. Ex- Jogadores do Tupi também participaram da confraternização

Júlio Maravilha ex-atleta carijó, também estava na confraternização com amigos, ex-companheiros de clube e torcedores do América-MG. E fez questão de enfatizar a boa fase que o Tupi atravessa: “Usufruí de grande fase no Tupi, joguei de 1968 a 1985, no período de 1975 a 1980 joguei no Cruzeiro, depois voltei para o Tupi, clube em que fiquei até 1985. E fui muito feliz. Eu acho que o Tupi está agora conseguindo encaixar a equipe, uma equipe muito jovem, de jogadores com muita responsabilidade. O nome do Tupi é pesado. Eu vejo que agora tem um bom treinador, com um bom sistema tático. Já saímos do rebaixamento do campeonato mineiro. Precisamos de alguns reforços para o Brasileiro Série C. E poder voltar para a Série B, que é de onde nós nunca deveríamos ter saído,” conta com orgulho ao Toque de Bola.

   Elogios ao estádio

Segundo Ney, sócio- torcedor do time alviverde, que já visitou todos os estádios do interior de minas, o Estádio Municipal Radialista Mario Helênio em Juiz de Fora é o segundo melhor estádio do estado: “Vocês têm na minha opinião o segundo melhor estádio de Minas Gerais, perdendo apenas para o Parque do Sabiá, em Uberlândia. É um estádio arborizado, parece que você está dentro de um horto. Um estádio de jogos de primeira divisão do Brasileirão. Um campo muito bom,” declara Ney de Oliveira.

Reportagem de Elisa Ladeira – Toque de Bola

Edição: Ivan Elias

Confira abaixo galeria de fotos (se preferir, clique sobre cada imagem para ampliar)

 

 

Deixe seu comentário