Cancelamento da Corrida da Suprema na hora da largada ainda gera polêmica. Toque de Bola acompanha

   

Corrida da Suprema: cancelamento ainda repercute e Toque de Bola busca explicações junto às entidades envolvidas

   Apesar da expectativa dos organizadores da prova e das entidades envolvidas, ainda não foi divulgada a nova data da Corrida da  Suprema, prova que abriria, no dia 26 de março, o 31º Ranking de Corridas de Rua de Juiz de Fora. A expectativa da empresa VidAtiva, responsável pela  organização da corrida, é que a nova data seja divulgada nesta sexta-feira, 7, uma vez que novos encontros estão agendados para esta data, em busca de uma solução.

    Na terça-feira, 3, houve um encontro com objetivo de ajustar as funções de empresas e órgãos públicos nas próximas provas do calendário oficial (veja como foi a reunião, no final desse post).

     O cancelamento da  prova, anunciado somente no momento da largada com a alegação da Settra que a sinalização do trajeto não estaria de acordo com a segurança dos atletas, gerou uma série de dúvidas. Foram dezenas, talvez centenas,  de manifestações feitas por atletas, pela comunidade esportiva local e pela opinião pública, de uma forma geral, junto ao Portal Toque de Bola.

      Diante da repercussão do fato, o Toque de Bola elaborou quatro perguntas, na busca de tentar esclarecer  pelo  menos as questões mais intrigantes da suspensão do evento somente no momento da  largada.

    Encaminhamos as mesmas quatro perguntas para a VidAtiva (empresa que organiza a prova), a Secretaria de Transporte e Trânsito de Juiz de Fora (entidade que suspendeu a corrida)  e para a Secretaria de Esporte e Lazer (coordenadora do Ranking).

  PERGUNTAS:

   1 – É só na hora da largada que se verifica a sinalização do trajeto, quando centenas de atletas já se deslocaram desde as primeiras horas do dia para um local distante?

  2 –  Se a sinalização foi a mesma dos anos anteriores e não foi suficiente, aumentou a exigência este ano?

  3 –  Todos os eventos já não estavam marcados com alguma antecedência, tanto a Corrida como os das casas noturnas da região?

    4 –  A Settra publicou na sexta-feira, dois dias antes da prova, no site da Prefeitura, informações sobre a interdição da via para a corrida. Quando isso é levado ao conhecimento público, não se pressupõe que já está tudo certo entre as partes envolvidas?

RESPOSTAS

 

  Somente a VidAtiva respondeu.

A Settra preferiu não responder os novos questionamentos, mantendo a nota oficial que já havia divulgado no dia seguinte à suspensão da prova. Acesse aqui a nota oficial da Settra, que o Toque de Bola já  havia publicado.

A SEL preferiu não se manifestar novamente.

   De acordo com a VidAtiva, “foi feito como nos últimos anos. Porém nos últimos anos só existia uma casa noturna na região, hoje existem quatro.  A Settra é soberana nesse caso”, explica Lucas Leite, da VidAtiva.

    Ainda de acordo com ele, “a Settra e nem nenhum outro órgão se responsabilizam por festas na região, e seria o caso de chamar a polícia para ver a questão, o que foi feito, porém não atendido”.

     Sobre o cancelamento: “A corrida estava marcada com muito tempo, algumas casas nos entregaram um calendário com eventos, outras não, talvez pelo fato de afetar seus compromissos, agora diga-se que uma festa que termina depois das 8 horas da manhã assustou não somente a organização e a Settra e sim alguns atletas que relataram nas redes sociais”.

    Sobre as responsabilidades: “Acredito que todas nossas obrigações foram feitas, coube a Settra fiscalizar e tomar a decisão que eles deram, as últimas medidas e inclusive o Plano de Crise foram levantados por nós, organizadores, para sanar o problema, o agente responsável indeferiu os pedidos”.

  Sobre a decisão de não ter a corrida realizada: “De qualquer forma salientamos mais uma vez que foi a medida mais cautelosa a se tomar. Recentemente morreu um triatleta em uma prova do Rio de Janeiro, a organização atendia a todos os requisitos obrigatórios, impostos pelo Corpo de Bombeiros, Guarda Marinha, Capitania dos Portos, entre outros. O evento foi manchado por uma morte, qualquer zelo e medida de segurança devem ser acatados. A coisa que jamais queremos para nenhum de nossos atletas é que sofra um acidente ou qualquer coisa que seja, relacionado com público externo por falta de segurança. Se acontecesse alguma coisa, ia ser pior ainda”.

Reunião

Cancelamento da primeira prova do Ranking motivou um encontro com objetivo de definir funções

  Na manhã de terça-feira, 4, as secretarias de Esporte e Lazer (SEL) e de Transporte e Trânsito (Settra), promotores e representantes dos corredores do 31º Ranking Prefeitura de Corridas de Rua estiveram reunidos para definir o plano de ação para as provas do ranking 2017.

    De  acordo com nota divulgada no site da Prefeitura, “a reunião teve como pauta a regulamentação dos procedimentos de realização das competições ligados a: percurso, disponibilização de agentes e infraestrutura por parte dos organizadores para realização das provas. Através desse processo, a SEL busca o diálogo e consenso entre as instituições, a fim de atender da melhor maneira a comunidade, promotores e administração pública, visando ao bom funcionamento das provas e à boa utilização dos espaços públicos.”

   Ainda segundo o texto publicado pela Prefeitura, “foram enfatizadas as funções de cada órgão envolvido na organização do Ranking: a Settra fica responsável pela avaliação e viabilização do percurso das provas e disponibilização de agentes de trânsito; os organizadores têm como função disponibilizar infraestrutura para as competições e processo de inscrições dos participantes; e a SEL dá suporte com apoio técnico, tal como a apuração dos resultados nas provas.”

 

 

Texto: Toque de Bola

Fotos: Toque de Bola e Prefeitura de Juiz de Fora

 

 

Deixe seu comentário