Baeta sofre, mas bate Jacutinga por 3 a 1 e segue líder: “Uma das piores partidas dentro de casa”, diz técnico

Dessa vez com torcida, o Tupynambás venceu o Jacutinga por 3 a 1 no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio no domingo, 16. Com dois gols de Ademilson e um de Washington – Willian descontou para o Jacutinga – o Baeta segue na liderança do hexagonal final e vai encarar o Valeriodoce no domingo, 23, às 10h em Itabira. “Cem por cento dentro de casa é o que vai fazer com que a gente consiga o objetivo”, diz o técnico Gerson Evaristo.

Apesar de parecer que o Tupynambás teria vida fácil após abrir 2 a 0 com 12 minutos de jogo, o Jacutinga dominou as ações durante a maior parte do jogo e ameaçou a vitória com um gol de pênalti. O desafogo do Baeta só veio aos 45 da segunda etapa com Washington.

Jogadores comemoram o terceiro gol, que deu alívio ao Baeta
Jogadores comemoram o terceiro gol, que deu alívio ao Baeta

Primeiro tempo

A partida começou com o Baeta em cima. Ademilson abriu o placar logo aos quatro minutos após cruzamento de Cassiano em que a bola acertou a trave direita de Ramon e parou no pé da trave esquerda. O artilheiro do Baeta no campeonato só empurrou para o fundo das redes.

Aos 12, Ademilson recebeu bom cruzamento rasteiro de Canário e desviou para fazer o segundo, sem chances para o goleiro. Aos 23, Miguel chutou de fora da área e assustou o goleiro Ramon. Aos 28, Ademilson recebeu ótimo cruzamento de Cassiano, que passou da bola e perdeu a chance de fazer o terceiro com o goleiro já batido.

Após a parada técnica para reidratação o Jacutinga melhorou na partida. Aos 36, Paulinho tentou ameaçar o gol de César, mas a bola passou por cima. Aos 43 a melhor chance do Jacutinga: Caetano foi cortar cruzamento para trás e a bola passou perto da trave direita do Baeta. Aos 47, Juninho, do Jacutinga, cobrou falta com uma pancada e César fez boa defesa.

Segundo tempo

A segunda etapa começou sonolenta, sem perigo para nenhum dos lados. Aos 19 minutos, Washington pegou rebote após cobrança de escanteio e finalizou por cima. Igor Balotelli foi lançado em velocidade aos 25, finalizando já sem ângulo em cima do goleiro. Aos 40 o árbitro Warlen Osvaldo deu pênalti de Danylinho em Willian. O próprio Willian converteu e diminuiu o placar. A segunda etapa apagada do Leão do Poço Rico teve o gol do alívio quando Ives levantou bola na área em cobrança de falta e Washington cabeceou, aos 45 minutos, decretando mais uma vitória do Tupynambás em casa.

Jacutinga descontou de pênalti e ameaçou a vitória do Baeta
Jacutinga descontou de pênalti e ameaçou a vitória do Baeta

Vice-artilheiro da Segundona Mineira com 8 gols, Ademilson falou após a partida.:

A gente vem treinando esses tipos de jogada, porque a gente tem jogadores muito rápidos, principalmente o Cassiano. Então a gente soube aproveitar isso. Mas a gente deixou cair um pouco no primeiro tempo. Voltamos para o segundo tempo mais determinados. A oportunidade que apareceu no final a gente conseguiu fazer. Mas a gente tem que manter os pés no chão porque acho que o nosso time pecou um pouco ainda. A gente sabe que pode dar mais e melhorar durante as outras partidas.

Artilharia

É gratificante. Eu sempre me cuidei dentro e fora de campo. Fiquei quase um ano parado, mas tenho que agradecer ao Baeta por ter me recebido de braços abertos. O que eu faço é só corresponder à altura.

Dificuldade nos jogos em casa

É difícil, com excelentes jogadores. Quem vê pensa que a terceirinha é jogo fácil, mas não é não. Passou para esse hexagonal final, a gente só pega jogadores que a gente já conhece, já jogamos contra. É uma competição muito difícil. Mesmo com nossas dificuldades a gente vai tentando dar o nosso melhor. Espero que a gente consiga nosso objetivo que é subir o Baeta.

Ademilson marcou dois gols e falou com a imprensa após o jogo (Foto: Kiko Halfeld)
Ademilson marcou dois gols e falou com a imprensa após o jogo (Foto: Kiko Halfeld)

Veja avaliação do técnico do Baeta, Gerson Evaristo:

Avaliação da atuação da equipe

Pelo resultado, ótimo. Estamos fazendo prevalecer o mando de campo, isso é muito importante dentro da competição, que é muito difícil. A gente não pode ter o luxo de perder pontos dentro de casa, porque todas as equipes são gabaritadas para isso. É uma equipe muito boa, com jogadores muito técnicos. Em termo técnico, acho que foi uma das piores partidas nossas dentro de casa. Hoje não conseguimos impor nosso ritmo. Óbvio que vale o resultado, as oportunidades que nós tivemos, fizemos os gols, isso é importante. Mesmo que não tenhamos sofrido lances perigosos de gol deles, o controle do jogo eles tiveram. Dentro de casa quem tem que ditar o ritmo é a gente, quem tem que tomar as rédeas do jogo somos nós. Infelizmente hoje nós pecamos um pouquinho na parte técnica. Mas o mais importante foi a vontade, a disposição e as oportunidades de gol que apareceram. Trabalhamos pela beirada: isso nós trabalhamos durante a semana, porque eu vi jogo deles e vi que eles tinham dificuldade de marcar na beirada. Como a gente tem jogador rápido como o Cassiano na beirada, tinha como a gente chegar e conseguir o resultado. Então os gols aconteceram e graças a Deus conseguimos um resultado muito, mas muito importante, devido ao resultado de ontem, da vitória do Betinense. Se nós não tivéssemos hoje o resultado positivo, nós perderíamos a liderança. Isso foi pregado para eles. O grupo está de parabéns mais uma vez pela atitude, pela determinação, pela vontade, e o caminho é esse.

Foco para evitar os erros

Primeiramente descansar muito esse grupo. Essa semana nós tivemos muitos problemas clínicos. Tivemos o Danylinho que ficou sem treinar, o próprio Igor (Soares) que gripou, muita febre, saiu do jogo. Tivemos muitos jogadores no departamento médico. São muitos jogos difíceis, campos que, tirando o nosso aqui, até agora não encontramos um campo bom para se jogar. Articulações, campos muito duros, prejudica, cansa muito mais. Precisamos primeiramente descansar esse grupo. Temos um jogo muito difícil contra o Valerio fora de casa, mais um campo ruim para se jogar. Temos que ter a consciência, descansarmos e trabalhar principalmente essa questão de deixar que a equipe tome as rédeas do jogo. O foco é esse, e esse tem que ser nosso objetivo.

Elenco sub-23 pode ser motivo da queda de rendimento?

Pesa muito a questão do sub-23. Porque você vê o time às vezes, por serem jovens, querem só atacar, acham que só têm que atacar. Ficamos muito espaçados, principalmente na meia cancha. E a equipe deles tem jogadores que trabalham muito bem a bola. O Paulinho é muito bom jogador, ele buscava o jogo sempre no espaço. Ele procurava o lugar onde não tinha jogador. É muito inteligente, jogado, rodado. É uma equipe tecnicamente muito qualificada, os jogadores individualmente falando. Às vezes é difícil segurar o ímpeto. A gente pede para fechar, deixar as duas linhas de quatro o mais perto possível para não ter essa segunda bola. Se a segunda bola venha a cair, que venha nos nossos domínios. Nós ficamos muito espaçados. Voltamos melhor um pouquinho no início do segundo tempo. Depois voltamos a repetir os erros. Infelizmente o Cassiano é um que ficou a semana inteira sem treinar, eu sabia que seria uma substituição que nós tínhamos que fazer. Principalmente pela intensidade de jogo que ele tem, muita velocidade, muito incisivo, muito pique. Você tem que até dosá-lo um pouco, mas não tem como: é dele isso. O próprio Marco Aurélio (Canário) também que sentiu muito essa semana, ficou sem treinar. Essa semana foi muito conturbada clinicamente falando. Nós tivemos que fazer um treino aqui no Mário Helênio com o Bruno, quarto goleiro, de atacante. Ficou difícil, a semana foi muito conturbada. Conseguimos fazer os gols no momento certo, dar essa tranquilidade. Agora é descansar, trabalhar essa semana, tem muita coisa para fazer ainda.

Washington mais seguro na zaga

Contra o Betinense foi a primeira partida do Washington aqui no Mário Helênio. Esse campo tem uma dificuldade imensa para quem não conhece ele. Ele é do mesmo tamanho de todos os outros, padrão FIFA, mas é muito espaçado. Se você não fechar, não agrupar, não tiver a noção de espaço, você se perde. E o zagueiro precisa disso, principalmente no tempo de bola. Foi muito oportuno treinarmos aqui na quarta-feira. Fizemos muita bola aérea, trabalho justamente para isso: para que principalmente ele pegasse esse tempo de bola. Tecnicamente é bom jogador, às vezes afoito pela idade. Hoje tomou um cartão que não haveria necessidade. Muita vontade. A tendência é melhorar. Essa semana a gente joga fora, mas na outra semana que formos jogar nesse campo, que tenham bom senso e liberem o campo para a gente treinar e pegar cada vez mais o espaço, as peculiaridades do campo, para que a gente possa continuar nesse ritmo e conseguir o acesso.

Existe um número de pontos como objetivo para o acesso?

Esse hexagonal está muito acirrado. Você vê que o CAP (Patrocinense), que é o “time das estrelas”, time que mais contratou, paga melhor, está com quatro pontos dentro da competição. Perdeu cinco pontos dentro de seus domínios. Vai ter que buscar fora. Eu sempre prego que essa competição, como é difícil, você tem dez jogos: cinco fora de casa e cinco em casa. Se você vence os cinco em casa tem cinquenta por cento de chance de conseguir o objetivo. E buscar fora. Tivemos a felicidade, um bom jogo lá contra o Patrocinense, buscamos um ponto. Tem o Valerio agora e vamos em busca desses pontos e manter essa regularidade dentro de casa. Cem por cento dentro de casa é o que vai fazer com que a gente consiga o objetivo. Mas matematicamente falando, está muito parelho. Você vê que o Módulo II esse ano uma equipe foi campeã com 17 pontos (Democrata-GV). O outro classificado, que foi o América-TO subiu com 15. Então está muito difícil ainda, prematuro para dar um diagnóstico.

 

Tupynambás 3×1 Jacutinga

Tupynambás: César, Danylinho, Thales, Washington e Lucas Hipólito; Caetano, Miguel e Juninho (Igor Balotelli); Cassiano (Gustavo), Canário (Ives) e Ademilson.
Técnico: Gerson Evaristo
Gols: Ademilson (4’ e 12’ do primeiro tempo), Washington (45’ do segundo tempo)

Jacutinga: Ramon, Wellinton (Mateus), Juninho, Adriano e Dener (Aurelio); Juliano, Tony, Alan e Paulinho; Romulo (Thulio) e Willian.
Técnico: Rogério Henrique
Gols: Willian (40’ do segundo tempo)

Arbitragem: Warlen Osvaldo de Carvalho, auxiliado por Ricardo Vieira Rodrigues e Fabiano Jesus da Silva.

Cartões Amarelos: Thales, Washington, Lucas Hipólito, Danylinho e Caetano (Tupynambás). Juliano e Willian (Jacutinga)

 

Veja os outros jogos da 4a rodada:

15/10 Betinense 2×0 Patrocinense, em Divinópolis

17/10 Coimbra 2×0 Valeriodoce, em Nova Lima

Veja os jogos da próxima rodada:

22/10 Coimbra x Patrocinense, no Alçapão do Bonfim em Nova Lima

22/10 Jacutinga x Betinense, no Luiz Moraes Cardoso em Jacutinga

23/10 Valeriodoce x Tupynambás, no Israel Pinheiro em Itabira

 

Confira a classificação do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão:

Fonte: FMF
Fonte: FMF

Ao final do hexagonal, os dois primeiros colocados serão promovidos para o Campeonato Mineiro Módulo II em 2017. 

 

Texto: Toque de Bola

Fotos: Toque de Bola e Kiko Halfeld

O Toque de Bola é administrado pela www.mistoquentecomunicacao.com.br

Deixe seu comentário