“Gol de pelada” e protestos de estádio quase vazio marcam sexta derrota e saída de Drubscky. E o Tupi segue sem rumo

O Tupi anunciou, na manhã desta quarta-feira, 8, que Ricardo Drubscky não é mais o treinador carijó. Conforme o Toque de Bola antecipou, o abatimento demonstrado pelo profissional após as três últimas derrotas sinalizava que a mudança poderia ocorrer em caso de novo resultado negativo em casa, o que se concretizou com a derrota por 1 a 0 para o Oeste, nesta terça-feira.

O Toque de Bola também apurou que Drubscky já havia deixado o cargo à disposição da diretoria após a derrota, também por 1 a 0 e também em casa, para o Joinville, há uma semana, igualmente em Juiz de Fora.

Leo Condé, Ademir Fonseca são alguns candidatos ao posto. Ambos já treinaram a equipe. Condé recentemente deixou o comando do Bragantino-SP. Também há possibilidade de ser anunciado um nome que ainda não passou pelo comando da equipe.

    Lances “de pelada” decidem o jogo 

Aos 14 minutos do segundo tempo, ao tentar aliviar o perigo numa descida do Oeste, de Itápolis (SP), o zagueiro do Tupi, Heitor, na sua intermediária, vai de canela na bola e força o goleiro a praticar uma grande e inesperada defesa.  O lance “entorta” Rafael Santos, de tanto que teve se esticar para evitar que a bola entrasse no ângulo superior esquerdo.

A torcida do Tupi, em número muito pequeno – apenas 483 pagantes – não acredita. Parecia “lance de pelada”, como alguém disse na arquibancada próximo à cabine do Toque de Bola no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio na noite desta terça-feira, 7, em jogo da sétima rodada do primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro.

O alívio dos torcedores foi momentâneo. Na sequência da canelada, vem a cobrança de um escanteio pela direita. O passe rasteiro é feito para dentro da área. Lá, sem qualquer marcação ou incômodo, Leo Artur recebe o passe e tem uma “avenida” para passear até chutar no alto, agora sem chances para o substituto de Glaysson. “Isso é gol de pelada”, disse uma voz da arquibancada. “Não, isso é gol de final de pelada”, retruca outra voz, ainda mais inconformada.

Os dois lances acabaram decidindo o jogo em que o Oeste, no estilo recentemente exaltado do treinador Fernando Diniz, vice-campeão paulista pelo Audax, trocou passes de forma organizada e saiu com a vitória por 1 a 0.

 

  Sem rumo

O Tupi, apesar de alguns “bons momentos” e de “mostrar coisas boas”, como costuma dizer o agora ex-treinador Ricardo Drubscky após as partidas, demonstra todo seu momento ruim nos dois lances que acabariam, em sequência, decidindo o jogo: um de falta de técnica de um zagueiro, outro de falta absoluta coletiva de atenção, numa cobrança de escanteio, onde todos têm tempo de escolher o posicionamento. Resta aguardar o encaixe de uma equipe que não mostra, até o momento, sinais de grupo competitivo ou padrão de jogo capaz de permitir ao torcedor voos maiores na competição.

Por mais que o treinador e o Gerente de Futebol Gustavo Mendes tenham tentado, nas entrevistas, procurar aspectos positivos na campanha e assegurar que não falta ou faltará trabalho, a sensação até agora é de que o Tupi está longe de encontrar seu rumo na Série B.

 

Vaiado após substituição, Giancarlo diz a um grupo de torcedores: "Eu sei o que estou fazendo"
Vaiado após substituição, Giancarlo diz a um grupo de torcedores: “Eu sei o que estou fazendo”

 

  Sem equilíbrio

Sim, novamente o time criou chances. Giancarlo, por exemplo, teve duas seguidas no primeiro tempo. Na primeira, acertou de cabeça o pé da trave, mas na volta ele estava desequilibrado e errou o alvo, sem goleiro. O mesmo atacante protagonizaria outra cena que deixou o público entre a revolta  a descrença. Quando a placa já anunciava a sua substituição, em sua última participação na partida, o gol de empate se ofereceu a ele na pequena área. Ele novamente perdeu o equilíbrio e caiu estatelado, sem conseguir se equilibrar.

Giancarlo e o Tupi, de uma maneira geral, estão desequilibrados. Aqui começa um carrossel de perguntas.

 

 Carrossel de perguntas

O elenco é fraco? A Comissão Técnica pode ser responsabilizada por não ter encontrado um time-base ou uma organização tática? A transição do Estadual para o Brasileiro foi mal feita pela diretoria? São muitas perguntas que o clube não tem tempo para responder. Com 3 pontos em 21 disputados, o Tupi já se coloca como candidato ao rebaixamento – na média da competição neste formato, são necessários, em média, 45 pontos para evitar a degola.

E do lado de fora, o extra-campo, também são muitas perguntas sem resposta. O público é pequeno por que o time é fraco? Além dos torcedores fieis que sempre comparecem – ontem até muitos dos fieis “faltaram” – o clube não consegue desenvolver ações extra-campo que possam motivar o comparecimento de outros torcedores? Como atrair novos “clientes” a vestir de fato a camisa do time da cidade?

 

Público inferior a 500 pagantes: será que Juiz de Fora tem interesse em manter o Tupi na Série B ou a culpa é do próprio clube?
Público inferior a 500 pagantes: será que Juiz de Fora tem interesse em manter o Tupi na Série B ou a culpa é do próprio clube?

  Divórcio

E a cidade? Vai continuar divorciada do clube? Vamos todos chegar à conclusão que Juiz de Fora, com toda sua tradição esportiva, com tantos profissionais qualificados, com atletas (bi)campeões olímpicos como Giovane Gávio aqui formados, não tem cacife para bancar uma equipe na Série B?

A Série B é “demais” para o Tupi ou é “demais” para Juiz de Fora?

Então é isso? Temos que “enfiar a viola no saco” e voltar pela porta dos fundos para a Série C?

O tamanho do Tupi, depois de 104 anos de fundação, histórias, glórias, dificuldades e superações, é só esse mesmo?

Seria esse também o limite esportivo do único clube da cidade que se manteve no futebol profissional, sobrevivendo aos tempos românticos de um futebol regional de deliciosas e hoje utópicas rivalidades?

Enquanto o torcedor, o clube e a opinião pública convivem com tantas perguntas sobre o que ocorre dentro e fora de campo, a competição não dá trégua. Sábado, o Tupi já estará entrando em campo, em Pelotas (RS).

É jogo terça, sexta, sábado, 21h30 para atender à “grade” da emissora que comprou os direitos. Ninguém quer saber se tem aeroporto aberto ou fechado. O show não pode parar. Só o que a emissora e a entidade dirigente do futebol nacional não percebem – ou não querem perceber – é que o show de jogos consecutivos apresenta qualidade cada vez menor.

 

00 X 01 TUPI X OESTE

 

FICHA TÉCNICA

TUPI 0 x 1 OESTE

TUPI: Rafael Santos; Douglas, Heitor, Rodolfo, Bruno; Recife, Serrato, Jataí, Jonathan (Ygor), Henrique (Vinicius Kiss); Giancarlo (Michel). Treinador: Ricardo Drubscky.

OESTE: Felipe Alves; Felipe Rodrigues, Francis, André Castro, Danielzinho; Betinho, Maurinho (Mauricio), Francisco Alex (Robert), Marcus Vinicius (Matheus Vargas); Mazinho, Leo Arthur. Treinador: Fernando Diniz

Arbitragem: Rodolpho Toski Marques (Aspirante FIFA-PR), auxiliado por Luciano Roggenbaum (Aspirante FIFA-PR) e Andre Luiz Severo (CBF-PR);

GOL: Leo Arthur, aos 15 minutos do segundo tempo

CARTÕES AMARELOS: Rodolfo e Douglas (Tupi);

PÚBLICO: 483 pagantes / 764 presentes;

RENDA: R$ 9.090,00

LOCAL: Estádio Municipal Radialista Mário Helênio – Juiz de Fora (MG);

ESTATÍSTICAS:

(Fonte: Soccer Way)

Estatíticas

    Jogos das 21h30 

Quatro jogos iniciados às 21h30 (de Brasília) fecharam a sétima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O Vasco derrotou o Joinville, fora de casa, por 2 a 0 e se isolou na liderança da competição, com 19 pontos. Também longe dos seus domínios, o Bahia bateu o Goiás pelo mesmo placar e segue no G4, na terceira colocação. O Tricolor de Aço chegou a deixar a zona de classificação à Série A após os jogos das 19h30, mas recuperou a posição com o resultado positivo. Outro visitante da noite que se deu bem foi o Vila Nova. O Tigre venceu o Luverdense, também pelo placar de 2 a 0, e deixou a zona de rebaixamento. No Castelão, o Ceará fez 1 a 0 no Londrina.

Vasco bate Joinville e aumenta série invicta
Vasco bate Joinville e aumenta série invicta

 Joinville 0 x 2 Vasco

Jogando em casa, na sua Arena, o Joinville tomou a iniciativa no início da partida. No entanto, o Vasco soube aproveitar a única chance que teve na primeira etapa. Aos 22 minutos, Willian Oliveira cruzou na medida para Leandrão, de cabeça, abrir o placar. No segundo tempo, o Cruz-Maltino voltou melhor e, aos 27, conseguiu garantir a vitória novamente com Leandrão. O atacante aproveitou a sobra após lançamento de Luan e marcou o segundo dele. Com o resultado, a diferença do Gigante da Colina para o segundo colocado, Atlético-GO, agora é de três pontos.

Goiás 0 x 2 Bahia

Outro visitante da noite que também fez bonito foi o Bahia. No Serra Dourada, o Tricolor de Aço marcou o primeiro diante do Goiás com um verdadeiro golaço de Renato Cajá, aos 19 minutos. O meia aproveitou a saída errada de Renan, matou no peito e mandou de primeira, uma bomba, para o fundo da rede. Já na etapa final, aos 42, Thiago Ribeiro cobrou pênalti com categoria e fechou a vitória dos baianos por 2 a 0. O Bahia retomou o terceiro lugar, que havia perdido após os jogos das 19h30, com o triunfo. O Esmeraldino, por sua vez, caiu para o 17º lugar com a derrota e entrou na zona de rebaixamento.

Luverdense 0 x 2 Vila Nova

Assim como Vasco e Bahia, o Vila Nova também foi bem longe dos seus domínios e venceu por 2 a 0. No Passo das Emas, o Tigre fez o primeiro aos seis minutos. Vandinho aproveitou o rebote após finalização de Jean Carlos e balançou a rede. O Luverdense sentiu o golpe e viu os goianos ampliarem aos 14, com belo chute de Jean Carlos, de primeira, após cruzamento de Carmona para a área. Na etapa final, o Verdão do Norte até criou boas chances, mas não teve êxito nas conclusões.

Ceará 1 x 0 Londrina

No Castelão, o Ceará superou o Londrina pela vantagem mínima: 1 a 0. Após um primeiro tempo com mais chances para o Vozão, a equipe conseguiu balançar a rede na etapa final, aos 17 minutos. Na entrada da área, Rafael Costa fez boa tabela com Roni e mandou uma bomba no canto do goleiro Marcelo Rangel. O triunfo manteve os cearenses na 7ª colocação, com 11 pontos.

Jogos de 19h15

A Sétima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro foi aberta com seis jogos às 19h15 (de Brasília) desta terça-feira (7). Os grandes destaques foram Criciúma, que bateu o Brasil-RS por 3 a 0, e Náutico, que venceu o Paysandu, fora de casa, por 3 a 1.

Criciúma aproveita mando de campo e faz mais três pontos
Criciúma aproveita mando de campo e faz mais três pontos

Criciúma 3 x 0 Brasil

No Heriberto Hulse, Criciúma e Brasil-RS fizeram um confronto direto pelo G4. O Tigre, por sua vez, não deu qualquer chance ao clube de Pelotas (RS). Aos 40 segundos de jogo, Roberto abriu o placar para os donos da casa. Aos 41 minutos, Juninho aproveitou a sobra na área e ampliou. Na etapa final, o domínio da equipe carvoeira continuou e, aos 24 minutos, Nathan aproveitou o desvio de Roberto e fechou a vitória por 3 a 0.

Paysandu 1 x 3 Náutico

Na Curuzu, o Paysandu recebeu o Náutico e abriu o placar logo no primeiro minuto da partida. Lucas aproveitou o rebote após cobrança de falta e só empurrou para o gol. A partir daí, no entanto, o Timbu cresceu e mandou no jogo até o apito final do árbitro. Após corta-luz de Bergson, Malyson deixou tudo igual aos 25 minutos. Na etapa final, ainda no primeiro lance, Jefferson Nem virou o placar para os pernambucanos. O Papão se perdeu e, além de não ter mais forças para buscar o empate, acabou sofrendo o terceiro gol. Aos 23, Jefferson Nem fez bela jogada individual e marcou o segundo dele, terceiro do Náutico, para garantir o resultado positivo.

Tupi 0 x 1 Oeste

Outro visitante que se deu bem foi o Oeste. No Estádio Municipal de Juiz de Fora, a equipe de Itápolis (SP) e o Tupi criaram muitas chances de gol, mas não souberam aproveitar. Os paulistas, no entanto, conseguiram balançar a rede aos 16 minutos do segundo tempo. Após cobrança de lateral, Léo Artur recebeu na área e balançou a rede. Foi o suficiente para conquistar a vitória por 1 a 0.

Bragantino 1 x 0 Avaí

Jogando em casa, no Nabi Abi Chedid, o Bragantino conseguiu uma importante vitória diante do Avaí. A vantagem foi mínima, apenas 1 a 0, mas já foi o suficiente para tirar o clube de Bragança Paulista da zona de rebaixamento. O gol da vitória foi marcado aos 18 minutos do primeiro tempo, com Eliandro, que aproveitou cruzamento de Bruno Pacheco e entrou de carrinho para balançar a rede.

Sampaio Corrêa 1 x 2 CRB

No Rei Pelé, parecia que o Sampaio Corrêa conquistaria, enfim, a primeira vitória nesta Série B. A equipe do Maranhão saiu na frente com Léo Gago, aos 10 minutos, em cobrança de pênalti. O CRB, por sua vez, não se entregou e, nove minutos depois, chegou ao empate com Lúcio Maranhão. Após a igualdade, a partida ficou aberta, com chances para os dois lados. Já no segundo tempo, os regatinos conseguiram a virada. Aos 22, Rodolfo aproveitou cruzamento de Diego e cabeceou para o fundo da rede.

Paraná 0 x 0 Atlético-GO

No Durival de Britto, Paraná e Atlético-GO fizeram uma partida de poucas chances e não saíram do 0 a 0. O resultado manteve o Dragão na segunda colocação da Série B, com 16 pontos, e fez os paranistas subirem da 12ª para a 11ª colocação, com dez pontos.

Resultados da sétima rodada (arte: Toque de Bola. Se preferir, clique sobre a imagem para ampliar)

RESULTADOS 7A RODADA_TUPI CAMPEONATO BRASILEIRO SERIE B INSTAGRAM

 

 

Jogos da oitava rodada (arte: Toque de Bola. Se preferir, clique sobre a imagem para ampliar)

8A RODADA_TUPI CAMPEONATO BRASILEIRO SERIE B INSTAGRAM cópia 2

 

Classificação da Série B após sete rodadas (fonte: CBF. Se preferir, clique sobre a imagem para ampliar)

TABELA ATUALIZADA CAMPEONATO BRASILEIRO SÉRIE B

 

Texto inicial: Ivan Elias – Toque de Bola

A cobertura de Tupi x Oeste nas redes sociais e no Portal Toque de Bola tem o apoio de Plasc e Hiperroll Embalagens

Participação do repórter Cérix Ramon e do comentarista convidado Marcelo Rizzato

Artes: Toque de Bola

Fotos da rodada: Vasco, Criciúma, site da CBF

Texto: Ivan Elias, com informações complementares do site da CBF e so site Soccerway

Deixe seu comentário