Libertadores: Adriano marca, mas Atlético-PR é eliminado. Três brasileiros decidem vaga

Com a possibilidade de um dado histórico negativo, a última rodada da Libertadores reserva aos torcedores brasileiros, principalmente, muitas emoções. Isto porque o Brasil pode bater seu recorde de eliminados nesta fase. Mesmo com Adriano atuando os 90 minutos e marcando um gol – fato que não ocorria desde fevereiro de 2012 -, o Furacão perdeu por 2 a 1 nesta terça-feira, 8, para o The Strongest, da Bolívia, em La Paz, se tornando o primeiro brasileiro fora da competição. Também pelo grupo do Atlético-PR, o Vélez Sarsfield, da Argentina, venceu o Universitário, do Peru, e chegou aos 15 pontos e consequente liderança de sua chave. Caso o Santos Laguna, do grupo 8, não vença sua partida, os argentinos terão a melhor campanha na fase de grupos da Libertadores.

Voltando aos brasileiros que ainda brigam por vaga nas oitavas de final da competição, Botafogo, Cruzeiro e Flamengo não podem pensar em perder. Líderes em seus grupos, Atlético-MG e Grêmio já estão classificados, mas tem a primeira colocação ameaçada.

Desde 2000, quando a Libertadores passou a ter o atual formato, o máximo de eliminados que o Brasil obteve no mesmo ano foram dois clubes, em 2002: Atlético-PR e Flamengo, um já eliminado e o outro ameaçado. Naquele ano, porém, o país teve quatro representantes no torneio, dois a menos do que na atual edição. Grêmio e São Caetano avançaram. Veja as situações atuais dos clubes nesta edição da Libertadores.

Mineirão, Maracanã e outros estádios do continente devem estar lotados nas partidas da última rodada da Libertadores
Mineirão, Maracanã e outros estádios do continente devem estar lotados nas partidas da última rodada da fase de grupos Libertadores

Botafogo se classifica com empate se Independiente Del Valle tropeçar

O Glorioso estará eliminado se perder para o San Lorenzo em Buenos Aires nesta quarta-feira, 9, às 22h, e talvez até se empatar – embora seja mais provável que a igualdade o classifique. Se vencer, estará nas oitavas de final, talvez até como primeiro colocado do grupo. A chance de classificação é de 50%, segundo o matemático Tristão Garcia.

Se vencer: classifica-se. Fica em segundo se o Unión Española vencer o Independiente del Valle em casa. Fica em primeiro se os chilenos perderem para os equatorianos. Se eles empatarem, o Botafogo precisa vencer e fazer um gol a mais do que os chilenos para ser o campeão da chave. Mas existe um porém curioso: uma vitória do Alvinegro por 2 a 1 combinada com um empate por 1 a 1 na outra partida leva a decisão do primeiro lugar a sorteio, já que Bota e Unión ficariam iguais em todos os quesitos: pontos, vitórias, saldo, número de gols e número de gols como visitantes.

Se empatar: classifica-se em segundo, desde que o Independiente del Valle não vença o Unión Española por dois ou mais gols de diferença. Caso ocorra vitória equatoriana por dois gols de vantagem e empate alvinegro, a vaga será decidida no critério de gols marcados – 5 a 5 no momento.

Se perder: está eliminado.

 

Atlético-MG busca confirmar liderança

É muito boa a situação do Atlético-MG. Já classificado para as oitavas de final, o Galo recebe o Zamora, da Venezuela, na quinta-feira, no Independência, às 17h30, e joga por um empate ou uma vitória para terminar como primeiro colocado do Grupo 4. Caso perca, será segundo.

Se vencer: classifica-se em primeiro.

Se empatar: classifica-se em primeiro.

Se perder: classifica-se em segundo.

 

Cruzeiro se classifica com vitória e placar elástico

O Cruzeiro precisa vencer. Se tropeçar contra o Real Garcilaso, do Peru, quarta-feira, no Mineirão, às 22h, estará eliminado. Mesmo a vitória só dá certeza de classificação se for a partir de três gols de diferença. A vaga, caso seja conquistada, será como segundo colocado do Grupo 5. A primeira colocação ficará com Defensor ou Universidad de Chile, que se enfrentam no Uruguai. A chance de classificação é de 48%, segundo o matemático Tristão Garcia.

Se vencer: classifica-se como segundo colocado, sem depender do resultado de Defensor x Universidad de Chile, caso conquiste vitória por ao menos três gols de diferença. Se for por dois gols, ficará fora caso o Defensor perca por apenas um gol e fazendo pelo menos dois (2 a 0 para o Cruzeiro e 3 a 2 para La U, por exemplo). Se vencer por um gol de diferença, precisará que os uruguaios ganhem, empatem ou percam por três gols.

Se empatar: está eliminado.

Se perder: está eliminado.

 

Grêmio tem situação mais confortável

O Grêmio é o brasileiro em melhor situação na rodada final da fase de grupos. Já classificado, precisa apenas de um empate em casa com o Nacional, lanterna da chave, na quinta-feira, 10, às 22h, para assegurar a primeira colocação. Caso perca, só deixará de ser o líder se o Newell’s Old Boys vencer o Atlético Nacional na Argentina.

Se vencer: classifica-se como primeiro e pode ter a melhor campanha geral da Libertadores. Para isso, torce por tropeços de Vélez Sarsfield, Universidad de Chile e Santos Laguna.

Se empatar: classifica-se em primeiro.

Se perder: classifica-se em segundo caso o Newell’s Old Boys vença o Nacional de Medellín em casa e em primeiro se ocorrer qualquer outro resultado nesta partida.

Flamengo só classifica com vitória

O Flamengo renasceu na Libertadores ao vencer o Emelec no Equador. Tanto que só precisa de uma vitória sobre o León no Maracanã, por qualquer resultado, nesta quarta, às 19h45, para garantir classificação. Mas não há rotas alternativas no jogo desta quarta-feira. Qualquer outro resultado representará a eliminação do clube carioca – que, por outro lado, pode terminar até como líder do grupo. A chance de classificação é de 47%, segundo o matemático Tristão Garcia.

Se vencer: classifica-se. Fica em primeiro em caso de empate ou vitória do Emelec no jogo contra o Bolívar, na Bolívia. Fica em segundo se o time da casa ganhar.

Se empatar: está eliminado.

Se perder: está eliminado.

Texto com informações do globoesporte.com

Foto: Bruno Senna/site do Cruzeiro

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Este post tem um comentário

Deixe seu comentário