Zebras soltas? Começa a Copa do Brasil

  Para agradar as federações de Estados de menor tradição no cenário do futebol brasileiro, que alegavam poucas oportunidades de enfrentar clubes conceituados do país após a alteração do modelo do Campeonato Brasileiro, em 1987, foi criada, em 1989, a Copa do Brasil. Em um primeiro momento, todos os campeões estaduais e os vices dos estados que tinham maior representação jogavam partidas no sistema “mata-mata”, até a final. Desde a criação, o torneio dá ao campeão o direito de disputar a Taça Libertadores da América do ano seguinte.

  Leia também:  Pacotão da Copa do Brasil: “pelada” no Mangueirão e Colorado eficiente

  Com o tempo, o modelo foi sofrendo alterações e em 1995 foi estabelecido que, nas duas primeiras fases, a equipe que vencesse por três ou mais gols de diferença, jogando na casa de adversário o “jogo de ida”, estava classificada para a fase seguinte, sem a necessidade da segunda partida. Um ano depois, a diferença ficou ainda menor: dois gols era o necessário para passar de fase, sem a disputa do “jogo da volta”. 

   Flamengo: gol do título no Mário Helênio

  Juiz de Fora já recebeu uma decisão de Copa do Brasil. O Mário Helênio foi palco do primeiro jogo da final de 1990, entre Flamengo e Goiás. O rubro-negro tinha peças bastante conhecidas do torcedor brasileiro e foi a campo com Zé Carlos; Piá Carioca, Vitor Hugo, Fernando, Júnior; Marquinhos, Aílton, Djalminha, Zico; Gaúcho e Renato Gaúcho, para enfrentar o Esmeraldino, que contava com o artilheiro Túlio Maravilha no elenco. Com 32.437 pagantes no Helenão, o Flamengo derrotou o Goiás, com gol do contestado zagueiro Fernando. O clube carioca sagrou-se campeão invicto no segundo jogo, ao empatar sem gols no Serra Dourada.

  Na versão 2013, participantes chegam a 86

  Na edição de 2013, a Copa do Brasil passará a ser disputada por 86 equipes, entre Março e Novembro. No novo formato, 80 clubes disputarão um mata-mata até restarem dez, que se juntarão nas oitavas-de-final aos cinco clubes que tiverem disputado a Copa Libertadores da América, além do melhor colocado do Ranking da CBF, que pode ser substituído por um sexto clube que tiver participado da competição continental como campeão do ano anterior.

A competição tem início nessa quarta-feira, 3, com jogos dos chamados “favoritos”. O Internacional de Porto Alegre vai até a Arena da Floresta, para enfrentar o Rio Branco-AC. O Flamengo enfrenta a tradicional equipe do Remo, com primeiro jogo em Belém. O Atlético-PR, do ex-treinador do Tupi, Ricardo Drubscky, encara o Brasil-RS, em Pelotas.

  A bola já rolou

  Das equipes de Minas Gerais, apenas o Betim já entrou em campo na tarde deta quarta-feira, contra o Bangu-RJ, fora de casa, conseguindo uma vitória por 2 a 1,  levando, assim, vantagem para o segundo jogo.

  O Tupi estreia na próxima quarta-feira, 10, contra o Luverdense, às 20h30, em Juiz de Fora, com transmissão da Rádio Web do Toque de Bola. Segue link da nossa rádio web: http://www.toquedebola.esp.br/wp-content/themes/portal-toque/nas-ondas-do-toque.html

Curiosidades da Copa do Brasil:

– O primeiro gol de sua história foi marcado por Alcindo, na vitória por 2 a 0 do Flamengo sobre o Paysandu, em 1989, e o Grêmio foi o primeiro campeão.

– Maior Goleada: Estádio Independência – Atlético-MG 11 x 0 Caiçara-PI ( O placar do estádio só possuía espaço para registrar um algarismo por clube, por isso parou de contar quando jogo ainda estava 9 a 0.)

– Maior Placar agregado: 1993 –  Internacional-RS 15 x 1 Ji-Paraná-RO 

Maior Artilheiro: Romário (36 gols)

– Na edição de 2006, houve a primeira final entre dois clubes do mesmo Estado: Flamengo e Vasco da Gama, com vitória do rubro-negro na decisão.

– Em 2010, o Santos estabeleceu um novo recorde de gols em uma única edição: 39 gols.

– Os maiores vencedores da competição são o Grêmio e Cruzeiro, ambos tendo vencido o torneio em quatro oportunidades.

Texto/pesquisa: Igor Rodrigues

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Este post tem 2 comentários

Deixe seu comentário