Estádio Mário Helênio pode receber jogos dos cariocas

  Depois das reclamações do vice-presidente de futebol do Flamengo, Wallim Vasconcelos, sobre a negativa da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Fferj) da marcação do jogo de volta entre o Rubro-Negro e o Remo pela Copa do Brasil, no dia 17 de abril, para Juiz de Fora, na última segunda-feira, o presidente da entidade, Rubens Lopes, através de nota, disse nesta terça-feira (09) desconhecer que o dirigente rubro-negro tenha procurado a Fferj para discutir o assunto.

  No mesmo comunicado, o cartola da Federação Carioca também negou tal veto e colocou o Estádio Municipal Radialista Mário Helênio pela primeira vez oficialmente na pauta para futuras partidas de clubes cariocas, por conta do fechamento do Engenhão e da impossibilidade de utilização do Maracanã, ainda em obras.

O secretário de Esporte e Lazer de Juiz de Fora, Francisco Canalli, confirmou a vinda de representantes da Fferj à cidade na próxima sexta-feira para conhecer a arena e debater sobre sua utilização. “A intenção é apresentar o Estádio Municipal à Federação Carioca para evitar ruídos nesse contato, colocando-o à disposição para abrigar partidas do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil”, disse Canalli.

De acordo com o titular da pasta esportiva local, até mesmo jogos da Taça Libertadores da América, da qual o Fluminense é um dos participantes, não estão descartados. “Vamos conversar e saber quais são as condições para abrigarmos esses jogos. Mas estamos abertos a trazê-los para cá também”, deseja Canalli, destacando que, além da negociação entre a Prefeitura de Juiz de Fora, os clubes e a entidade máxima do futebol carioca, há ainda um acerto entre a Fferj e a Federação Mineira para que se autorize a realização dos confrontos no Mário Helênio.

Texto e informações: www.tribunademinas.com.br

Foto: Arquivo Toque de Bola

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Este post tem 2 comentários

Deixe seu comentário