Oswaldo fala grosso no clássico: “Vai, peita, mete a mão na cara”

O Botafogo divulgou um vídeo de bastidores da equipe no clássico contra o Fluminense, no dia 27 de janeiro, em que o técnico Oswaldo de Oliveira aparece exaltado após o empate, por 1 a 1, pelo Campeonato Carioca. Na imagem gravada no vestiário do Engenhão, o treinador alvinegro deixa claro o seu descontentamento com a atitude de alguns jogadores durante o duelo e fala palavras fortes: “Não tem que refrescar porra nenhuma. Vai, peita, mete a mão na cara. Estou com ira desses putos”.

No fim do jogo, o meia Seedorf se envolveu em uma discussão com o volante colombiano Valencia, do Fluminense, e outros atletas precisaram separá-los em campo. No vestiário depois do clássico, com tom de voz calmo e atraindo a atenção de todos, o holandês do Botafogo começou um discurso sobre o assunto.

“Quando tem briga, vamos brigar com os caras, todo mundo junto. Não vamos aceitar, desde o começo, com tudo, é cartão aqui, cartão lá. Faz diferença no final. Valeu?”, disse Seedorf.

Logo na sequência, Oswaldo de Oliveira concordou com o holandês e, de maneira mais exaltada, falou aos demais atletas.

“É isso aí, Seedorf! Eu acho que nós temos é comprar barulho mesmo, ir dentro dos putos, não tem que refrescar porra nenhuma, não. Vai, peita, mete a mão na cara, que nem eles estavam fazendo. Estou com ira desses putos”, afirmou o treinador alvinegro.

Antes da partida, o zagueiro Bolívar também usa um discurso forte para motivar o elenco botafoguense no confronto com o Fluminense: “Vamos deixar cicatrizes nesses caras, esses caras têm que sentir hoje aqui que que esse ano vai ser diferente, eles vão correr atrás da gente”.

O fato curioso é que o próprio Botafogo divulgou o vídeo em seu site oficial na internet, em um trabalho que o departamento de marketing faz durante as partidas da equipe na temporada. Apesar de poucas vezes o público ter acesso a imagens como esta, as palavras mais fortes e o jeito exaltado de técnico e jogadores em um ambiente fechado como o vestiário são bastante comuns no futebol.

  Nota do Toque de Bola:

Oswaldo de Oliveira já foi, em duas oportunidades, treinador do Fluminense. Numa dessas passagens, esteve em Juiz de Fora, em 6 de outubro de 2001, em partida pelo Campeonato Brasileiro. O tricolor, então dirigido por ele, venceu o alvinegro por 2 a 1, no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, gols de Andjelkovic e Paulo Cesar, descontando Dodô.

   Texto, informações e reprodução foto: www.espn.com.br

Toque de Bola

Ivan Elias, associado do Panathlon Club de Juiz de Fora, é jornalista, formado em Comunicação Social pela UFJF. Trabalhou por mais de 11 anos no Sistema Solar de Comunicação (Rádio Solar e jornal Tribuna de Minas), em Juiz de Fora. Já foi freelancer da Folha de S. Paulo, atuou como produtor de matérias de TV e em 2007 e 2008 “defendeu” o Tupi, na Bancada Democrática do Alterosa Esporte, da TV Alterosa (SBT-Minas). É filiado à Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE) e Associação Brasileira de Cronistas Esportivos (Abrace).

Deixe seu comentário