Marcos Hallack em segundo no Carioca de Aquathlon

O triatleta juiz-forano Marcos Hallack (SaúdePerformance)cruzou em segundo na primeira etapa do Circuito Carioca de Aquathlon. A prova foi disputada na manhã do último domingo, 27, no Rio de Janeiro, com largada no Posto 6 de Copacabana. Nesta prova, os atletas correram 2 km, nadaram 750 metros e finalizaram correndo outros 2 km. Hallack completou o percurso em 24min41seg, 13 segundos atrás de Gabriel dos Santos e oito à frente do também juiz-forano Hugo Amaral.

“Levamos 15 atletas no total. Foi a primeira participação da nossa equipe no Rio de Janeiro e, neste ano, vamos participar de todas as etapas de Triathlon, Duathlon e Aquathlon. Ainda estou fora de forma e sei que posso evoluir. Mesmo assim foi um resultado bastante positivo. Não só meu, mas de todos da equipe. Dos 15, 14 participaram pela primeira vez de uma prova com natação no mar”, explica Hallack.

Leia também:
Hugo Amaral inicia Circuito Carioca de Aquathlon com terceiro lugar
Confira o calendário 2013 da Federação de Triathlon do Rio de Janeiro

Energia de Mãe 

Denise Magalhães tem 45 anos e foi uma das estreantes na modalidade. Ela faz parte da SaúdePerformance há cerca de 9 meses juntamente com o filho, Matheus Faria, de 17 anos. “Estrear no Aquathlon foi uma das melhores experiências que já tive. O trabalho na equipe mudou minha vida. Um ano atrás eu era sedentária, tinha medo de esportes por achar que não dava pra mim. Eu sempre fui gordinha quando criança e esporte era algo que não combinava muito comigo. Fazer um exercício na frente de alguém: jamais! A vergonha não deixava. Ainda meio descrente, com 44 anos, resolvi começar a correr. Muito tímida, corria na UFJF e nem passava perto dos monitores. O Marcos Hallack falava: ‘Vai lá, faz alongamento com eles!’ Um dia eu fui e amei! Percebi que meu rendimento dependeria de meu treinamento e envolvimento com a equipe”, revela.

De acordo com Denise, a recepção da equipe foi definitiva para sua permanência nos treinos. “O Matheus, meu filho mais velho, não ficou para trás. Ele tem 17 anos e começou a correr junto, com todo o gás. Aí pronto, foi contagiante! Passar da corrida para a natação, foi um pulo. É tudo muito gostoso de fazer: o contato com a equipe, os treinamentos no ‘tanque do Granbery’, os exercícios que vem junto com brincadeiras, diversão, reconhecimento dos limites e muita seriedade e muita informação. O Marcos acredita na gente, ele corrige, educa, manda parar ou prosseguir. Com isso tudo, eu perdi o medo do exercício. Percebi que o ‘movimento’ era possível! Veio então outra resistência: eu só gostava de treinar, pensava que competir era ‘pra quem pode, não pra mim!’ Bobagem. Vou vencendo os limites a cada passo! Além do Matheus, tenho mais dois filhos que entram para a equipe em breve”, afirma.

Deixe seu comentário