Lucas e Hugo superam ‘El Cruce Columbia’. Veja fotos

Os triatletas juiz-foranos Lucas Leite e Hugo Amaral (VidaAtiva) tiraram o carnaval para participar de uma aventura radical. Os dois participaram, entre os dias 8 e 10 de fevereiro, da prova que é considerada a mais dura corrida de montanha das Américas: “El Cruce Columbia”. Foram cerca de 100 km entre o Chile e a Argentina passando por um percurso marcado por belas paisagens, mas que exigiu muito dos atletas. Além de completar o desafio, os dois voltaram para Juiz de Fora com excelentes resultados.

“Eu fiz o percurso em 12h48min e fui o 76º geral e o sétimo brasileiro. O Hugo completou em 11h05min, sendo o 22º geral e o terceiro brasileiro. Conseguimos o nosso objetivo que era de ficarmos entre os 100 primeiros. Agora, já estamos pensando no nosso próximo desafio”, comenta Lucas Leite, entre risos, referindo-se ao Ultra Trail Mont-Blanc, disputado na Europa.

Leia também:
Juiz-foranos encaram desafio na Cordilheira dos Andes

Sobre a participação em “El Cruce Columbia”, Lucas revela que só para chegar até Pucón, no Chile, local da largada, a dupla já enfrentou uma verdadeira maratona. Depois, hora de concentrar na prova, que exigia mais do que esforço físico. No primeiro dia, 31 km. No segundo, 41 km. Para finalizar, 28 km. Segundo Leite, a quase totalidade do percurso passou por trilhas, o que aumentou ainda mais a dificuldade.

Os dois juiz-foranos (Lucas ao centro e Hugo à direita) enfrentaram dificuldades até mesmo após completarem a distância do dia. Eles ainda tinham que acampar

“Para não falar que estou exagerando, apenas 3 km foram em estrada de chão, a parte mais fácil, justamente os três últimos quilômetros. A gente cortou um dobrado. Depois de correr longas distâncias, tínhamos que passar também por outra dificuldade: acampar, uma realidade que nunca havíamos enfrentado. Quando a gente corre, dorme em hotel, com café da manhã, tudo pronto e dentro de um padrão normal. Nessa competição a gente não teve isso. A gente chegava, pegava as nossas coisas que a organização levava, armava o acampamento, dormia, acordava de madrugada, desfazia tudo para levar até o ônibus e depois que tinha que correr. Não nos preocupávamos apenas em correr. Havia também a logística de como sobreviver no local. Mas foi uma experiência muito bacana e já estou doido para repetir”, revela o triatleta.

Após a participação em “El Cruce Columbia”, Lucas revela que correr outras provas vai ficar mais fácil. Além do resultado obtido, ele destaca que conseguiu atingir outro objetivo, que é o de incentivar pessoas a buscar uma vida mais saudável por meio dos exercícios físicos, principalmente praticados próximos à natureza.

“A nossa empresa foca em preparação para atletas e servimos de espelho para muitos, que já querem realizar com a gente a nossa próxima aventura. Conseguimos parte do objetivo, que é incentivar pessoas a fugir do cotidiano. Em vez de correr no asfalto, em rodovia, trocar por uma trilha, uma subida um pouco mais puxada, uma mata, próximo a cachoeiras e lagoa, praias… Aos poucos a gente está conseguindo que as pessoas saiam do cotidiano normal de corrida”.

Texto: Thiago Stephan
Fotos: Organização da prova e arquivo pessoal dos atletas

Deixe seu comentário