Van Gasse com chances de ‘bandeirar’ em 2014

Aos 36 anos, o árbitro auxiliar Marcelo Carvalho Van Gasse vive um momento importante da carreira. Depois de trabalhar no Campeonato Sul-Americano Sub-20, na Argentina, ele vive a expectativa de atuar pela segunda vez consecutiva na Copa Libertadores da América. Além disso, viu seu nome aparecer como o terceiro de uma lista de auxiliares indicados para trabalhar na Copa do Mundo de 2014. Os dois primeiros serão escalados para a competição. Mesmo assim, ele torce para que tudo dê certo para os seus principais concorrentes. “Cada um tem o seu momento”, afirma, destacando ainda que suas chances serão maiores na Copa do Mundo de 2018.

Leia também:
Arbitragem: Van Gasse aprova Aristeu Tavares

“Sou residente no quadro da Fifa desde 2011 e, só por receber este ‘stand by’, ou seja, ficar como terceiro indicado para a Copa do Mundo, já fico muito grato, muito feliz pela CBF ter me escolhido. São dois companheiros de trabalho, que é o Emerson de Carvalho (São Paulo) e o Alessandro Matos (Bahia) e torço para que dê tudo certo para eles. Vou ser chamado só se um dos dois falharem em um teste físico ou teórico. Neste caso, este ‘stand by’ é usado, mas eu torço para que isso não aconteça. Tenho chances também de ir na Copa de 2018. Cada um tem o seu momento e a sua hora e eu deixo nas mãos de Deus o que pode acontecer futuramente”, afirma Van Gasse.

Van Gasse (último à direita) antes da partida entre Paraguai e Uruguai pelo Sul-Americano Sub-20 (Foto: Arquivo Pessoal)

Outra possibilidade dele ser escolhido para o Mundial é se o árbitro brasileiro escalado para a Copa citar o seu nome. “O árbitro é quem escolhe os assistentes. Quem escolheu esses dois assistentes foi o Wilson Seneme. Ele teve falhas e foi retirado do processo. Creio que agora são três árbitros que têm chances de ir à Copa do Mundo: o Sandro Ricci, o Weber Roberto Lopes e o Leandro Vuaden. Aí fica a critério da Fifa escolher . Minha chance é um desses árbitros citar o meu nome, mas não gosto muito de contar com isso”, explica.

Sobre o Sul-Americano Sub-20, disputado recentemente na Argentina, Van Gasse revela que a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) escolheu árbitros experientes devido à importância da competição. Somente ele e o Sandro Ricci, de Pernambuco, representaram a arbitragem brasileira, motivo de orgulho. Agora, suas atenções se voltam para a Copa Libertadores da América. Logo após o carnaval, Van Gasse tem um importante compromisso.

“Estou escalado para a partida do dia 14 entre Newell’s Old Boys, da Argentina, contra Olimpia, do Paraguai. É um prazer trabalhar na Libertadores da América. É o meu segundo ano consecutivo e representando a arbitragem do Brasil na Sul-Americana. Não é diferente de trabalhar no Brasil. O árbitro tem sempre que acertar, não tem outra opção. A gente vai lá com esse intuito: acertar e fazer um bom trabalho para representar a arbitragem brasileira”, disse.

Por fim, o árbitro auxiliar mostrou-se agradecido a Juiz de Fora, cidade que o acolheu, e à UFJF, instituição que segundo ele proporcionou “totais condições que para que tudo isso acontecesse”.

Texto: Thiago Stephan

Deixe seu comentário