Gerson é JF na BR 135 Ultramarathon

Correr 217 quilômetros entre São João da Boa Vista (SP) e Paraisópolis (MG) passando pela Serra da Mantiqueira, um trecho que é conhecido como Caminho da Fé. Este é o desafio que o corredor Gerson Silveira vai encarar a partir da próxima sexta-feira, 18, às 8h. Será a quinta participação do atleta na BR 135 Ultramarathon, competição que é considerada a mais difícil do Brasil pelo somatório de distância e percurso. Aos 49 anos, ele terá 48 horas para completar a prova, mas pretende realizá-la em menos tempo: sua meta é cruzar a linha de chegada em até 40 horas. Para isso, contará com a ajuda de dois anjos da guarda.

Ao todo, a 135 Ultramarathon Cup reunirá 173 participantes de treze países: Alemanha, Argentina, Brasil, Canadá, Costa Rica, Chile, Estados Unidos, Índia, Itália, Japão, México, Reino Unido e Singapura, divididos nas categorias Solo 48 horas, Solo 60 horas, Duplas, Trios e Quartetos. Nas duas primeiras participações, Gerson competiu na categoria Solo 60 horas. Na terceira, disputou em Dupla Mista. Na quarta, em Trio Misto, formação que obteve o recorde da prova.

Gerson sabe das dificuldades que enfrentará, mas está otimista, mesmo com sua preparação ficando abaixo das dos anos anteriores. “A prova é considerada a mais difícil do Brasil por ter apenas 20 km de retas ao longo dos 217 km. É praticamente toda em aclive e declive por estradas de chão, passando, inclusive, pelo Pico do Gavião, ponto mais alto com 1.600 metros de altitude. Apesar de ser o ano que menos me preparei por motivos de trabalho, tenho certeza que a linha de chegada terá um sabor mais especial. Fiz  longões de 30 a 40 km por dia, três vezes por semana, além de yoga e pilates”, revela.

Distância longa e percurso duro, mas o visual compensa (Foto: site oficial da BR 135)

Anjos da guarda

Gerson contará com a equipe de apoio formada pelo policial militar Reinaldo Simplício e o corredor Jorge Emídio, atletas com experiência em provas de longas distâncias. São chamados de pacers.

“Eles são peças fundamentais, pois, depois de 24 horas de prova, são eles que pensam por mim, já que o cansaço mental e as horas sem sono nos pegam neste tipo de desafio. Nos reunimos no último dia 11, quando traçamos as metas. São corredores e já estão orientados para me aturar [risos] durante as 38 a 40 horas, meu objetivo de chegada”, explica o ultramaratonista. Ainda de acordo com o corredor, a força psicológica neste tipo de prova ganha ainda mais importância. Por isso a necessidade dos pacers e das aulas de yoga. “Quem comanda nosso corpo é a mente. Pensamento positivo, treinos e alimentação formam a tríade de uma boa performance”.

Só mesmo com muita força psicológica para enfrentar a falta de apoio. “Penso que esporte e educação ainda não são prioridade no Brasil. Fala-se muito e pouco de faz. (…) Valores temos de sobra, mas falta apoio”. Mesmo assim, não desanima: “Na luta entre o tempo e a distância, o homem ainda é maior vencedor. Eu cruzarei a linha de chegada”, garante. Por fim, Gerson faz um agradecimento à Sprint Tennis, que forneceu dois pares de tênis, e à Cesama, que o ajudou com água mineral.

Texto: Thiago Stephan

Este post tem 3 comentários

  1. gerson

    gerson que deus ilumine sua participação voçe prova com isto que mesmo sem apoio voçe e um vencedor parabens de quem esta torcendo por sua participação.

  2. Marcus (Marquinho)

    Vamos lá Gerson, muita fé e perseverança para encarar mais esse desafio.
    Todos nós, amantes por corridas, estamos torcendo por você.

    Parabéns ao toque de bola, sempre divulgado os grandes valores do esporte local.

  3. VANDIN (ULTRAMARATONISTA)

    Vai com DEUS Gerson, vc é a nossa inspiração e parabéns pela garra, sua narrativa foi emocionante.
    Obrigado ao Blog TOQUE DE BOLA, valeu Ivan, pela entrevista o Gerson , merece este apoio.

Deixe seu comentário