DNA carijó: Toledinho traz no sangue o bom futebol

Um nome chama a atenção entre os jovens jogadores do elenco que o Tupi está montando para a disputa do Campeonato Mineiro e da Copa do Brasil. O meia Raphael Toledo, ou, como ele mesmo prefere ser chamado, Toledinho. O jogador, de 23 anos, traz no sangue o DNA carijó. Afinal, ele é neto de Toledo – integrante do time que ficou conhecido como ‘Fantasma do Mineirão’ e considerado como um dos principais jogadores da história do Tupi – e filho de Júlio Maravilha, zagueiro que marcou época com a camisa alvinegra e também tido com um dos melhores na posição a defender o Galo. Será que agora é a vez de Toledinho também deixar seu nome na galeria dos grandes jogadores que defenderam o time de Santa Terezinha?  

Leia e assista:
Especial: super entrevista em vídeo com Moacyr Toledo

Toledinho foi formado nas divisões de base do América-MG, para onde seguiu quando tinha apenas 13 anos. Ficou em Belo Horizonte até a categoria juvenil. Quando era júnior, veio para o Tupi. No ano seguinte, se profissionalizou e defendeu a equipe juiz-forana em 2006 e 2007, despertando o interesse de empresários. Jogou no Estoril, de Portugal, e, antes de retornar a JF, atuou no Capivariano (SP).

Toledinho teve atuação destacada no jogo-treino diante do Duque de Caxias

Poucos dias após ser apresentado como reforço do Carijó, Toledinho foi um dos destaques da equipe no jogo-treino diante do Duque de Caxias, disputado na quarta-feira, 8. Uma atuação que deixa a impressão que muitas alegrias ainda estão por vir. Não é por menos que ele conta com o aval do avô.

“Eu acho chato falar de mim e também do meu neto. Contra o Duque de Caxias,  mostrou o seu futebol. E olha que conhece poucos jogadores do elenco. Tem potencial e é isso que ele quer. Gosta dessa vida. Saiu de casa com 13 anos. Quando fizeram a proposta para voltar, falei que, entre Tupi e Capivariano (SP), era melhor ele ficar por aqui, onde tem mais chances de aparecer”, revela o “Homem que marcou Pelé”, para depois acrescentar que o técnico Felipe Surian conhecia Toledinho desde os tempos de América-MG.

Conselho dado, conselho aceito. Agora, o que o meia quer é brilhar com a camisa alvinegra, assim como fizeram seu pai e seu avô. “Volto ao Tupi com muito orgulho e a maior dedicação possível. Essa camisa tem um peso muito grande e venho para defendê-la com todas as minhas forças”, afirma.

Texto: Thiago Stephan

Deixe seu comentário