Paciência e posse de bola para conquistar a primeira vitória

Para os gols do Tupi começarem a sair, alguns jogadores receitam paciência com a bola no pé. Para outros, tranquilidade é o termo adequado. As duas palavras não são sinônimos, mas se completam e ajudam a definir o sentimento dos jogadores e comissão técnica para a partida deste sábado, 11, contra o Brasiliense, no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, pela sétima rodada da Série C. É senso comum entre os atletas que o time precisa ter a posse de bola para cansar o Jacaré. Se isso ocorrer, os jogadores acreditam que as jogadas de gol vão sair naturalmente. Por isso, quem for assistir a partida, não espere ver um time afobado em campo.

Leia também:
Surian com dúvidas na lateral e no meio campo
Sem inspiração, Tupi não sai do 0 a 0 contra o Santo André
Rodrigo defende pênalti e Tupi empata com o Vila Nova

Com mais tempo para treinar a equipe, o técnico Felipe Surian classificou a semana de trabalhos como proveitosa e mais produtiva que a anterior. Segundo levantamento feito pela comissão técnica, o Carijó finalizou 16 vezes contra o Santo André, que concluiu em apenas duas oportunidades. Dos números, Surian tirou duas informações. A primeira é que o setor defensivo já vem se portando melhor após sofrer nove gols nas quatro primeiras rodadas. A outra é que o ataque não tem sido eficiente: foram apenas quatro gols em seis jogos. Por isso, as atividades comandadas por Surian visando o duelo contra o Brasiliense deram ênfase às finalizações.

A posse de bola foi outro ponto trabalhado pelo treinador. Para Allan, um dos mais experientes do grupo Carijó, o caminho para a vitória passa por “gastar” a bola. “Essa é a arma dos adversários. Os times que vêm aqui tentam tocar a bola para deixar nosso time nervoso. A gente tem que usar essa mesma tática. Às vezes, nosso time tem fica ansioso. Isso é normal no futebol, já que as coisas não têm acontecido como queríamos. Nessa hora temos que ter tranquilidade, paciência e manter a posse de bola, que é o mais importante. Com ela, a qualquer momento pinta jogada de gol”, destacou o Xodó da Galera, que vive a expectativa de ser relacionado após ficar fora na partida contra o Santo André. Ele destaca também que a equipe precisa ter inteligência para conseguir sair da marcação.

O atacante e capitão Ademílson mostrou que o entrosamento com Allan ocorre mesmo quando a bola não está rolando: “Acho que precisamos ter paciência. A torcida vai cobrar da gente no primeiro tempo. Precisamos ter tranqüilidade na hora de concluir para conseguir fazer os gols. Estamos muito afobados e nos livrando da bola. O Felipe vem pedindo para a gente ter posse de bola. Espero que a gente consiga por isso em prática e fazer os gols para melhorar no campeonato”.

O meio-campista Léo Salino, que retorna à equipe após cumprir suspensão, acredita que é preciso ter paciência sim, mas não muita. “Acho que a gente está dentro de casa e temos que impor o nosso ritmo. O time do Brasiliense é bastante experiente e gosta de cadenciar o jogo. Temos que impor nosso ritmo desde o começo”, disse, para depois analisar o que está faltando para os gols saírem. “Acho que está faltando arriscar mais. Temos jogadores habilidosos. Tivemos uma conversa esta semana neste sentido”.

A definição do time que entra em campo deve ocorrer apenas no vestiário. A única mudança garantida é na lateral-esquerda, já que Michel Loures machucou o olho em atividade durante a semana e foi vetado. Magalhães e Fabrício Soares disputam a vaga. Tudo indica que o time não deve ter muitas mudanças em relação ao que iniciou a última partida. Se isso realmente ocorrer, Surian deve escalar a seguinte formação: Rodrigo; Alex, Silvio, Wesley Ladeira e Magalhães (Fabrício Soares); George (Assis), Léo Salino, Henrique e Michel Cury; Fabinho e Ademílson.

Brasiliense

A última atividade do Brasiliense antes do duelo contra o Tupi-MG, foi marcada por intensa atividade com bola. Ney da Matta comandou um treinamento tático de posicionamento visando a preparação para a partida. Na atividade realizada na manhã desta sexta-feira, 10, o treinador confirmou a entrada de Thiago Crispin, na lateral-esquerda, e do recém-chegado Rafael Ipoã, na meia.

Ele treinou posicionamento tático durante 40 minutos, onde trabalhou saídas de bola, bolas paradas defensivas e ofensivas. Ao final da atividade, trabalhou finalização com os homens de frente da equipe.

Segundo matéria publicada no site oficial do Brasiliense, o time titular teve a seguinte formação: Welder; Bocão, Luan, Leandro Camilo e Thiago Crispin; Everton, Andrade, Ferrugem e Rafael Ipuã; Hugo e Jandson.

Trio de arbitragem

O árbitro Arílson Bispo da Anunciação, da Bahia, vai comandar a partida entre Tupi e Brasiliense. Os auxiliares serão Adaílton José de Jesus da Silva e José Raimundo Dias da Hora, ambos também baianos.

Ingressos

Os ingressos antecipados para a partida Tupi x Brasiliense (DF), pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro da Série C, já estão à venda, nos três pontos tradicionais: Campo do Tupi (em Santa Terezinha), na sede social do Clube (Rua Calil Ahouagi, 332, Centro) e no Calçadão da Rua Halfeld. Os bilhetes custam R$ 15 (inteira) e R$ 7,50 (meia – para estudantes com a devida carteirinha, maiores de 60 anos e menores de até 12 anos).

Transporte

A Secretaria de Transporte e Trânsito vai disponibilizar seis ônibus extras para a partida. Os dois primeiros veículos sairão da Avenida Presidente Itamar Franco às 13h30; outros quatro ônibus sairão a partir das 14h. Já no sentido Estádio/Centro, o último veículo sairá da região da partida às 18h40. Veja os itinerários:

Sentido Centro/Estádio: Avenida Presidente Itamar Franco, Estrada Dom Orione, Avenida Eugênio do Nascimento, Estádio Municipal.

Sentido Estádio/Centro: Estádio Municipal, Avenida Eugênio do Nascimento, Estrada Dom Orione, Avenida Presidente Itamar Franco, Rua Doutor Paulo Frontin, Rua Halfeld, Avenida Getúlio Vargas, Avenida Presidente Itamar Franco.

Texto: Thiago Stephan

[wpfootball id_league=7 id_template=2]

Deixe seu comentário