Fla dá adeus à Libertadores. Vasco vence no Uruguai. Veja resultados da Copa do Brasil

Juiz de Fora (MG), 13 de abril de 2012

O que parecia sonho distante chegou a ficar perto de se tornar realidade na noite desta quinta-feira. O Flamengo, que precisava vencer seu jogo e torcer por um empate no Paraguai, esteve a poucos minutos de atingir seu objetivo, mas não se classificou às oitavas de final da Taça Libertadores. No Engenhão, o Rubro-Negro bateu o Lanús por 3 a 0, gols de Welinton, Deivid e Luiz Antonio. Ronaldinho Gaúcho teve em alguns momentos uma atuação que fez lembrar sua melhor fase na carreira. Em Assunção, porém, Olimpia e Emelec empatavam por 1 a 1 até os 42 minutos do segundo tempo. Os equatorianos fizeram o segundo gol, levaram o empate, aos 46 (resultado que classificava o Flamengo), mas conseguiram o gol da vitória por 3 a 2 aos 47 e ficaram com a vaga.

Clique aqui e leia também a crônica de Fluminense x Boca Juniors: “Provado em Harvard”

Àquela altura, o jogo do Fla já havia acabado. Os jogadores aguardavam em campo. Léo Moura, com um fone de ouvido, ouvia a transmissão de TV do canal Fox Sports. A tristeza do lateral e dos flamenguistas foi transmitida ao vivo. Love chorou.

Com o resultado, o time carioca terminou sua participação no Grupo 2 na terceira colocação, com oito pontos, dois a menos que o líder Lanús e um a menos que o Emelec. O Olimpia também somou oito pontos, porém perdeu para os rubro-negros no saldo de gols e ficou na lanterna do grupo. O mesmo Olimpia que o Flamengo vencia por 3 a 0 até os 31minutos do segundo tempo, na terceira rodada. Agora, aquele empate se revela impiedoso.

O Flamengo entrou em campo em ritmo lento, e foi o Lanús que comandou as ações nos minutos iniciais. A primeira boa chegada rubro-negra se deu aos nove minutos, quando Ronaldinho deu bom passe para Love no lado esquerdo da área. O atacante bateu para fora, rente à trave direita do goleiro Marchesín.

O Lanús, que uma vez mais atuou sem Camoranesi, machucado (no jogo de ida, na Argentina, o campeão mundial pela Itália também fora vetado) seguiu com domínio territorial, mas acabou por levar o primeiro gol numa jogada de bola parada. Aos 17, Bottinelli bateu escanteio, e Welinton apareceu no segundo pau para escorar de cabeça. Foi o terceiro gol do zagueiro com a camisa do Flamengo, o primeiro no ano.

Com o gol, o Flamengo se animou e passou a criar mais, porém não deixou de sofrer com contra-ataques. Ronaldinho alternou bons e maus momentos. Tentou algumas jogadas de efeito e acertou umas, errou outras. Após cobrar uma falta na barreira, ouviu a torcida pedir Bottinelli numa segunda oportunidade. R10 cobrou, outra vez na barreira, mas dessa vez a bola sobrou para Love, que quase marcou o segundo.

Na defesa, o Flamengo voltou a dar sustos. Aos 27 do primeiro tempo, o Lanús entrou tabelando na área rubro-negra e a bola chegou a Valeri, que soltou uma bomba. Felipe mandou a escanteio. Na cobrança do tiro de canto, Regueiro apareceu livre na área, mas cabeceou para fora.

Ainda antes do intervalo, o Flamengo conseguiu ampliar sua vantagem. Aos 41, Ronaldinho fez bela jogada pelo meio e deu passe açucarado para Deivid. O atacante recolheu no lado direito da área e bateu rasteiro. A bola desviou levemente na zaga antes de tomar o caminho da rede.

No fim do primeiro tempo no Engenhão, tudo dava certo para o Flamengo. O time vencia por 2 a 0, e Olimpia e Emelec empatavam em Assunção. Entretanto, pouco antes do fim da etapa inicial no Paraguai, o Olimpia abriu o placar.

R10 à moda antiga

No segundo tempo, o Flamengo tinha a missão de conservar sua vitória e torcer para que o Emelec buscasse o empate em Assunção. E o Rubro-Negro só precisou de cinco minutos para conseguir o esperado conforto no placar. Luiz Antonio deu um chapéu antes do meio do campo e iniciou um contra-ataque. A bola chegou a Deivid, que passou até Ronaldinho. O craque então fez lembrar o jogador que encantou o mundo na última década. Deixou dois marcadores para trás com dribles plásticos e cruzou na medida para Luiz Antonio, que pegou de primeira e fez 3 a 0.

Com boa vantagem, o Flamengo viu o Lanús subir de produção. O time argentino, tocando bem a bola, conseguiu se colocar mais à frente e passou a rondar mais a área rubro-negra. Aos 9, Willians, machucado, deu lugar a Muralha.

O centroavante Pavone, um dos principais destaques do Lanús, incomodou o Flamengo com alguns chutes. Num deles, Felipe defendeu. Em outro, a bola saiu por cima do gol.

Jogo louco no Paraguai

Aos 23 minutos, a torcida explodiu no Engenhão. O Emelec empatou o jogo. Era tudo o que o Flamengo precisava. Joel, à beira do campo, comemorou efusivamente.

Daí em diante, o panorama seguiu com o Flamengo tentando tocar a bola e criar chances, e o Lanús mais presente, porém sem muito ímpeto para buscar uma reação. Classificado, o time argentino tentou diminuir a desvantagem, mas não criou grandes chances.

As atenções, de fato, estavam em Assunção. Olimpia e Emelec lutaram em busca da vitória que daria a classificação. Nos minutos finais, o jogo ficou sensacional. Três gols a partir dos 42 minutos. Melhor para o Emelec, que venceu por 3 a 2 e tirou a vaga das mãos do Flamengo com o gol decisivo aos 47 do segundo tempo.

Vitória vascaína não garante a liderança do Grupo 5

O Vasco entrou no Parque Central, em Montevidéu, nesta quinta-feira, 12, já classificado para as oitavas de final da Libertadores. Contudo, o time queria terminar a primeira fase em primeiro lugar do grupo para ter a vantagem de jogar a segunda partida em casa. A vitória por 1 a 0, entretanto, não foi suficiente. Com o triunfo do Libertad-PAR, por 2 a 1, sobre o Alianza Lima-PER, o time paraguaio garantiu a liderança por ter terminado com o mesmo número de pontos do Gigante da Colina (13), mesmo saldo (quatro), mas levar vantagem nos gols marcados (11 a 10).

O gol da vitória cruz-maltina foi marcado por Diego Souza e garantiu ao Vasco uma das melhores campanhas entre os segundos classificados. O time só não será o melhor entre eles se Fluminense e Boca vencerem os seus duelos na última rodada. Nesse caso, o time argentino ficaria em segundo na chave 4 e ultrapassaria o Vasco no saldo de gols. O Cruz-Maltino só saberá em que posição terminou e qual seu adversário no meio da próxima semana, quando se encerram os jogos da primeira fase.

O Vasco volta a campo no próximo domingo em busca da vaga para a semifinal da Taça Rio. O time encara o Nova Iguaçu, em Moça Bonita, precisando vencer para não depender de tropeços dos rivais para se classificar. O Gigante da Colina é o segundo colocado do Grupo B, com 11 pontos, um a menos que o líder Bangu.

Maestros ficam no Rio

Sem Juninho e Felipe, o Vasco apostou em um meio-campo de marcação. O time teve três volantes, com Fellipe Bastos mais avançado e Rômulo e Eduardo Costa mais defensivos. A ligação com o ataque seria feita por Diego Souza mas, na prática, era Eder Luis quem ditava o ritmo de ataque. Mesmo com dificuldades, a equipe carioca era melhor, já que o Nacional esbarrava no próprio desentrosamento (usou time misto).

O Vasco se aproveitava disso e dominava as ações ofensivas. Com um bom passe, Eder Luis deixou Diegou Souza livre na entrada da área. O chute saiu rasteiro, mas foi defendido. Alecsandro demorou para chegar no rebote e perdeu a chance. Em jogada ensaiada, Bastos cobrou falta para a área, na direção da marca de pênalti. Rodolfo apareceu para completar de canhota, mas mandou para fora. Minutos depois, foi a vez de Feltri perder um gol. O lateral recebeu bom passe de Diego Souza mas, na cara do gol, chutou cruzado e permitiu que o goleiro tocasse com a ponta do dedo.

Mesmo desperdiçando chances, o Vasco seguia melhor em busca de um gol que o colocasse em primeiro do grupo. E ele saiu. Só que no Peru, no duelo entre o Alianza Lima-PER e o Libertad-PAR. Christopher Hurtado abriu o placar para o Alianza e, com o empate no Uruguai, o Gigante da Colina ficava com mais pontos que a equipe paraguaia.

Mas o Vasco não queria depender do resultado do outro jogo e continuou buscando o ataque, mesmo que sem muita criação. Fagner mandou uma bomba de longe e quase fez um golaço. Mas foi o Nacional, mesmo sem ter criado quase nada, quem esteve mais perto do gol no primeiro tempo, quando Boghossian ganhou da zaga cruz-maltina e tocou para Aguirre. O meia encheu o pé e acertou a trave.

Diego Souza garante vitória

O segundo tempo começou sem mudanças nas equipes e com um ritmo lento. Os dois times tinham dificuldades de criar jogadas e nos primeiros quinze minutos só houve notícia relevante no outro jogo do grupo. O Libertad-PAR conseguiu empatar o duelo contra o Alianza Lima-PER e, com mais um gol, tomaria o primeiro lugar do Vasco.

Diego Souza parece ter sido informado do empate adversário e resolveu dar uma acelerada em campo. Com um bonito drible, fez tabelinha com Alecsandro e recebeu de volta na cara do gol. O camisa 10 chutou rasteiro, mas o goleiro Jorge Bava conseguiu tocar na bola e diminuir sua velocidade. Mas o meia foi atrás e empurrou para o gol. Na comemoração, trem-bala da Colina e dancinha.

O Nacional tentou reagir e o técnico Marcelo Gallardo fez três substituições ao mesmo tempo. Um dos jogadores que entraram foi o ídolo Alvaro Recoba. E foi dele a melhor chance do time uruguaio. O meia driblou dois e chutou forte de longe. Fernando Prass fez boa defesa. Do Peru, chegou a notícia ruim. O Libertad-PAR virou o jogo e assumiu a liderança por ter marcado mais gols. Com isso, o Vasco precisava marcar mais um ou torcer para que o Alianza empatasse.

O time vascaíno teve uma chance clara de ampliar, mas Eder Luis perdeu. Diego Souza recebeu na esquerda e tocou para o camisa 7 na pequena área. O atacante, entretanto, chutou em cima do goleiro, desperdiçando uma chance incrível. No rebote, Fellipe Bastos pegou forte, mas Jorge Bava fez boa defesa. E o gol fez falta. Sem conseguir ampliar, o Vasco não conseguiu terminar em primeiro do grupo já que o Alianza Lima não empatou com o Libertad.

Texto: www.globo.com

Jogos realizados no meio de semana pela Copa do Brasil

11/04 – Ceará 2 x 2 Paraná – Estádio Presidente Vargas
18/04 – Jogo de volta: Paraná x Ceará – Estádio Durival de Britto

11/04 – Remo 2 x 1 Bahia – Mangueirão
19/04 – jogo de volta: Bahia x Remo – Pituaçu

11/04 – Chapecoense 1 x 1 Cruzeiro – Estádio Índio Condá
18/04 – Jogo de volta: Cruzeiro x Chapecoense – Arena do Jacaré

11/04 – Grêmio 3 x 0 Ipatinga – Estádio Olímpico
04/04 – Jogo de ida: Ipatinga 0 x 1 Grêmio – Estádio Ipatingão

11/04 – Bahia de Feira 2 x 5 São Paulo – Estádio Joia da Princesa
Resultado elimina o jogo de volta

11/04 – Penarol-AM 0 x 5 Atlético-MG – Estádio SESI Manaus
Resultado elimina o jogo de volta

11/04 – Goiás 4 x 3 América-MG – Estádio Serra Dourada
04/04 – América-MG 0 x 0 Goiás – Arena do Jacaré

11/04 – Coritiba 3 x 0 Asa – Estádio Couto Pereira
04/04 – Jogo de ida: Asa 1 x 0 Coritiba – Municipal Arapiraca

11/04 – ABC 1 x 1 Vitória – Estádio Frasqueirão
18/04 – Vitória x ABC – Barradão

12/04 – Atlético-PR 5 x 1 Criciúma – Durival de Brito
05/04 – Criciúma 2 x 1 Atlético-PR – Heriberto Hulse

12/04 – Fortaleza 4 x 0 Náutico – Presidente Vargas
18/04 – Náutico x Fortaleza – Aflitos

12/04 – Portuguesa 4 x 0 Juventude – Canindé
04/04 – Juventude 2 x 0 Portuguesa – Alfredo Jaconi

Deixe um comentário