Fluminense supera Fogo e decide Taça GB. Deivid: “Meu filho de 5 anos faria o gol”

Rio de Janeiro (RJ), 23 de fevereiro de 2012

Em mais um duelo repleto de emoção na semifinal da Taça Guanabara, Botafogo e Fluminense fizeram o clássico para definir o adversário do Vasco na final do primeiro turno do Campeonato Carioca nesta quinta-feira, no Engenhão.

Veja enquete sobre Deivid no Toque de Bola

E após empate no tempo normal por 1 a 1, o Fluminense venceu o Botafogo na decisão por pênaltis por 4 cobranças a 3 e agora enfrentará o Vasco neste domingo, novamente no Engenhão, em busca do título da Taça Guanabara, que já garante o campeão na grande final do Estadual do Rio de Janeiro.

Elkeson abriu o placar para o Botafogo aos 29 minutos do segundo tempo após receber um passe dentro da área do argentino Herrera. Não demorou muito para o Fluminense reagir. Aos 34, Leandro Euzébio empatou para o Flu.

Na decisão por pênaltis, Jean errou para o Fluminense, enquanto Lucas e Loco Abreu, último batedor do Botafogo, não converteram suas cobranças para o time alvinegro.

O Jogo – O Botafogo começou a partida no ataque e antes do primeiro minuto, o time alvinegro conseguiu seu primeiro escanteio em chute de Elkeson que foi desviado por Bruno. A resposta do Fluminense veio numa arrancada de Carlinhos pela esquerda. Ele conseguiu encontrar Wellington Nem na área mas o chute do atacante não levou perigo.

Depois dos lances iniciais, os dois times passaram a se comportar de forma mais cautelosa, marcando em cima e truncando as jogadas dos adversários. O Botafogo tentava forçar as jogadas com Elkeson que se deslocava para a esquerda e dava trabalho ao lateral Bruno enquanto o Fluminense tentava chegar na área adversária através de toque de bola comandado por Deco.

Aos 13 minutos, Elkeson bateu falta com violência e obrigou Diego Cavalieri a espalmar para escanteio. Na cobrança, Antonio Carlos ganhou da zaga tricolor mas mandou a bola para fora. Aos 15 foi a vez do Tricolor atacar com perigo. Deco rolou para Thiago Neves que colocou Fred em condições de concluir. O chute saiu forte e obrigou Jefferson a realizar grande defesa.

Aos 19 novamente o time dirigido por Abel Braga voltou a ameaçar com uma cabeçada de Thiago Neves que levou muito perigo. Isolados no ataque, Herrera e Loco Abreu quase não participavam do jogo. Depois da parada técnica, os dois times demoraram um pouco até recuperar o ritmo anterior.

Aos 23 minutos, Leandro Euzébio se complica e cede escanteio, Na cobrança de Andrezinho, a defesa tricolor alivia o perigo.O jogo é disputado com intensidade pelas duas equipes mas as defesas sumplantam os ataques.

Aos 27 minutos, o Fluminense teve a chance de cobrar uma falta nas imediações da área botafoguense. Thiago Neves cobra com categoria e Jéfferson pratica outra grande defesa. O Fluminense era muito mais objetivo e aos 30 minutos, Antonio Carlos teve que se empenhar para evitar a conclusão de Wellington Nem.

O Botafogo continuava com dificuldades para fazer a bola chegar aos pés que dos atacantes que pouco conseguiam produzir diante da bem armada defesa tricolor. Os jogadores alvinegros mostravam muito nervosismo e reclamavam muito das marcações da arbitragem.

Só aos 38 minutos o Botafogo chegou na área tricolor em cruzamento de Andrezinho mas Diego Cavalieri saiu de soco e aliviou o perigo. Aos 39 minutos, Andrezinho cobrou falta ao lado da área e,na tentativa de afastar o perigo, Fred quase marcou contra.

A resposta tricolor veio aos 41 minutos em cabeçada de Fred que deu grande susto no goleiro Jéfferson. Um minuto depois foi a vez de Andrezinho assustar Cavalieri com um chute que levou muito perigo ao gol tricolor.

Os dois times voltaram sem modificações para o segundo tempo. E os dois times retornaram com o mesmo espírito do primeiro tempo com muita marcação mas foi o Fluminense que chegou primeiro na área aos quatro minutos com um chute de Wellington Nem que assustou o goleiro do Botafogo. Logo depois foi a vez de Fred arriscar da entrada da área.

O time das Laranjeiras ficava mais tempo com a bola enquanto o Botafogo apenas se defendia. Aos seis minutos, Thiago Neves cobrou escanteio e Fred subiu livre mas cabeceou mal, perdendo mais uma chance. Logo depois Andrezinho entrou com a bola dominada na área e reclamou de ter sido agarrado por um adversário mas o árbitro considerou o lance como normal.

Só depois dos dez minutos é que o Botafogo começou a sair da defesa, utilizando principalmente a lateral esquerda com Márcio Azevedo que levava vantagem sobre Bruno. Aos 13 minutos, Thiago Neves, de cabeça, obrigou o goleiro Jéfferson a fazer outra grande defesa para evitar o gol tricolor. Na sequencia, Welington Nem se chocou com Márcio Azevedo na área, mas Péricles Bassols nada assinalou.

O Tricolor seguia dominando e aos 15 minutos, Thiago Neves cobrou falta do lado direito da área alvinegra e a bola saiu sem levar perigo. Aos 19 minutos, o Botafogo que era completamente dominado, chegou na área em cabeçada de Loco Abreu que passou longe do gol de Diego Cavalieri. A parada do tempo técnico não serviu para melhorar o rendimento das duas equipes que continuavam errando demais e tornando a partida movimentada mas sem lances de emoção.

Só por volta dos 30 minutos é que o técnico Abel Braga decidiu fazer a primeira mudança, trocando Wellington Nem pelo veterano atacante Araújo.Logo depois, Oswaldo de Oliveira chamou Caio mas antes que a substituição fosse processada, o Botafogo marcou o primeiro gol aos 29 minutos do primeiro tempo.

Lucas esticou para Herrera que penetrou pela direita e cruzou para Elkeson, de carrinho, empurrar para as redes de Diego Cavalieri. Os jogadores do Fluminense pediram a marcação de impedimento de Herrera mas o árbitro validou o lance. Em desvantagem, Abel mandou Rafael Moura para o campo.

A pressão tricolor deu resultado e o empate aconteceu aos 34 minutos. Deco fez lançamento preciso para o zagueiro Leandro Euzébio que tocou na saída do goleiro Jéfferson. O jogo ficou aberto com as duas equipes procurando o gol que garantiria a vitória mas as defesas superaram os ataques e a decisão da vaga acabou mesmo nos pênaltis.

Deivid não foge e dá entrevista

Um dia depois de perder um gol incrível, que mudou a história da Taça Guanabara, Deivid falou. E falou muito, de forma clara, sem se esconder. O atacante do Flamengo pediu para dar entrevista nesta quinta-feira e comentou o lance mais comentado do futebol brasileiro no momento. Primeiro, em tom sério.

“Por toda a repercussão que tenho acompanhado, não teria motivo para me esconder. É a minha profissão. Não sou jogador frouxo, covarde e otário”, afirmou Deivid, que negou qualquer intenção de deixar o Flamengo por causa do lance – o gol poderia ter evitado a derrota por 2 a 1 para o Vasco, que levou o rival à decisão do primeiro turno do Campeonato Carioca.

“Isso nunca vai me fazer pedir para sair do Flamengo. Tenho contrato até dezembro e vou cumprir”, disse, antes de assumir a responsabilidade pelo resultado adverso. “Falaram mal do Ronaldinho, botaram como o pior do jogo, mas só tem um culpado que fui eu. Voltava no intervalo por 2 a 1, e praticamente liquidava a partida”, afirmou.

Deivid disse, ainda, que ficou chateado devido às críticas que a família teve de escutar. “Quem mais sofre é a família. Eu já sou macaco velho, cascudo, casca de tartaruga”, disse. Depois, brincou com a situação. “Até meu filho de cinco anos faria. Pensei nele quando aconteceu.”

Ainda falando sobre a família, Deivid disse que não considera o gol perdido o pior momento da vida. “Momento mais difícil da minha vida foi quando eu quebrei a perna e perdi minha mãe, há três anos”, respondeu.

Apoio de rivais – O lance impressionante protagonizado por Deivid causou comoção até nos rivais. “Foram ligações de jogadores do Santos, pessoal do Cruzeiro, de presidentes de clubes. Fico feliz, mostra que sou querido”, disse.

A torcida do Vasco, na quarta-feira, também se manifestou, aplaudindo o jogador. Entre os torcedores rubro-negros, houve vaias. Deivid disse que, fosse ele nas arquibancadas, não faria diferente. “Até eu se tivesse na arquibancada ia vaiar, não tinha como”, afirmou.

Texto: www.espn.com.br

Foto: Photocamera

Deixe seu comentário