18 fev 2017

Alberto Simão garante: “Projeto não tem volta. O Tupynambás vai estar na primeira divisão de Minas”



    Não há solução mágica. O sucesso do futebol do Tupynambás dentro de campo só será viável  com o sucesso do clube fora de campo. Só se faz futebol com receita. Receita se obtém com trabalho, credibilidade e transparência. Para cobrir os gastos com alimentação, salários, hospedagem e transporte, é preciso que os parceiros saibam o paradeiro do seu investimento.

   Além de buscar parceiros, é necessário encontrar formas de levar os torcedores ao estádio. E assim, com parceiros e torcedores vislumbrando um trabalho sério e de objetivos definidos, fica mais fácil contar com uma equipe competitiva dentro de campo.

    São esses os mantras do departamento de futebol do Tupynambás, repetidos na semana de estreia da equipe no Módulo 2 do  Campeonato Mineiro. Em evento na noite de terça-feira, 15,  foram apresentados, em evento para imprensa, parceiros e convidados, o site oficial, o Programa Sócio-Torcedor, os novos uniformes e o Portal da Transparência. O endereço do site é www.tupynambasfc.com.br

   Para o diretor executivo do futebol do Baeta, Alberto Simão, a parceria entre ele e o  clube, iniciada  em 2016, é  um “projeto que não tem volta”, e vai levar o Leão do Poço Rico à  primeira divisão do futebol mineiro.“Pode não ser este ano e nem no próximo, mas o  Tupynambás estará na divisão principal do estado. Estamos informando não só aos patrocinadores mas à opinião pública quais são os recursos e como são investidos, ao mesmo tempo vamos melhorando a estrutura e as condições de trabalho”.

   Para o empresário, apresentar os números financeiros é importante também à medida  que informa aos patrocinadores, à imprensa e à opinião pública que colocar uma equipe  em campo hoje, no futebol profissional, não custa barato. Ele citou como exemplo os valores para se inscrever um atleta na Federação Mineira de Futebol. “Se o jogador não for de Minas Gerais, só para inscrevê-lo são R$ 2 mil. Se ele for do estado, fica em torno de R$ 900. Imaginem no ano passado, quando o clube voltava de nove anos sem futebol profissional e teve que zerar tudo e ainda pagar o registro de um novo grupo de jogadores”.

   Diretoria

   O presidente do Baeta, Francisco Quirino, e o ex-presidente e atual presidente do Conselho Deliberativo, Carlos Gil,  dividiram a mesa com Simão, o representante da Bioleve, Julio Cesar Oliveira Senra, e os três integrantes  da equipe de comunicação do Leão do Poço Rico: Vitor Lima Gualberto, Roney Testa e Aloysio Guedes.

    Números    

   Ao citar a campanha de 2016 na Segunda Divisão (esta nomenclatura que confunde o torcedor, uma vez que em Minas o que corresponde à segunda divisão chama-se Módulo 2 e a Segunda, na verdade, é a terceira), o dirigente cita exemplos de como a reativação do departamento  de futebol do clube gera receita para cidade. “São 60 empregos diretos, mais os indiretos. Estamos abrindo mercado de trabalho”. Citou a força da imprensa local também como fundamental.

  A cidade

   Quando se referiu a três equipes que movimentam Juiz de Fora hoje (neste final de semana, dias 18 e 19, as três estão em ação – Tupi, JF Vôlei e Tupynambás), opinou: “A cidade tem uma cultura esportiva, mas não tem política efetiva do esporte”. Elogiou o diretor técnico do JF Vôlei, Maurício Bara Filho, e cravou que a equipe vai conseguir, nesta temporada, a inédita vaga aos playoffs  da Superliga masculina.

  Sem citar nome

  Alberto Simão preferiu não citar o nome do  Tupi, clube em que já esteve em temporadas anteriores, no departamento de futebol. Num momento, brincou com os jornalistas dizendo que a maioria estava de camisa preta. Adiante, preferiu dizer “o co-irmão lá de Santa Terezinha”. 

   Um marco

   Na explanação sobre as novidades estruturais que ele aponta como fundamentais, junto com o trabalho de transparência, o empresário citou a parceria entre o Baeta e o Núcleo de Futebol da UFJF como “um marco”. No acordo, o núcleo, coordenado pelo Professor da UFJF, Marcelo Matta, que compareceu ao evento, disponibiliza profissionais de departamentos diferentes, como a fisiologia e  a estatística, fornecendo à Comissão Técnica dados essenciais no dia-a-dia do trabalho.

  Na pauta      

  Outros assuntos comentados na apresentação do evento foram: os investimentos necessários em 2016, para garantir um mínimo de suporte do futebol do clube ao elenco, como cozinha, alojamento e roupa. As despesas junto à Federação Mineira também foram abordadas “mesmo ficando nove anos sem estar no futebol profissional, um clube inativo também paga”. No balanço, Simão disse que valeu a pena o título (que ele tratou como o primeiro da história do clube no âmbito estadual. O centenário Baeta tem diversas conquistas no futebol em épocas  anteriores, em torneios locais e  regionais bastante disputados e concorridos).

  Apesar de  ter aberto a temporada assumindo ainda ter pendências financeiras junto aos atletas, o empresário garantiu que “a vida financeira do futebol do clube é tranquila”. Na avaliação do primeiro ano da volta da equipe, disse que, apesar das tentativas e das promoções e considerando que há muitos anos o clube não entrava em campo profissionalmente, deve ser trabalhada melhor “a questão do público”.

  Horário

  O horário definido para os jogos como mandante  – normalmente aos domingos às 11h foi justificado “porque 10h é muito  cedo, 11h dá para  ir ao jogo e depois comer a macarronada da vitória”.

  

Texto: Ivan Elias – Toque de  Bola

Fotos: Toque de Bola

O Toque  de Bola  é administrado pela www.mistoquentecomunicacao.com.br

  


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


15 ago 2017
Futsal: goleada garante Sesi Juiz de Fora na semifinal do Campeonato Mineiro Sub-13 do Interior

14 ago 2017
Papa-títulos ataca outra vez! Cruzeirinho bate Valadares com gol de Lucas e conquista Super Copa

11 ago 2017
Em semana de rescisões de contrato, Tupi foca no Macaé

10 ago 2017
Josué Teixeira, campeão em 2014, é a última cartada do Macaé para reagir na Série C

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse

error: Conteúdo protegido.