29 ago 2016

Confira os bastidores da Corrida da Fogueira



Em sua 69ª edição, a Corrida da Fogueira 2016 foi disputada na noite de domingo, 28, reunindo cerca de 1.200 inscritos. O percurso de 7 quilômetros teve início na praça do bairro Bom Pastor, foi pela Avenida Rio Branco até a ponte do Manoel Honório e retornou ao ponto de largada. Sem contar pontos para o ranking de corridas de rua da cidade, os organizadores esperavam mais participantes e os atletas, por sua vez, reclamaram da organização.

Entre os homens, Jocemar Fernandes Corrêa conquistou o lugar mais alto do pódio pela primeira vez. Francisco Veríssimo Perrout Lima e Robison Gomes da Silva Junior, ambos da UFJF, ficaram com o segundo e terceiro lugares respectivamente. Na prova feminina, dobradinha da equipe do Granbery. Amanda Aparecida de Oliveira venceu pelo segundo ano seguido e Aline Barbosa dos Santos Silva ficou com a segunda posição. Em terceiro Claudete Nunes Lima representou a equipe Pódio das Frutas.

DSC_6053

69ª Corrida da Fogueira reuniu cerca de 1.200 inscritos. Número abaixo da expectativa.

  Medalha de ouro

Outro destaque do evento foi a participação do para-atleta Alexandre Ank. O tricampeão parapan-americano de tênis de mesa foi o primeiro a cruzar a linha de chegada dentre todos os participantes. Estreante na prova, ele aprovou o desempenho. “Estou muito satisfeito. A prova é pesada. A parte do Mergulhão é muito dura e, mais ainda, o trecho entre a Avenida Independencia e o Clube Sírio Libanês. Graças a Deus consegui completar a prova. Tenho o apoio muito grande dos meus patrocinadores e da Água de Coco da Preta, no São Pedro. Se não fossem eles, não poderia treinar”, comemorou.

Exausto, Alexandre Ank foi o primeiro a cruzar a linha de chegada.

Exausto, Alexandre Ank foi o primeiro a cruzar a linha de chegada.

 

 

 

 

 

 

 

 

  “Do jeito que eu gosto”

A campeã na categoria feminina, Amanda Oliveira, 19, também comemorou o resultado. “É um percurso que eu gosto: plano e com um pouco de morro. Hoje me senti bem, fiz uma boa prova e ainda melhorei meu tempo em relação ao ano passando, quando também venci”. Ela ainda criticou a gestão do evento. “Foi ruim até chegar o dia da prova. Para retirar os kits, por exemplo, teve falta de informação. Esperávamos um evento mais organizado” afirmou a atleta que terminou a corrida em 27m25s.

Dupla do Granbery dominou a prova feminina.

Fala campeão

O vencedor da prova masculina não tirou o sorriso do rosto por um segundo se quer. Desde quando cruzou a linha de chegada, Jocemar Fernandes Corrêa, 31, parecia ter tirado um peso das costas. Isso tudo porque o atleta finalmente consquistou o tão sonhado primeiro lugar. “Já participo há cinco anos e nunca havia ganhado. Sempre figurei entre os primeiros e finalmente fui campeão”, disse sorridente. Ele correu os 7 km em 23m34s.

Jocemar  cruza em primeiro lugar: conquista inédita

Jocemar cruza em primeiro lugar: conquista inédita

  Reclamações e resposta

Uma das reclamações mais recorrentes entre os inscritos foi o adiamento da prova, que seria realizada em julho. “Não estão mais valorizando a corrida. Está ficando de lado. Se não é o esforço dos atletas em correr atrás das coisas, não tem prova. É um evento que já está no 69º ano, tem tradição. A insatisfação é visível no número de participantes. Nos outros anos tinham mais de 3 mil pessoas”, disse o membro de uma comissão técnica, que preferiu não se identificar.

Este ano a prova foi organizada pela empresa Ponto Org. Um dos responsáveis é Henrique Gomes. Segundo ele, a empresa cumpriu os termos da licitação. “Esperávamos um número muito maior de inscritos, mas acho que a mudança de data influenciou bastante. Essas mudanças se deram pelos processos internos da Prefeitura. Nós obedecemos aos critérios e as datas que nos foram passadas”, explica.

 

Histórias fora da elite

Histórias de superação, desafios e diversão. A Corrida da Fogueira engloba diferentes pessoas, com diferentes objetivos. Em sua 69a edição, com um número de participantes menor do que as anteriores, a prova de sete quilômetros trouxe uma mistura de confraternização e competição que manteve as tradições.

Fora da chamada “elite”, alguns participantes estipulavam cruzar a linha de chegada dentro de algum tempo. Uma espécie de meta que não era tão importante de ser batida. A cada história, é possível perceber como os juiz-foranos desenvolveram um certo carinho pela corrida e pelo ambiente que é criado.

 

 Para acompanhar

Sandro Tomaz, que trabalha com manutenção, disse que veio apenas para acompanhar a esposa Jucilene. “Não tive um treinamento exato. Tenho o costume de correr diariamente, estou sempre correndo. A gente gosta de participar, é bom o envolvimento com o pessoal”.

Sandro Tomaz e a esposa Jucilene

Sandro Tomaz e a esposa Jucilene

 

A nutricionista Fernanda Gargiulo resolveu não deixar de participar simplesmente para manter a tradição: “Tinha o costume de correr, mas já tem um ano e meio que estou parada. Acabei vindo na Fogueira para manter os cinco anos seguidos que eu corro”. Ela diz preferir as corridas noturnas: “Acho mais legal, mais animada. Inclusive rendo melhor à noite, porque é o horário que eu normalmente faço atividades físicas”.

A organização da corrida em 2016 mudou. Alguns participantes já que costumam vir a todas as edições se mostraram confusos ou insatisfeitos. É o caso da empresária Monica Baldi, que já participa da Fogueira há oito anos: “Estou achando vazia. Está me surpreendendo. Todo ano é uma festa. Estou achando a animação bem inferior e muito menos gente. Estou muito triste, de uma coisa que é tão bacana para a cidade, uma tradição de mais de 60 anos, de repente ficar assim”. Ela sugere uma saída para que a Corrida da Fogueira volte a ter sucesso nas próximas edições. “Num sábado o evento faria mais sucesso. O pessoal está acostumado a vir sempre aos sábados, pois tem o domingo para descansar. A corrida no domingo não funciona. Muita gente conhecida da nossa equipe desanimou de vir em função de ser domingo. O evento pode voltar a ser o que era. E o primeiro passo é voltar a ser no sábado”.

Sobre o desempenho esportivo, Monica disse não ter nenhuma meta de tempo a cumprir. “Nenhuma meta. Hoje vou só passear. Vim mesmo porque é um evento interessante, legal, vim prestigiar”.

 

Legenda: Monica, de blusa preta, ao fundo,  junto com parte da equipe do Clube Bom Pastor

Legenda: Monica, de blusa preta, ao fundo, junto com parte da equipe do Clube Bom Pastor

 

Pantera questiona: Não era às sete?

O aposentado Carlos Alberto Viana, de 78 anos, já conhecido como “Pantera Cor-de-Rosa” por competir vestido a caráter, também fez sua reclamação: “Eu achei que essa corrida era às sete horas. Todo mundo está achando que é às sete horas. Vai chegar muita gente atrasada por causa disso. Mudaram o horário e tudo”. No entanto, ele chegou no horário certo e completou os sete quilômetros. Se não era o mais rápido, era, sem dúvidas, o dono do figurino mais original.

Carlos Alberto “Pantera” exibe sua medalha após completar a prova

Carlos Alberto “Pantera” exibe sua medalha após completar a prova

“Eu fundei a equipe Pantera Cor-de-Rosa com três pessoas. Nós somos 153. Foi uma brincadeira que pegou e já somos uma das maiores equipes de Juiz de Fora”, disse.

A roupa nada usual parece não atrapalhar o desempenho de quem já havia corrido nove quilômetros mais cedo, e só estava preocupado em brincar: “Bom, eu só corro com essa roupa à noite. E noite de frio. De dia eu não tenho coragem não. Aí eu uso uma outra roupa, também cor-de-rosa”.

O “Pantera” mostrou que a sua disposição para a Corrida da Fogueira vem de uma vida de desafios: ”Décima edição seguida. Faço canoagem, tenho 51 voos de asa-delta e vou para o quinto casamento”, brincou.

 

Reportagem: Toque de Bola, com supervisão de Ivan Elias

Fotos: Toque de Bola

O Toque de Bola é administrado pela www.mistoquentecomunicacao.com.br


Voltar

Deixe uma resposta

Notícias


22 jan 2018
Clínica com Zico no Maracanã une diferentes gerações em torno do sonho do futebol. Veja fotos

22 jan 2018
Tem de 10 a 16 anos e que jogar futebol? É levar a chuteira e conferir a agenda da semana na Faefid-UFJF

21 jan 2018
Virose no Carijó? Dirigente admite possibilidade, mas não quer usar como desculpa

19 jan 2018
Futebol do Baeta apresenta Comissão Técnica para Módulo 2 e admite que está atrasado

+ notícias

Toque de Bola

O primeiro portal exclusivo de esportes de Juiz de Fora cresceu rápido! Lançado oficialmente em janeiro de 2011, o Toque de Bola conquistou milhares de seguidores também nas redes sociais. Estamos no Instagram, no face, no Twitter. Informação dinâmica, com credibilidade e agilidade.


Acesse